Diante de um STF dividido, Cármen vota pela continuidade do golpe

Como já se esperava Carmen Lúcia, com voto decisivo no colegiado, diante do empate de 5 a 5 , votou enterrando as expectativas de milhares de brasileiros de exercer pacificamente seu direito de votar em Lula para presidente. Seu voto envergonhou o Brasil e não esteve à altura do cargo de presidente da corte suprema do País

Diante de um STF dividido, Cármen vota pela continuidade do golpe
Diante de um STF dividido, Cármen vota pela continuidade do golpe (Foto: José Cruz - ABR)

Após derrubar o habeas corpus de Lula por 6 a 5, o plenário do STF também negou, por maioria de votos, o pedido da defesa para que o ex-presidente continuasse em liberdade até o julgamento das Ações Declaratórias de Constitucionalidade.

Elas tratarão da constitucionalidade da prisão antes do fim de um processo judicial e não foram ainda pautadas pela presidente do STF, Carmen Lúcia para entrarem em votação.

Como já se esperava Carmen Lúcia, com voto decisivo no colegiado, diante do empate de 5 a 5 , votou enterrando as expectativas de milhares de brasileiros de exercer pacificamente seu direito de votar em Lula para presidente.

Seu voto envergonhou o Brasil e não esteve à altura do cargo de presidente da corte suprema do país.

Os ministros que votaram contra Lula pisando na Constituição brasileira - bastante clara em seu artigo 5 a respeito das garantias de liberdade até o trânsito em julgado em última instância – deram continuidade ao golpe iniciado com o impeachment ilegal e imoral de Dilma Roussef.

Durante manifestação de milhares de pessoas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em apoio a Lula livre durante o julgamento de 4/4, eu desafiei os ministros do STF a abandonar as togas e se candidatarem a uma vaga no Congresso Nacional.

Se querem mudar a Constituição abandonem a carreira de ministros vitalícios do STF e venham disputar no voto o direito de legislar. Até lá, apenas cumpram a Constituição.

No STF ainda restam, no entanto, ministros que honram o Poder Judiciário e a Carta Magna brasileira.

Em brilhante pronunciamento e num recado aos falantes generais de plantão, o decano Celso de Mello disse em seu voto que a ditadura militar (1964-1985) foi uma "marcante advertência que não pode ser ignorada" do resultado de intervenções militares na vida democrática, interferência que costuma representar "grave inflexão" no desenvolvimento de liberdades fundamentais e "danos irreversíveis" ao sistema democrático.

Para o decano “o respeito indeclinável à Constituição e às leis da República representa o limite intransponível a que devem se submeter os agentes do Estado, quaisquer que sejam os estamentos a que pertençam”.

Numa referência direta aqueles que se deixam pressionar por supostas “vozes das ruas“ e a pressão da mídia golpista, e seus porta vozes, o ministro Marco Aurélio deu seu recado: ”Longe de mim o populismo judicial”.

Uma frase do voto do ministro Ricardo Lewandowsky entrará com certeza para a história: hoje, 4 de abril de 2018, é o dia em que o sagrado direito de liberdade foi colocado em patamar inferior ao direito à propriedade, no Brasil.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247