Doria sai de cena e Aécio defende candidatura própria para o PSDB. A dele?

Aécio Neves, com sua cegueira política, mais uma vez, entra na hora errada, no lugar errado

www.brasil247.com -
(Foto: Lula Marques/Agência PT)


Por Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia

O tucano João Doria não é mais candidato. Inevitável um retrospecto. Onde a coisa emperrou? O PSDB nasceu da costela do PMDB, no final dos trabalhos da Constituinte, que nos legou a Constituição de 1988. Surgiu como uma opção de centro-esquerda, para equilibrar um jogo político contaminado pelo coronelismo regional (SP) de Orestes Quércia (PMDB), com nomes simpáticos à política brasileira, tais como Mário Covas, um democrata, e Fernando Henrique Cardoso. Este, por muitos anos o presidente do partido, um intelectual bon vivant, que se um dia foi curioso quanto às lutas do ABC, dali por diante caminhou com os princípios liberais debaixo do braço, rumo à direita mercantilista e, tal como cantou Carmem Miranda, ele poderia batucar: “disseram que eu voltei americanizado”. 

Há quem diga que aquela chamada ao DOPS para depor durante os anos trevosos da ditadura, o levaram a um acordo tácito, o de sair do país e não se envolver mais em polêmicas da esquerda. Como nunca veio a público um documento que corrobore a versão, e se foi um acordo “de boca”, segue a dúvida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas eleições dos tucanos José Serra e Aécio Neves, FH foi deixado sob o tapete, para não atrapalhar o desempenho dos candidatos. A crise energética que gerou os “apagões”, principal marca do seu segundo governo, ainda estava muito viva na memória do eleitor médio, bem como a crise antecipada, visando desmoralizar a eleição de Lula, a do “risco Brasil”, um tiro pela culatra. A tal ponto que os investidores bateram em retirada do país precocemente, levando a uma derrocada econômica que ele mau conseguiu segurar até a passagem da faixa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Seguia o partido em sua plenitude, todos devidamente acomodados em cima do muro - imagem colada indelevelmente ao partido, a de posições vacilantes, dúbias, hesitantes - até que a derrota de Aécio Neves para Dilma Rousseff, em 2014, “radicalizou” (quem diria!) o ninho tucano. O jatinho que aportou em Belo Horizonte levando o patrono Fernando Henrique e celebridades tais como Luciano Huck, para comemorar a vitória teve de dar meia volta, retornando a São Paulo sem o espocar do champanhe, que esquentou nos baldes de gelo derretido. Não havia o que comemorar. Apenas ressentimento e o sabor amargo da derrota. Queriam a contagem dos votos. Felicitações elegantes pela vitória à Dilma, nem pensar. Foram para o tudo ou nada.

No “bunda lelê” em que se transformou a política, mexida que foi pela birra do garoto frustrado com a derrota, o PSDB passou a se mover numa única direção: tirar Dilma do governo. A pauta mobilizou todas as energias do partido, que perdeu qualquer outro discurso no cenário político. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neste ínterim, o derrotado Aécio Neves surgiu nos processos da Lava-Jato como alguém com relações promíscuas com um senador suspeito, com o qual combinou - em gravação trazida a público -, matar o primo, se preciso fosse, para tirar do caminho todos os que pudessem prejudicá-lo politicamente. 

Péssimo em suas avaliações, não dimensionou que o principal prejudicado do seu jogo pesado era ele próprio e o PSDB, onde despontava a figura de João Doria - rival do seu grupo - e apadrinhado por um quadro histórico, Geraldo Alkimin. Foi neste trecho da ópera que Doria deixou no meio político uma nódoa insuperável: traidor. Mal despontou para o sucesso, vencendo as eleições para a prefeitura da capital paulista e depois para o governo, e traiu o padrinho, indo se unir a Bolsonaro, que no rescaldo do impeachment de Dilma, (uma vitória de Pirro do PSDB), chegava com tudo à presidência. Mas, como paixões arrebatadoras não costumam virar amor verdadeiro, logo trombou com o presidente, ao ambicionar a sua cadeira.

Abandonou seu novo aliado e foi abandonado por toda a sua base, ganhando o epíteto de “calça apertada”. Foi salvo e sustentado um tempo por seu louvável esforço para produzir uma vacina nacional que freasse o negacionismo mortal de Bolsonaro. Surfou um tempo nesta onda, até que Eduardo Leite, o jovem governador do Sul, resolveu chamá-lo para dançar, disputando o mesmo desejo, o posto de candidato em 2022. Mediram forças numa prévia que custou R$ 12 milhões aos cofres públicos. O partido, no entanto, parece ter gostado do jogo golpista e ignorou o resultado, mantendo Eduardo Leite, o novilho, na disputa. Leite perdeu e retornou ao Sul, ficando sem jogar, nesta rodada de 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bruno Araújo, um cristão novo, mas com o cargo de presidente do partido - ironicamente, uma cria de Doria -, estrangulou a sua candidatura. A volta do cipó de aroeira... Ao jogar a toalha, Doria disse em seu discurso se arrepender de “erros”. Talvez falasse para Araújo, a quem deu a mão, e a Rodrigo Garcia, outro afilhado guindado ao cargo por suas mãos. “Me retiro da disputa com o coração ferido e a alma leve. Com a sensação inequívoca do dever cumprido e missão bem realizada”. O discurso foi pronunciado com Bruno Araújo no centro da cena, bafejando em seu cangote, parecendo apressá-lo. Na ponta do palco, quase caindo das eventuais fotos, um Fernando Henrique tentando ser discreto, depois de ter defendido arduamente a candidatura Doria. Perdeu. A saída de Doria significa também a redução do peso de Fernando Henrique na política, e a pulverização de um partido que já impôs ao país uma política econômica selvagem e desigual. É o fim da candidatura Doria. É a ascensão de Simone Tebet, um quadro desconhecido de um MDB dividido e com chance zero de chegar lá. E Aécio Neves, com sua cegueira política, mais uma vez, entra na hora errada, no lugar errado. Defende uma candidatura própria do PSDB. A dele, certamente... É preciso diminuir as “doses” desse senhor.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email