E temperando com pimenta e sal o debate de com açúcar, com afeto

"Polêmica absurda, assim pensou o Chico, supondo que toda aquela energia seria melhor aproveitada se assistissem ao especial ótimo sobre Nara Leão na Globoplay"

www.brasil247.com - Chico Buarque
Chico Buarque (Foto: Divulgação)


Por Hildegard Angel, do Jornalistas pela Democracia

Sem açúcar e sem afeto, a polêmica rolou com fôlego nas últimas semanas. Os humores exaltados se deviam à ideia logo formada de que Chico Buarque de Holanda deixara de cantar uma de suas mais belas canções para atender a imposições das feministas, que consideram inadequada a letra de “Com Açúcar, com afeto”

E Chico calado, olhando de longe o debate acalorado. Surpreso com a multidão de ‘advogados do Chico’, safra e tanto, que brotavam no solo fértil da Internet, tomando partido a favor ou contra, não mais da letra da canção, mas das pautas identitárias, apontadas como o xis do problema.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Polêmica absurda, assim pensou o Chico, supondo que toda aquela energia seria melhor aproveitada se assistissem ao especial ótimo sobre Nara Leão na Globoplay, em vez de alimentar um debate que foge do contexto. E não é só porque Chico já não cantava essa música há anos, é que também há 30 anos ninguém pedia que cantasse, conforme ele próprio explica, e por quê? Porque não vê sentido para esses tempos, porque decidiu não cantar, porque é assim com todos os artistas diante de um repertório. Nem está sendo censurado menos ainda se autocensurando… e o debate pegou fogo a partir de premissas muito inventivas. Está difícil até defender a posição que ele mesmo sustenta no especial da Nara. Enfim, seguimos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

À revelia, porém, do contexto e do próprio Chico, a fagulha do debate visto por ele como absurdo se expandiu em fogaréu, dada à alta temperatura do elenco de bobagens que vêm sendo perpetradas, ditas, escritas, pensadas, em nome das causas identitárias, e que agora ganhou mais um ator, o próprio debate, a que se agarraram os devotos do Santo Pretexto para botar o dedo na cicatriz mal costurada dos ativismos desengonçados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Talvez – quem sabe – apenas uma pausa no debate nacional de uma nota só, a nota B, que exaure a todos nós. Letra B daquilo que lhes vem primeiro à cabeça, e esqueçam josta, que pra mim é com J, já que meu lado “Com açúcar, com afeto” não gosta de dizer vulgaridades. Pra vocês verem que, até sem pretender a evidência e o posto, Chico faz um bem enorme ao Brasil, em todos os campos, e inspira, mesmo por vias transversas, equivocadas, discussões que desafogam nossos corações, desatam os nós das gargantas, nos fazem sentir inteligentes e guerreiros em outras militâncias, que não sejam apenas puxar a descarga para nos livrarmos do B.

Esgotados os 15 minutos da Teoria de Warhol, o tema murcha em interesse, e despretensiosamente dá samba, que aqui apresento em primeiríssima, música de Gilson Espíndola e letra do jornalista Gilvandro Filho, que concorda com  Chico em tudo, sem por nem tirar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email