Dom Quixote contra Independência do Banco Central

A burguesia financeira comandante da financeirização econômica nacional, por meio do Banco Central, marginaliza e anula poderes republicanos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reinado da Bancocracia

Maria Lúcia Fattorelli, coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida, é a mais tenaz opositora do projeto de lei 19/2020, que dá carta branca para a bancocracia, através do BC independente, governar o Brasil, com o Tacão de Ferro do escritor socialista americano Jackon London; ela se consagra como moderna Dom Quixote brasileira para enfrentar o Tacão de Ferro, o ditador financeiro, que consegue passar, agora, no Congresso, projeto que lhe dá autonomia para agir à revelia dos poderes republicanos; ele controla todos e não é controlado por ninguém; toma conta da política monetária excludente de ilicitude e da moeda; livra-se, a partir da aprovação do projeto, do próprio parlamento; o Tacão de Ferro cala o legislativo; não aceita sua interferência na gestão da economia; rompe a constitucionalidade que determina supremacia do poder executivo no comando da política econômica, sob fiscalização do Congresso; a banca  se autonomiza para estar acima dessa superestrutura jurídica, garantida por lei para agir por si mesma, exclusiva de ilicitude.

O BC continuará adotando política monetária inconstitucional, usurpando poder do executivo, para encarecer artificialmente a taxa de juros, através do sequestro da liquidez; com escassez, o dinheiro fica mais caro; evita que as sobras de caixas dos bancos se transformem em pressão de baixa do juros, vitalizando a economia; o governo as troca por um juro que ele mesmo fixa; ou seja, artificialmente, o BC conduz a política monetária de acordo com interesse da banca, não da sociedade; o poder executivo abdica da sua responsabilidade, que passa a ser exercida pelo BC, monitorado pelo mercado financeiro; trata-se na prática de golpe do mercado financeiro nos poderes republicanos.

A burguesia financeira comandante da financeirização econômica nacional, por meio do Banco Central, marginaliza e anula poderes republicanos; ele deixa de responder a estes, institucionalmente, para obriga-los a se submeterem às novas regras determinadas pela financeirização ultraneoliberal; tal somente pode ocorrer mediante BC Independente, livre da submissão institucional ao controle externo; ele determina o controle da política monetária excludente de ilicitude.

Estupro constitucional

O trabalho sistemático de Maria Lúcia, por intermédio da Auditoria Cidadã da Dívida, que atua nacional e internacionalmente, cuida, agora, de alertar o Congresso que  seus representantes atuam contra a própria Constituição, ao aprovar projeto que desvirtua o papel do poder executivo diante da autoridade monetária; ele deixa de ser o responsável, para ser responsabilizado por aquele que antes lhe devia vassalagem institucional no sistema republicano; rolou estupro da Constituição, que coloca em risco democracia etc; a Bancocracia passa a predominar acima da institucionalidade republicana; não precisa, se aprovado o projeto 19/2020, de dar satisfação a ninguém; age autonomamente e independentemente dos poderes republicanos, e ponto.

Contradição do Centrão

A vitória da Bancocracia, no entanto, poderá ser tiro no pé do Centrão, que o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira(PP-Alagoas), comanda, de olho na sucessão presidencial de 2022; na prática, com o BC Independente ocorre, com a financeirização total da economia, o desmonte do Estado rendido ao seu credor; não há nenhum indicativo de que a financeirização econômica resultará em emprego, renda e desenvolvimento; o Tacão de Ferro é a ditadura financeira; o BC Independente combaterá a recessão, se sua função será a financeirização que aprofunda recessão e exclusão social? O Centrão não terá discurso para vender à sociedade, se a trai, escancaradamente, com a independência do BC. A nova frente de batalha da Auditoria Cidadã da Dívida, promete Fattorelli, será mais luta para que o BC Independente seja obrigatoriamente auditado no parlamento com acompanhamento social. É mais uma batalha da Dom Quixote de La Mancha contra a colonização financeira da população.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email