Dilma e 23 ministros discutem a “estratégia cirúrgica”

A presidente Dilma Rousseff está reunida neste momento com 23 ministros discutindo a estratégia do governo para encerrar o quando antes a batalha do impeachment. O Plano A do Governo é o que um ministro chama de "estratégia cirúrgica": mata o processo na comissão especial. No plano B, a disputa no voto será no plenário

Presidente Dilma Rousseff durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília, em novembro. 24/11/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Dilma Rousseff durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília, em novembro. 24/11/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: Tereza Cruvinel)
Siga o Brasil 247 no Google News

A presidente Dilma Rousseff está reunida neste momento com 23 ministros discutindo a estratégia do governo para encerrar o quando antes a batalha do impeachment. O Plano A do Governo é o que um ministro chama de "estratégia cirúrgica": mata o processo na comissão especial que será instalada na segunda-feira e tem 30 dias para aprovar o parecer do relator, embora nada impeça que conclua seus trabalhos antes. No plano B, a disputa no voto será no plenário, precisando os defensores do impeachment de 384 votos e o governo de 171 para derrotar o pedido.

Os ministros que participam da reunião são todos filiados a partidos e devem estar sendo convocados a entrar na força tarefa atuando junto a suas bancadas já agora, com vistas a garantir a indicação de parlamentares leais ao governo para a comissão especial do impeachment. Será uma prova para o presidencialismo de coalizão. Na recente reforma ministerial Dilma contemplou todos os partidos, especialmente o PMDB, buscando recompor sua base de sustentação parlamentar. É hora de reciprocidade. Quem puder garantir os votos de seu partido, ou outro país, pediria o boné.

Outro ponto que deve  ser discutido é o da convocação extraordinária do Congresso para evitar o recesso e a sangria prolongada de Dilma. Com recesso, tudo ficaria para a segunda quinzena de fevereiro, a pior hipótese para o governo. Mas como o orçamento de 2016 já foi aprovado, teria que haver uma autoconvocação. Cunha estará disposto a isso? Renan pode tomar esta iniciativa? Estas são perguntas que estão sendo feitas neste momento.

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email