Doutrina Trump, com seu novo eixo do mal, prevê derrubada de Maduro com a ajuda do Brasil, Colômbia e Peru

O “ditador” Maduro tem apoio de Moscou e, mais crucialmente, de Beijing, que compra petróleo e investiu amplamente na infraestrutura do país, depois que a gigante brasileira Odebrecht foi atingida pela investigação da Lava Jato. Há muito em jogo na Venezuela. No início de novembro, tropas do Brasil e dos Estados Unidos farão exercícios conjuntos na floresta amazônica, na fronteira com o Peru e a Colômbia. Podem chamar de ensaio para a troca de regime na Venezuela

Temer e Trump
Temer e Trump (Foto: Pepe Escobar)

Não foi um “discurso profundamente filosófico”.

Nem uma demonstração de “realismo com princípios”, como vendido pela Casa Branca.

O discurso do presidente Trump nas Nações Unidas foi “carnificina americana”, para usar uma frase previamente utilizada pelo autor de discursos dele, o nativista Stephen Miller.

É preciso entender a enormidade do que foi dito por Trump.

O presidente dos Estados Unidos, diante da burocracia inchada que se passa por “comunidade internacional”, prometeu “varrer do mapa” a República Democrática Popular da Coreia (25 milhões de habitantes).  E talvez o faça, ainda que milhões de sul coreanos morram como dano colateral.

Muitas tentativas foram feitas para conectar as ameaças de Trump à “teoria do louco” inventada por Nixon em parceria com Henry Kissinger, segundo a qual a então União Soviética deveria viver sempre sob a impressão de que Nixon era suficientemente doido para, literalmente, apertar o botão nuclear. Mas a Coreia do Norte talvez não se impressione com o remix da teoria.

Isso deixa, na mesa, um upgrade aterrador de Hiroshima e Nagasaki (Trump repetidamente falou sobre Truman no discurso).

Diplomacia frenética está em andamento tanto em Moscou quanto em Beijing: a Rússia e a China tem sua própria estabilidade/conectividade em jogo para conter a Coreia do Norte.

A Doutrina Trump foi finalmente enunciada e o novo eixo do mal delineado.

Os ganhadores são a Coreia do Norte, o Irã e a Venezuela.

A Síria, sob Assad, é uma espécie de meio diabo, assim como Cuba.

Crucialmente, a Ucrânia e o mar do Sul da China receberam apenas menção passageira de Trump, sem acusações duras contra Rússia e China.

Isso pode refletir algum grau de realpolitik; sem o RC — a parceria estratégica de Rússia e China que está no coração dos BRICS e da Organização de Cooperação de Shangai (SCO) — não há solução possível na Península Coreana.

Nesta batalha épica dos “muitos justos” com os “poucos perversos”, com os Estados Unidos descritos como uma “nação benevolente” que busca “harmonia e amizade, não conflito”, é um tanto estranho ver que o Estado Islâmico não foi retratado por Trump como sendo tão diabólico quanto a Coreia do Norte e o Irã — mereceu apenas alguns parágrafos.

A ARTE DE DESMONTAR UM ACORDO

De acordo com a Doutrina Trump, o Irã é “um estado malfeitor economicamente exausto, cujos maiores produtos de exportação são a violência, o derramamento de sangue e o caos”, um “regime assassino” que lucra com um acordo nuclear que é “uma vergonha para os Estados Unidos”.

O ministro das Relações Exteriores do Irã tuitou: “O discurso de ódio de Trump pertence aos tempos medievais — não à ONU do século 21 — e não merece resposta”.

O ministro russo Sergey Lavrov mais uma vez reafirmou completo apoio ao acordo, antes do encontro P5+1 em que Zarif deveria se sentar na mesma mesa que o secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson.

Sob avaliação, se o acordo com o Irã está sendo cumprido. Tillerson é o único que busca renegociação.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, vem usando um argumento inatacável sobre as negociações nucleares.

Ele disse que o acordo — que o P5+1 e a Agência Internacional de Energia Atômica concordam que está funcionando — poderia ser usado como modelo em outros lugares.

A chanceler alemã Angela Merkel concorda.

