Derrotar a intentona golpista de Bolsonaro com o povo na rua

"A provocação golpista de Bolsonaro é gravíssima e exige uma pronta resposta da esquerda e do conjunto das forças democráticas da sociedade", escreve o colunista Milton Alves. "A escalada autoritária do bolsonarismo visa remover os entraves institucionais ainda existentes para esmagar a oposição parlamentar e social", alerta

(Foto: Marcos Correa - PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O presidente Bolsonaro e a sua base de apoio militante optaram por um teste de forças. A convocação das manifestações para o dia 15 de março pelo próprio presidente é um sinal claro de que o governo é o principal organizador e inspirador da intentona golpista contra o que resta de democracia institucional no país.

O “Foda-se” Congresso Nacional, STF e os políticos (que ‘atrapalham’ o presidente) é uma manifestação aberta por um regime de força, autoritário e antidemocrático. Um complô antidemocrático aberto, sem tirar nem pôr.

A escalada autoritária do bolsonarismo visa remover os entraves institucionais ainda existentes para esmagar a oposição parlamentar e social, com o objetivo de acelerar o ritmo da aplicação do modelo econômico de espoliação desenfreada das riquezas nacionais e do povo brasileiro.

A provocação golpista de Bolsonaro é gravíssima e exige uma pronta resposta da esquerda e do conjunto das forças democráticas da sociedade. É a hora de convocar uma resistência ativa nas ruas para barrar o tour de force da extrema-direita no governo. Uma grande vigília nacional em defesa das liberdades democráticas, mobilizando as entidades da sociedade civil, os movimentos sociais e, sobretudo, a população trabalhadora.

A reunião de emergência convocada pelos partidos de oposição precisa estimular e contribuir para a construção de agenda de resistência popular.

Não há atalhos e não há uma varinha mágica para derrotar o governo Bolsonaro e seus impulsos autoritários. Em particular para o PT e as forças de esquerda, resta o árduo caminho da resistência ativa e de massas, sustentada a partir das bases sociais dos trabalhadores e do povo mais pobre, os mais afetados pela política genocida de exclusão social.

Nos próximos dias, se avizinham duros e intensos combates em defesa do Brasil e da democracia para barrar o golpismo de viés bonapartista de Bolsonaro e do baronato neoliberal.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247