Diga “Oi” ao ouro russo e ao petroyuan chinês

"União econômica liderada pela Rússia e a China recém acordou em criar um sistema monetário que passe por cima das transações em dólares", diz Pepe Escobar

www.brasil247.com - Presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping
Presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping (Foto: REUTERS)


Por Pepe Escobar 

(Publicado no website The Cradle, traduzido e adaptado por Rubens Turkienicz para o Brasil 247)

Já era tempo, mas finalmente alguns contornos-chaves das novas bases do mundo multipolar estão sendo revelados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na sexta-feira passada, após uma reunião em videoconferência, a União Econômica Eurasiana (EAEU – Eurasian Economic Union) e a China acordaram em fazer um projeto de mecanismo para criar um sistema financeiro e monetário internacional independente. A EAEU é formada pela Rússia, o Cazaquistão, o Kyrguistão, a Bielorrússia e a Armênia; a mesma está estabelecendo acordos de livre comércio com outras nações eurasianas e está interconectando-se progressivamente com a Nova Rota da Seda (BRI – Belt and Road Initiative) da China.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para efeitos práticos, a ideia vem de Sergei Glazyev – o principal economista independente da Rússia, um ex-conselheiro do presidente Vladimir Putin e do Ministro para a Integração e Macroeconomia da Comissão Econômica da Eurásia (Eurásia Economic Commission, que é a autoridade regulatória da EAEU.

O papel central de Glazyev na ideação da nova estratégia econômico-financeira russa e eurasiana foi examinado aqui (https://www.strategic-culture.org/news/2022/03/04/how-russia-will-counterpunch-the-us-eu-declaration-of-war/ https://www.brasil247.com/blog/como-a-russia-contra-golpeara-a-declaracao-de-guerra-dos-eua-e-da-uniao-europeia). Ele previu a espremida financeira ocidental sobre Moscou anos-luz antes que outros o fizessem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De maneira bastante diplomática, Glazyev atribuiu a materialização da ideia “aos desafios e riscos comuns associados com a desaceleração econômica global e às medidas restritivas contra os estados da EAEU e a China”.

Traduzindo: já que a China é uma potência eurasiana tanto quanto a Rússia, estas precisam coordenar as suas estratégias para evitar o sistema unipolar dos EUA.

O sistema eurasiano será baseado numa “nova moeda internacional” - muito provavelmente tendo o yuan chinês como referência e calculada como um índice das moedas nacionais dos países participantes, bem como dos preços das commodities. O primeiro rascunho desta moeda será discutido já no final deste mês.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O sistema eurasiano está destinado a tornar-se uma alternativa seria ao dólar estadunidense, já que a EAEU poderá atrair não somente as nações que entraram na BRI (o Cazaquistão, por exemplo, é membro de ambas), mas também os principais membros da Organização de Cooperação de Shanghai (SCO – Shanghai Cooperation Organization), bem como os da ASEAN. Países do oeste da Ásia – como o Irã, o Iraque, a Síria e o Líbano – inevitavelmente se interessarão.

À médio-longo prazo, a expansão do novo sistema se traduzirá no enfraquecimento do sistema de Bretton Woods – o qual até mesmo operadores/estrategistas sérios do mercado nos EUA admite que está podre por dentro. O dólar e a hegemonia estadunidense estão enfrentando mares tormentosos.

Mostre-me aquele ouro congelado

Neste ínterim, a Rússia tem sérios problemas a enfrentar. Neste último fim de semana, o Ministro das Finanças, Anton Siluanov, confirmou que metade das reservas de ouro e moedas estrangeiras da Rússia foram congeladas por sanções unilaterais. Causa confusão mental o fato de que os especialistas financeiros russos tenham colocado uma grande parte da riqueza da nação onde esta mesma pode ser facilmente acessada – e até confiscada – pelo “Império das Mentiras” (copyright Putin).

No início, não ficou exatamente claro o quê Siluanov quis dizer. Como é que a chefe do Banco Central da Rússia, Elvira Nabiulina, e a sua equipe permitiram que metade das reservas em moedas estrangeiras e até do ouro russo fossem depositados em bancos e/ou cofres ocidentais? Ou será que esta é uma tática sorrateira de diversionismo de Siluanov?

Ninguém está melhor equipado para responder estas perguntas do que o inestimável Michael Hudson, autor da recentemente revisada edição de 'Super Imperialismo: A Estratégia Econômica do Império Estadunidense'.

Hudson foi bastante franco: “Quando ouvi pela primeira vez a palavra 'congelado', pensei que isto significasse que a Rússia não estaria gastando as suas preciosas reservas em ouro para sustentar o valor do rublo, tentando lutar contra um assalto estilo-Soros do ocidente. Mas agora a palavra 'congelado' parece significar que a Rússia enviou estes ativos para o estrangeiro, fora do seu controle.”

“Pelo menos até junho passado, parecia que todo o ouro russo estivesse guardado na própria Rússia. Ao mesmo tempo, seria natural guardar títulos financeiros e depósitos bancários nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha – porque é ali onde ocorre a maior intervenção no mercado mundial de moedas estrangeiras”, adicionou Hudson.

Essencialmente, ainda está tudo suspenso no ar: “Minha primeira leitura presumiu que a Rússia devia estar fazendo alguma coisa esperta. Se fosse esperteza mandar o ouro ao estrangeiro, talvez a Rússia estivesse fazendo aquilo que outros bancos centrais fazem: 'emprestar' aos especuladores, em troca de um pagamento ou uma taxa de juros. Até que a Rússia diga ao mundo onde colocou o ouro – e porque – não podemos imaginá-lo. Foi no Banco da Inglaterra – mesmo depois que a Inglaterra confiscou o ouro da Venezuela? Foi no New York Fed (Banco Federal do Estado de New York) – mesmo depois que o Fed confiscou as reservas do Afeganistão?”

