Doria ganha a guerra da vacinação

"Bolsonaro teve de recuar de sua posição radicalmente contrária à 'vacina do Doria' ou 'vacina chinesa' depois que fracassou a tentativa de trazer a vacina da Oxford da Índia", escreve o jornalista Alex Solnik

(Foto: GOVSP | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia 

O governador de São Paulo, João Doria, não perdeu tempo. Logo que acabou a reunião da Anvisa em que a vacina do Butantan foi aprovada por unanimidade ele já estava pronto para iniciar a vacinação, o que de fato fez, uma funcionária da UTI do Hospital das Clínicas foi a primeira imunizada do Brasil.

Doria não esperou sequer a publicação da decisão da Anvisa no Diário Oficial, que sairá amanhã, optou por apresentar o fato consumado, - pronto, começou – e nem deu bola para a ameaça do ministério da Saúde de apreender todo o estoque já disponível da coronavac.

Rápido no gatilho, surpreendeu todo o Brasil, iniciando a gigantesca tarefa antes do dia anunciado, 25, não só para não concorrer o risco de ver apreendidas todas as doses, mas também devido ao aumento exponencial no número de infectados e mortos em todo o país.

Doria quebrou a regra sagrada segundo a qual a vacinação deve ser iniciada em todo o país ao mesmo tempo, mas trata-se de uma emergência nacional e deve-se considerar que tanto a cidade quanto o estado que governa são os maiores do país, comportam brasileiros de todos ops recantos do país e é onde há mais doentes e mais óbitos.

O que precisa acontecer agora que tanto a vacina do Buitantan quanto a da Fiocruz foram aprovadas, ao menos em caráter emergencial é que o governo invista pesadamente na ampliação da produção de ambas as vacinas, pois dela depende o futuro de todos nós: quanto antes a maior quantidade de brasileiros for vacinada, mais cedo a pandemia será controlada. E poderemos voltar a respirar aliviados.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email