Desemprego sobe, mas FHC segue na frente

"Crescimento do desemprego preocupa os brasileiros e cobra respostas do governo Dilma mas não deve servir para alimentar ilusões sobre a política econômica da oposição", diz Paulo Moreira Leite, colunista do 247;  "Nos oito anos de governo Fernando Henrique Cardoso, o índice de desemprego sempre foi superior aos 7,9% atingidos em outubro de 2015. O menor índice foi de 8,4% e o maior chegou a 12,1%. A média anual foi 20% superior ao desempenho dos anos Lula-Dilma, enquanto os juros da taxa Selic tiveram uma média de 26,6% ao ano, com picos de 41,2% e 39,9% – recorde jamais igualado pelos governos que vieram depois"

www.brasil247.com - "Crescimento do desemprego preocupa os brasileiros e cobra respostas do governo Dilma mas não deve servir para alimentar ilusões sobre a política econômica da oposição", diz Paulo Moreira Leite, colunista do 247;  "Nos oito anos de governo Fernando Henrique Cardoso, o índice de desemprego sempre foi superior aos 7,9% atingidos em outubro de 2015. O menor índice foi de 8,4% e o maior chegou a 12,1%. A média anual foi 20% superior ao desempenho dos anos Lula-Dilma, enquanto os juros da taxa Selic tiveram uma média de 26,6% ao ano, com picos de 41,2% e 39,9% – recorde jamais igualado pelos governos que vieram depois"
"Crescimento do desemprego preocupa os brasileiros e cobra respostas do governo Dilma mas não deve servir para alimentar ilusões sobre a política econômica da oposição", diz Paulo Moreira Leite, colunista do 247;  "Nos oito anos de governo Fernando Henrique Cardoso, o índice de desemprego sempre foi superior aos 7,9% atingidos em outubro de 2015. O menor índice foi de 8,4% e o maior chegou a 12,1%. A média anual foi 20% superior ao desempenho dos anos Lula-Dilma, enquanto os juros da taxa Selic tiveram uma média de 26,6% ao ano, com picos de 41,2% e 39,9% – recorde jamais igualado pelos governos que vieram depois" (Foto: Paulo Moreira Leite)


A operação ideológica da oposição para  destruir as conquistas  dos últimos 12 anos, durante governos Lula-Dilma, inclui um ataque contra a memória dos brasileiros.

O que se quer é apresentar um período histórico de vitórias e benefícios para a maioria da população como uma sequencia de manobras demagógicas que só poderiam ter dado errado e arruinar o Brasil. 

Isso explica tratamento dado a um problema real, que dia após dias preocupa um número maior de brasileiros – a alta do desemprego. Num país que estava com 5% de desemprego no final de 2014, e hoje se encontra no índice de 7,9%, num salto de 50% em dez meses, a situação é de fato preocupante e necessita de respostas urgentes, que diminuam o sofrimento da população atingida e permitam ao governo recuperar sua base de apoio.

O problema é que, por interesses políticos, tenta-se  apresentar a situação pior do que já é. Para começar, o país saiu de uma situação próxima do pleno emprego para um patamar que, mesmo mais alto, continua inferior aos melhores números obtidos nos dois mandatos de Fernando Henrique Cardoso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A luta é ideológica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As mesmas forças que sempre fizeram uma pressão gigantesca pela aplicação das medidas de ajuste econômico que produziram uma recessão de 3,1 pontos negativos em 2015 – alta de juros, redução no crédito e corte de estímulos e investimentos – agora fingem que nada tem a ver com isso. Tentam explicar a perda de empregos como consequência direta de uma política econômica de anos, que teria produzido distorções graves, gerando uma situação impossível de sustentar.    

A realidade é que, apesar do crescimento de 2015, o desemprego durante o governo Dilma – e também sob o governo  Lula – continua abaixo do que os números registrados durante os oito anos de governo Fernando Henrique Cardoso, quando o país estaria, teoricamente, sendo conduzido por uma política econômica coerente com o pensamento  sábios e justos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre 1995 e 2002, o desemprego nunca foi igual ou menor do 7,9%, o pior de Dilma até aqui. Sempre foi maior. Era de 8,4% em 1995, o primeiro ano de FHC no Planalto, que antes da presidência dirigia a economia através do Ministério da Fazenda. Chegou a 12,1% em 1999 e estava em 11,7% em 2002. (1)

Com diversas oscilações, sempre pelo alto, ficou em 10,6% ao ano, em média. Imagine 8 anos com o desemprego em dois dígitos.

Não por acaso,  no governo de Fernando Henrique a desesperança e um conformismo pouco disfarçado em relação a criação de novos empregos ajudaram a criar a expressão "baixa empregabilidade" – para culpar os próprios desempregados pela dificuldade em encontrar postos no mercado de trabalho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A média de 10,6% mostra o absurdo de um raciocínio conservador muito em voga nos dia de hoje. O número é 20% maior do que nos 12 anos Lula-Dilma, que foi de 8,1%( No primeiro mandato de Dilma, a média do desemprego foi de 5,4%).

Um ponto importante diz respeito aos empregos na indústria, termômetro de melhorias do mercado de trabalho. Ocorreu uma queda constante entre 1995 e 2002. Num cálculo que toma o ano de 1994 como base 100, a redução chegou a 78 no último ano do governo do PSDB. A partir de então, ocorre uma recuperação importante. Subiu-se para 97,2 em 2014.

Outro aspecto é que, no último ano de FHC, apenas 28,7% dos assalariados tinham empregos formais, que asseguram um grau mínimo de civilização aos trabalhadores. Dez anos depois da posse de Lula no Planalto, esse número havia subido para 47,5%. Um dado essencial envolve o poder de compra do salário mínimo. Em 2002, 70% do salário mínimo era consumido na aquisição da cesta básica. Em 2014, bastava 27% para comprar as mesmas mercadorias.

O raciocínio dos sábios e dos justos, nós sabemos, consiste em tentar construir uma relação de causa e efeito entre medidas de estímulo ao crescimento e distribuição de renda – marcas do governo Lula-Dilma – como principal fator para o descontrole de gastos, alta de inflação e, por fim, queda no nível de emprego. Pretende-se sustentar que naquele período a economia era melhor dirigida, nos tempos tucanos. Depende do ponto de vista. Para os assalariados, os números mostram o contrário.

Se essa visão fosse verdadeira, o desemprego sob FHC deveria ser mais baixo. O setor industrial teria sido melhor protegido. Na prática, o grande beneficiário foi o setor financeiro, o mesmo que a partir de 2015 tenta sua revanche.

Numa atitude coerente com uma visão que prioriza a atuação do próprio mercado e seus interesses, a taxa média de juros fixada pela Celic foi de 26,6% nos oito anos – um índice gigantesco, que nunca seria atingido, uma vez sequer, nos 12 anos Lula-Dilma. Nem em 2015, com juros reconhecidamente altos, os maiores desde 2003, chegou-se a esse patamar.

(1) Dados extraídos de "Vinte anos de Economia Brasileira," de Gerson Gomes e Carlos Antonio da Cruz, a partir do IBGE, IPEADATA, Banco Central

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email