Do baixo clero a presidente da República

O milagre supremo: Messias (como Jesus fez com o pão) repartiu o osso para mais de 14 milhões de desempregados no país

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Adriano Machado)


Pouca gente sabe, mas a história da eleição de Jair Bolsonaro para Presidente da República, começou mais ou menos assim:

Em uma reunião no Clube Militar do Rio de Janeiro - o bunker do conservadorismo no país -, meia dúzia de oficiais com idade provecta se reuniram para tomar chá com torradas e decidir quem seria o candidato da extrema direita para concorrer ao posto de Presidente da República, nas eleições de 2018.

Um dos porta-vozes pediu a palavra:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Precisamos de um candidato que lute pelos nossos direitos e garanta o nosso futuro… cof!, cof! cof! - disse um general, de 99 anos, antes de perder a dentadura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Precisa ser alguém que tenha servido às Forças Armadas. Alguém manipulável. Não precisa ser muito inteligente. Aliás, quanto mais idiota, melhor. Tem que ser meio louco para enfrentar o TSE, e que tenha tempo livre para o ofício - disse outro general.

- De preferência que tenha simpatia pelos presidentes Trump e Putin - gaguejou outro general.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Os militares tiveram certa dificuldade para encontrar um militar com aquele perfil. Descobriram um cabo do Exército, especialista em pintura de meio-fio e com baixos padrões cognitivos. Mas houve resistência entre os generais.

- Um cabo não teria voto nem apoio do povo para comandar a nação. Vejam o exemplo do Cabo Daciolo… Precisamos de alguém de alta patente. Um general, um capitão ou, quem sabe, até um tenente - disse outro general, batendo com a bengala na mesa.

Os milicos já estavam quase desistindo. Alguns, já tinham até caido no sono,  quando, de repente, o telefone tocou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- General, encontrei o nosso homem - disse, do outro lado da linha, um militar que bate ponto na Câmara dos Deputados.

- Ele está aí?

- Está - respondeu o general.

- Certamente deve estar na tribuna defendendo alguma Lei ou apresentando algum projeto, certo?

- Não, general, ele está dormindo. E babando.

- Dormindo!? Durante uma sessão na Câmara dos Deputados?!

- Ele sempre faz isso. Mas ninguém se importa, ele até hoje apresentou apenas dois ou três projetos. A maioria deles relacionada às causas militares, entre elas a gratuidade de transporte público para ex-combatentes, o uso dos imóveis militares e regras para reajustes dos soldos. Só teve um aprovado. Geralmente, só dorme mesmo. É um deputado do ‘Baixo Clero’.

- Ele é militar?

- Ex. Foi expulso do Exército aos 33 anos, por insanidade.

- Já sei, um deputado de primeiro mandato, certo?

- Não, general, ele tem 30 anos de vida pública!!

- Qual o nome dele?

- Jair Messias Bolsonaro.

- Perfeito! É o nosso Messias! O único e verdadeiro salvador do Brasil!

Os integrantes do Clube Militar fazem parte do time de Luiz Eduardo Ramos, Eduardo Pazuello, Marcos Pontes, Braga Neto, Heleno e outros fardados que veem Bolsonaro como um iluminado.

E talvez seja mesmo. Ao menos alguns milagres ele já operou: no mais incrível deles, sobreviveu a uma facada que lhe abriu a barriga sem derramar uma gota de sangue. 

Mas isso, claro, é ‘fichinha’ perto dos milagres operados pelo Messias na economia, na saúde, na educação e na cultura: por exemplo, Bolsonaro transformou a classe média em pobres; os pobres em miseráveis; os miseráveis em invisíveis; sonegou a vacina à população; transformou a cultura em pó; reduziu a educação a meia dúzia de escolas militares; transformou em motivo de chacota instituições centenárias como os militares e os evangélicos; levou de volta o Brasil ao FMI; despencou o país dá 6ª para 13ª economia do mundo; transformou o nosso PIB no menor do mundo; a nossa gasolina na mais cara do planeta; elevou o preço do botijão de gás a 120 reais... Tudo isso, em apenas 3 anos.

Por fim, o milagre supremo: Messias (como Jesus fez com o pão) repartiu o osso para mais de 14 milhões de desempregados no país.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email