Mas, Rouhani diz, se os Estados Unidos decidirem abandonar o acordo de maneira unilateral, como seria possível convencer os norte coreanos de que vale a pena sentar e negociar qualquer coisa com Washington?

O que a Doutrina Trump busca, na verdade, é o velho golpe dos neocons: retomar a dinâmica da guerra fria entre Washington e Teerã nos moldes dos anos Dick Cheney (o vice de W. Bush).

O script é o seguinte: o Irã precisa ser isolado (pelo Ocidente, só que agora os europeus não aceitam mais isso); o Irã está “desestabilizando” o Oriente Médio (a Arábia Saudita, fundição ideológica do jihadismo salafita, recebe passe livre); o Irã, que desenvolve mísseis balísticos que alegadamente poderiam carregar ogivas nucleares, é a nova Coréia do Norte.

Isso abre as portas para Trump cancelar o acordo em 15 de outubro.

Este perigoso jogo político colocaria Washington, Tel Aviv, Riade e Abu Dhabi contra Teerã, Moscou, Beijing e capitais europeias não alinhadas.

Isso não é compatível com uma “nação benevolente” que busca “harmonia e amizade, não conflito”.

UM AFEGANISTÃO NA AMÉRICA DO SUL

A Doutrina Trump, como anunciada, privilegia a soberania absoluta do estado-nação.

Mas há aqueles “regimes perversos”que precisam de, bem, troca de regime.

Dá enter na Venezuela, agora “à beira do precipício”, governada por um “ditador”; assim, os Estados Unidos, “não podem parar e assistir”.

Sem parar, com certeza. Na segunda-feira Trump jantou com os presidentes da Colômbia, Peru e Brasil (o último deles indiciado como líder de uma organização criminosa e com uma taxa de aprovação inversa à da dinastia Kim, de menos 95%).

No menu: troca de regime na Venezuela.

O “ditador” Maduro tem apoio de Moscou e, mais crucialmente, de Beijing, que compra petróleo e investiu amplamente na infraestrutura do país, depois que a gigante brasileira Odebrecht foi atingida pela investigação da Lava Jato.

Há muito em jogo na Venezuela.

No início de novembro, tropas do Brasil e dos Estados Unidos farão exercícios conjuntos na floresta amazônica, na fronteira com o Peru e a Colômbia.

Podem chamar de ensaio para a troca de regime na Venezuela.

A América do Sul poderá muito bem se tornar um novo Afeganistão, uma consequência que deriva da afirmação de Trump de que “grandes porções do mundo estão em conflito e algumas, de fato, estão indo para o inferno”.

Apesar de toda a conversa sobre “soberania”, o novo eixo do mal dos Estados Unidos, mais uma vez, é sobre mudança de regime.

A Rússia e a China tem um plano para desarmar a disputa nuclear, seduzindo a Coreia do Norte a entrar na Belt and Road Initiative (BRI) e na Eurasia Economic Union (EAEU), através de uma ferrovia transcoreana e de investimento em portos do país.

O novo nome do jogo é integração euroasiática.

O Irã é essencial para a BRI.

É também um futuro membro pleno da Organização de Cooperação de Shangai, está conectado à India e Rússia pelo Corredor de Transporte Norte-Sul e é possível fornecedor futuro de gás para a Europa.

O nome do jogo, de novo, é integração euroasiática.

Enquanto isso, a Venezuela tem a maior reserva inexplorada de petróleo do planeta e é vista por Beijing como um módulo avançado da BRI na América do Sul.

A Doutrina Trump introduz uma nova série de problemas para a Rússia e a China.

Putin e Xi sonham com um equilíbrio de poder similar àquele do Concerto da Europa, que durou da derrota de Napoleão em 1815 até a véspera da Primeira Guerra Mundial, em 1914.

Foi quando o Reino Unido, Áustria, Rússia e Prússia decidiram que nenhuma nação europeia deveria ser capaz de repetir a hegemonia da França sob Napoleão.

Ao se colocar com juiz e executor, os Estados Unidos “benevolentes” de Trump parecem apenas interessados em fazer eco a tal hegemonia.

Este artigo foi primeiro publicado no Asia Times.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247