Desemprego antecede novo desastre

Não devemos nos deixar enganar: as inciativas em curso por parte do governo e dos empresários, a baixa capacidade de consumo das famílias e do setor exportador indicam que o Brasil constrói, para 2017, o terceiro ano consecutivo de recessão, com crescimento negativo do PIB

Desemprego fica em 7,6% em janeiro
Desemprego fica em 7,6% em janeiro (Foto: Clemente Ganz Lúcio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Há piora contínua neste semestre, inclusive no mês de outubro, dos indicadores que revelam o comportamento do mercado de trabalho brasileiro, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o DIEESE e a Fundação Seade.

No segundo semestre, normalmente aumenta a oferta de postos de trabalho assalariados e de ocupações para trabalhadores autônomos e por conta própria. As empresas respondem à demanda de consumo das famílias, que regularmente cresce no segundo semestre, fazendo com que aumente a produção e o emprego. O círculo virtuoso de crescimento é encadeado.

Porém, pelo segundo ano consecutivo, o comportamento do mercado de trabalho é radicalmente outro. De maneira contínua, a ocupação encolhe, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do IBGE (a Pnad Contínua). Em outubro, houve recuo de 2,6% na ocupação - em setembro, já tinha sido de 2,4%. O resultado foi influenciado pela queda das ocupações dos trabalhadores por conta própria (-3,2%), segmento que, em momentos de crise, tende a absorver parte dos trabalhadores assalariados desempregados.

A taxa de desemprego chegou a 11,8%, em outubro. No mesmo mês de 2015, foi de 8,9%. E a taxa de outubro de 2016 só não foi maior porque não houve crescimento da procura por emprego, o que indica, no contexto econômico atual, deslocamento de parte da força de trabalho para o desalento, ou seja, o trabalhador está tão desanimado diante da gravidade da situação, que passa a achar que nem vale a pena procurar emprego, porque não há!

O prolongamento do desemprego, com aumento do tempo de procura, e o fim das verbas rescisórias e do seguro-desemprego travam o orçamento familiar e provocam redução do consumo e aumento da inadimplência. E os bancos aproveitam: ao renegociar as dívidas dessas pessoas, jogam as taxas de juros para a estratosfera, retirando mais renda das famílias.

Os rendimentos do trabalho também têm caído, mas a queda ainda tem sido amenizada, porque a inflação tem recuado e o desemprego atinge os postos mais precários e com menores salários.

Entre 2014/2016, 6 milhões de trabalhadores tornaram-se desempregados e deixaram de ter renda para consumir. Com queda do rendimento real médio e um número menor de ocupados, cai a massa salarial. Em São Paulo, por exemplo, houve redução de 20 pontos no índice da massa salarial entre 2014 e 2016 (115 para 95). Massa salarial menor e altos juros são fatores que, combinados a outros, jogam a economia em depressão, estado para o qual caminhamos.

Não devemos nos deixar enganar: as inciativas em curso por parte do governo e dos empresários, a baixa capacidade de consumo das famílias e do setor exportador indicam que o Brasil constrói, para 2017, o terceiro ano consecutivo de recessão, com crescimento negativo do PIB.

Os indicadores do mercado de trabalho antecedem o que vem pela frente. A situação acima sintetizada encontra enorme capacidade ociosa nas empresas, que, assim como as famílias, passam por situação de alto endividamento. De outro lado, União, estados e municípios passam por gravíssima crise fiscal, aviltada com extorsivos juros sobre dívidas, subtração contínua dos investimentos públicos e privados, restrições às exportações, entre outros problemas. Todas as locomotivas que podem e devem puxar o trem da economia para o crescimento estão travadas.

A saída é uma forte agenda de investimento público e privado em infraestrutura social e econômica, para gerar emprego e demanda para a indústria em geral, com gastos sociais para recuperar renda, elevar a massa salarial e a arrecadação tributária. São necessárias medidas que permitam que empresas e famílias renegociem as dívidas, livres dos absurdos juros cobrados pelo sistema financeiro, além de ousada mudança na política monetária e reorganização da dívida pública e dos seus mecanismos perversos de indexação e de remuneração. Isso será feito?

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247