Diesel, o combustível da discórdia

O que para alguns pode significar uma medida de apoio ao Brasil e em particular aos caminhoneiros que fazem parte da manutenção de todo o fluxo de redes que movimenta a nossa economia pode vir a ser apenas uma jogada (impulsionada pelo medo) para conter a insatisfação dos caminhoneiros e evitar uma possível greve

Diesel, o combustível da discórdia
Diesel, o combustível da discórdia (Foto: GIANCARLO SHIBAYAMA)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

De uma forma seca e direta se resume a politica de governo bolsonarista. É o Brasil entre a cruz e a espada, do se correr o bicho pega e se ficar o bicho come.
O que para alguns, ainda, iludidos, pode significar uma medida de apoio ao Brasil e em particular aos caminhoneiros que fazem parte da manutenção de todo o fluxo de redes que movimenta a nossa economia pode vir a ser apenas uma jogada (impulsionada pelo medo) para conter a insatisfação dos caminhoneiros e evitar uma possível greve.

Uma paralisação nesse momento em que o governo vem a todo custo tentando aprovar seus projetos que destoam de sensatez, equilíbrio e desenvolvimento, aliada a tamanha rejeição que só vem a crescer, poderia levar a total falência de seus planos escravagistas para o povo brasileiro.

Todo esse descompasso do governo desacelera o processo de destruição do pais.

O fato é que a "segurada" no valor do diesel parece não ter agradado muito o mercado financeiro, o que compromete ao sistema "self service", agora, nos padrões bolsonarista.

As ações da Petrobras despencaram, o que levou a estatal a uma desvalorização que ultrapassa 32 bilhões. Fato que não agrada nem um pouco aos especuladores do patrimônio do povo.

O Brasil desde o golpe de 2016 vem se tornando a praça preferida dos bancos. A proposta da reforma da previdência ou escravagista é entendida pelos banqueiros como uma nova mina de ouro encontrada, a possibilidade de ganhos com planos de previdência privada e todas as vantagens que a reforma traz através do sacrifício do povo, aos bancos e especuladores da pobreza que vislumbram o seu tão sonhado Estado mínimo .

Porém é que essa estratégia de Bolsonaro em interferir na Petrobrás para frear o aumento do diesel não vem agradando nem mesmo a sua equipe. Paulo Guedes por sua vez reagiu relembrando que o presidente já disse que não entende de economia e ainda completou afirmando que qualquer problema nada como uma conversa para "consertar".

A nós brasileiros que estamos no meio desse desgaste e rotina de insegurança só resta a esperança e a luta.

Vale lembrar aqui que não é só de economia que Bolsonaro disse não entender, segundo suas próprias palavras, não nasceu para ser presidente.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247