Dilma acordou e resolveu lutar

Reaparece a Dilma invocada que conhecemos na reta final das eleições, quando abandonou a moderação e partiu para o confronto. A presidente demorou demais a enxergar que o golpe do impeachment não era uma brincadeira de derrotados

A presidente Dilma Rousseff preside a cerimônia de Lançamento do Ano Olímpico do Turismo (Antonio Cruz/Agência Brasil)
A presidente Dilma Rousseff preside a cerimônia de Lançamento do Ano Olímpico do Turismo (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Rubens José da Silva)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Logo após Dilma ser reeleita numa disputa muito acirrada em que, na reta final, se despiu sem a menor cerimônia para mostrar sua verve guerrilheira, inexplicavelmente trancou-se no Planalto e dali, acuada pelos ataques sistemáticos contra seu governo, passou a assistir paralisada seus detratores a conduzirem para o cadafalso.    

Bastou que as urnas sacramentassem a quarta derrota seguida para que a oposição lançasse, no exato instante seguinte, a campanha pelo impeachment. Abraçados à grande mídia, que há um ano mantém o fogo aceso, conseguiram engrossar bastante o caldo.

A excitação de seus integrantes pela trama contrastava com a apatia da presidente na defesa de seu governo e da democracia.

Porém, subitamente, Dilma resolve arregaçar as mangas e lutar. A Dilma bolada parece que voltou.

Reaparece a Dilma invocada que conhecemos na reta final das eleições, quando abandonou a moderação e partiu para o confronto.

Se não foi um sucesso nos debates, pelo menos reverteu um jogo que parecia perdido. E pelo visto, é essa Dilma que voltou para encarar aqueles que querem derrubá-la.

Também não era pra menos. Percebeu, e já bem tarde, que a chance de continuar ocupando a cadeira para a qual foi eleita dependia de sua capacidade nesse enfrentamento direto.

Mesmo com o apoio de setores da sociedade na defesa da ordem democrática e, consequentemente, no cumprimento do seu mandato, muitos simpatizantes da presidente jogaram a toalha.  

Parecia o fim da linha para a presidente. Mas Dilma sabe lidar com situações-limite, mesmo sob forte pressão consegue manter a serenidade e tem um histórico de dar a volta por cima quando as coisas ficam difíceis.

Reanimada, a presidente retomou seu espírito de luta e passou a usar suas armas para enfrentar os adversários que sempre impuseram um jogo pesado e que, acintosamente, resolveram trocar as urnas pelo tapetão.

O forte discurso no Congresso da CUT marcou o início do retorno daquela Dilma que conhecemos nas eleições, sem medo do combate. Daí veio seu melhor contra-ataque aos golpistas: “os moralistas sem moral”.

A Dilma titubeante deu lugar a uma presidente que passou a ter iniciativa. Os discursos desconexos e broxantes de antes não se transformaram em empolgantes – a fala será sempre falha -, mas se tornaram incisivos.

Dilma demorou demais a enxergar que o golpe do impeachment não era uma brincadeira de derrotados. Pela sua larga trajetória política e por ter sofrido na própria carne a crueldade de uma ditadura assassina, sabia que governos de cunhos social e popular sempre foram desestabilizados por forças reacionárias poderosas.

Falhou feio em acreditar que temos uma democracia institucional sólida. Ora, um país que ainda hoje se pergunta se é uma República de bananas não pode se considerar imune aos atropelos golpistas.

Caso Dilma consiga encerrar o ano de 2015 enterrando de vez o fantasma do impeachment terá chances de, enfim, iniciar seu segundo mandato. Mas que tenha a certeza que terá ganho apenas uma batalha. A guerra seguirá seu curso.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email