E se... um pouco de fantasia para suportar a distopia

"Convido você a imaginar como seria o Brasil, se não tivesse ocorrido o golpe militar de 1964", escreve Florestan Fernandes Jr., do Jornalistas pela Democracia. "Por mais tentadora que seja a realidade sonhada, voltemos à realidade vivida, ao nosso espanto cotidiano. É aqui a nossa esfera de combate", diz ele

Sessão da Câmara dos Deputados sobre 50 anos do golpe militar de 1964
Sessão da Câmara dos Deputados sobre 50 anos do golpe militar de 1964 (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Florestan Fernandes Jr. para o Jornalistas pela Democracia

Pouca gente sabe, mas o físico Stephen Hawking foi um ávido estudioso da teoria dos multiversos. Seu colega brasileiro, Mário Schenberg, me disse certa vez que existiriam universos paralelos que se ligariam uns aos outros por aberturas, que poderiam ser os tais buracos negros. Embora a teoria ainda não tenha comprovação cientifica, segue sendo estudada e povoa o imaginário coletivo. Prova disto é o sucesso de filmes e séries, desde os clássicos como Planeta dos Macacos e Terra de Gigantes, aos populares títulos disponíveis nas plataformas de streeming, como Dark, Stranger Things e O Homem do Castelo Alto.

Para nos desprendermos um pouquinho dessa realidade disruptiva na qual estamos – que, diga-se, causaria inveja aos mais inventivos escritores distópicos, convido você a imaginar como seria o Brasil, se não tivesse ocorrido o golpe militar de 1964. Vamos lá...

João Goulart teria terminado seu mandato, e seu cunhado Leonel Brizola teria sido eleito Presidente da República. Darcy Ribeiro continuaria no Ministério da Educação, e teria grandes chances de se eleger governador do Rio de Janeiro. Jango teria feito as reformas de base, inclusive a Reforma Agrária. Com isso, não haveria o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra e muitos trabalhadores não teriam sido forçados a migrar para as grandes cidades em busca de oportunidades.

Lula, que migrou ainda criança para São Paulo, teria voltado para Garanhuns e se estabelecido com a família em um assentamento rural. Lá, certamente alçaria voos altos, se elegeria para cargos públicos e, por seu perfil combativo, confrontaria o coronelismo. Ou seja: bem longe dos sindicatos e dos movimentos operários, mas definitivamente envolvido com causas libertárias.

Sarney e Antonio Carlos Magalhães continuariam sendo apenas deputados da UDN e não teriam ganho concessões públicas de rádio e televisão. Paulo Maluf seria um empresário medíocre, provavelmente levando as empresas da família à falência.

Não teríamos presos políticos e nem pessoas sendo mortas nos porões da ditadura militar. Com isso, quem sabe, hoje o presidente da TV Cultura seria o jornalista Vladimir Herzog. Também não existiriam as campanhas da Anistia e das Diretas Já. Tancredo seria, se muito, governador de Minas Gerais, e Fernando Collor seria apenas o playboy, filhinho de papai, em Alagoas.

Fernando Henrique Cardoso teria continuado sua carreira acadêmica, como sociólogo da USP. O mesmo teria ocorrido com Michel Temer, que seguiria como professor de Direito Constitucional da PUC de São Paulo. Sem a quebra na democracia, Dilma Rousseff não teria ido para a luta armada. Como economista, se dedicaria à pesquisa ou trabalharia numa grande empresa. Certamente teria se envolvido com causas feministas e de políticas afirmativas. Por seu caráter, por sua personalidade aguerrida, a “Coração Valente”, exerceria protagonismo nas esferas públicas.

E quanto a Jair Bolsonaro? Eis a incógnita. Sabe-se lá onde estaria... realidades alternativas não implicam em mudança de caráter. Qualquer que fosse a realidade ou universo possível, ele seria apenas o “Cavalão”, apelido que ganhou ainda nos quarteis. Mas sem a ditatura, não existiria a Polícia Militar e nem ex-PMs formando grupos milicianos nas periferias das cidades. Com isso, Bolsonaro não teria uma de suas bases, um de seus nichos de popularidade, e certamente não teria se aventurado na política. Quem sabe teria se tornado líder de garimpeiros em Serra Pelada? O fato é que nessa realidade alternativa ele jamais chegaria à Presidência da República. Estaríamos livres do seu desgoverno terraplanista, negacionista, genocida e fascista.

Bom, por mais tentadora que seja a realidade sonhada, voltemos à realidade vivida, ao nosso espanto cotidiano. É aqui a nossa esfera de combate, de insubmissão ao estado de coisas que nos é posto. É aqui, nesse apanha-apanha diário, que precisamos encontrar a força necessária para defender a vida, a democracia, o futuro. Este sim, construído individual e coletivamente por mim e por você.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email