Até agora não foram dados esclarecimentos adicionais da parte de Siluanov, nem de Nabiulina. Os cenários giram sobre uma série de deportações para o norte da Sibéria por traição nacional. Hudson adiciona elementos importantes ao quebra-cabeças:

Se as reservas estão congeladas, por que a Rússia está pagando juros sobre a sua dívida externa vencida? Ela pode direcionar o seu 'congelador' para pagar, transferindo a culpa para a inadimplência. Ela pode falar que o congelamento da conta bancária iraniana feito pelo Chase Manhattan – com o qual o Irã procurou pagar os juros da sua dívida em dólares. Ou ela pode desembarcar paraquedistas no Banco da Inglaterra e recuperar o ouro – uma espécie de operação tipo Goldfinger em Fort Knox. O que importa é que a Rússia explique o quê ocorreu e como ela foi atacada, como um aviso para outros países.”

Dando um gancho, Hudson não conseguiria evitar de dar uma piscada para Glazyev: “Talvez a Rússia devesse nomear um não-pró-ocidental para o Banco Central”.

O petrodólar que muda o jogo

É tentador ler nas palavras do Ministro das Relações Exteriores da Rússia, na cúpula diplomática em Antalya na última quinta-feira, uma admissão velada de que Moscou poderia não estar preparada para o pesado ataque de artilharia financeira usado pelos estadunidenses:  

“Nós resolveremos o problema – e a solução não dependerá mais dos nossos parceiros ocidentais, sejam governos ou empresas que agem como instrumentos da agressão política ocidental contra a Rússia, ao invés de zelar pelos interesses dos seus negócios. Garantiremos que jamais nos encontraremos novamente em uma situação similar e que nenhum Tio Sam ou outra pessoa possa tomar decisões que visem destruir a nossa economia. Encontraremos uma maneira de eliminar esta dependência. Deveríamos ter feito isso há muito tempo.”

Portanto, o “há muito tempo” começa agora. E um dos seus fundamentos será o sistema financeiro eurasiano. Neste ínterim, “o mercado” (leia-se, o cassino especulativo dos EUA) “julgou” (segundo os seus oráculos “self-made”) que as reservas de ouro russas – aquelas que ficaram na Rússia – não podem sustentar o rublo.

A questão não é essa – em vários níveis. Os oráculos “self-made”, com seus cérebros lavados há décadas, acreditam que o Hegemon dita aquilo que “o mercado” faz. Isso é mera propaganda. O fato crucial é que, no novo paradigma emergente, as nações da OTAN representam no máximo 15% da população mundial. A Rússia não será forçada a praticar a autarquia, porque ela não precisa fazê-lo: a maior parte do mundo – como vimos ser representada na robusta lista de nações que não aplicam sanções – está pronta para fazer negócios com Moscou.  

O Irã demonstrou como se faz isso. Os comerciantes do Golfo pérsico confirmaram ao The Cradle que, mesmo agora, o Irã está vendendo nada menos do que 3 milhões de barris de petróleo por dia para países não-signatários do JCPOA – Joint Comprehensive Plan of Action (Plano Conjunto de Ação Compreensiva) – o qual está sendo negociado em Viena. A origem do petróleo é renomeada, este é contrabandeado e transferido de/para navios-tanque na escuridão da noite.  

Um outro exemplo: um enorme refinador de petróleo, a Corporação Indiana de Petróleo (IOC – Indian Oil Corporation), acabou de comprar 3 milhões de barris de petróleo dos Urais russos da empresa Vitol para entrega em maio. Pelo menos até agora, não há sanções contra o petróleo russo.

O plano reducionista Mackinderesco é de manipular a Ucrânia como um peão descartável para arrasar a Rússia e, depois, para golpear a China. Basicamente, é a estratégia de dividir-e-reinar para esmagar não somente um, mas dois concorrentes iguais na Eurásia que avançam em passo cerrado como parceiros estratégicos compreensivos.

Hudson o entende assim: “A China está na mira e o que ocorreu na Rússia é uma ensaio-geral para aquilo que pode ocorrer com a China. Nestas condições, é melhor romper mais cedo do que depois. Porque a maior vantagem é fazê-lo agora.

Toda a tagarelice sobre “esmagar os mercados russos”, acabar com os investimentos estrangeiros, destruir o rublo, um “embargo comercial completo”, expulsar a Rússia da “comunidade das nações” e assim por diante – isto é para as galerias zumbificadas. O Irã tem lidado com a mesma coisa por quatro décadas e sobreviveu.

Justiça poética histórica, como intimou Lavrov, agora parece indicar que a Rússia e o Irã estão por assinar um acordo muito importante – o qual parece ser o equivalente da parceria estratégica Irã-China. Os três nós mais importantes da integração da Eurásia estão aperfeiçoando a sua interação enquanto andam e, mais cedo do que tarde, poderão estar utilizando um novo e independente sistema monetário e financeiro.

Porém há mais justiça poética a caminho, concernente à derradeira mudança de regras do jogo. E isto veio muito mais cedo do que todos pensávamos.

A Arábia Saudita está considerando aceitar o yuan chinês – e não os dólares dos EUA – para vender petróleo para a China. Tradução: Beijing disse à Riyadh que este é o novo encaixe. O fim do petrodólar está à mão – e este é o prego final no caixão do Hegemon indispensável.

Neste meio tempo, há um mistério a resolver: onde está aquele ouro russo congelado?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email