É preciso afastar Bolsonaro e traçar um plano nacional de emergência

"Espero não estar sendo excessivamente alarmista, mas o Brasil pode estar prestes a enfrentar um genocídio que será causado por vírus, por fome ou violência. É preciso parar Bolsonaro o quanto antes e desenhar um plano de emergência com todas as forças sociais e democráticas", diz o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247

(Brasília - DF, 20/03/2020) Presidente da República, Jair Bolsonaro e Ministros de Estado participam de videoconferência com representantes da Iniciativa Privada.
(Brasília - DF, 20/03/2020) Presidente da República, Jair Bolsonaro e Ministros de Estado participam de videoconferência com representantes da Iniciativa Privada. (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Partindo da premissa do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, de que o Brasil terá o pico de casos de coronavírus em abril, mês em que o sistema de saúde entraria em colapso, é razoável supor que a atividade econômica permanecerá parada por no mínimo 30 dias, 60 ou até mais.

Como os pequenos e médios empresários, donos de bares, cafés, lojas e restaurantes, não têm capital de giro, é também razoável supor que haverá uma quebradeira sem precedentes na economia brasileira, o que provocará demissões em massa de trabalhadores e prestadores de serviço.

Nesse cenário de caos, os empresários que insistirem em manter os negócios terão que liquidar suas reservas e ativos imobiliários e financeiros, como ações na bolsa de valores, que já caíram mais de 40% no ano, levando a novas desvalorizações nos preços dos imóveis e das ações.

Com dois ou três meses parados, a depressão da economia brasileira, portanto, poderá ser de pelo menos 10% neste ano, fazendo com que a taxa de desemprego suba dos atuais 12% para 20% ou até mais. E isso sem considerar a informalidade, o subemprego e o trabalho precário.

Como também se forma o consenso de que o Brasil tem um sociopata na presidência, é razoável supor que não haverá coordenação entre governo federal, estados e municípios, para organizar minimamente um plano emergencial de combate à fome, que fatalmente voltará com força total.

Fome dói. E o instinto natural do ser humano é lutar pela própria sobrevivência. O caos econômico fatalmente levará ao caos social, potencializando a violência urbana numa sociedade que já é uma mais desiguais do mundo. O que vem pela frente, portanto, é uma catástrofe.

Espero não estar sendo excessivamente alarmista, mas o Brasil pode estar prestes a enfrentar um genocídio que será causado por vírus, por fome ou violência. É preciso parar Bolsonaro o quanto antes e desenhar um plano de emergência com todas as forças sociais e democráticas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247