“Em Chamas”. Uma potente defesa de um novo acordo social verde

Parte do que estou explorando nesse ensaio, é claro, é o que a ONU agora chama de “apartheid climático”, onde você tem essa extrema desigualdade de impactos

Às vésperas da Cúpula pela Ação Climática (23) e da Greve Global pelo Clima (20 a 27), a renomada jornalista, autora e ativista, Naomi Klein, lançou seu novo livro, e concedeu uma entrevista ao programa Democracy Now!

“Não há planeta B.”

“Não queime nosso futuro.”

“Levante sua voz, não o nível do mar.”

“Vocês venderam nosso futuro em troca de dinheiro.”

“Dinheiro não importará quando estivermos mortos.”

Essas foram algumas frases dos cartazes e cantos daquelas manifestações de jovens, que Naomi Klein relembra, logo no início de seu livro, “naquele dia de março de 2019, os organizadores estimam que houve 2.100 greves de jovens pelo clima, em 125 países, com a participação de 1,6 milhão de jovens”.

“Em Chamas” defende um Novo Acordo Verde para salvar o planeta. Ela explica o que é esse acordo que tem sido discutido, especialmente, pelas alas progressistas do legislativo dos EUA: 

“A ideia é simples: no processo de transformação da infraestrutura de nossas sociedades com a rapidez e na escala em quem os cientistas têm demandado, a humanidade tem uma chance ímpar de consertar o modelo econômico que tem desamparado a maioria das pessoas em múltiplas frentes.

Como os fatores que estão destruindo o planeta estão, também, destruindo a qualidade de vida das pessoas em muitos sentidos, da estagnação dos salários ao fosso de desigualdades à desintegração dos serviços ao colapso de qualquer vestígio de coesão social. Desafiar as forças de base da sociedade é uma oportunidade para solucionar várias crises interligadas de uma só vez.”

Se fosse rico, compraria 245 milhões de exemplares do livro e entregaria a cada eleitor dos Estados Unidos, disse o jornalista Jeff Godell, que fez a resenha do livro para The New York Times. “Não que o livro não tenha falhas, mas pela forte defesa para atacar a crise do clima, não somente como uma tarefa urgente, mas também inspiradora.”

Em meio a crescentes catástrofes climáticas em todo o planeta, dos incêndios que assolam a Amazônia ao caminho destrutivo do furacão Dorian pelas Bahamas, Democracy Now! conversou com a renomada jornalista, autora e ativista. 

Reduzir a emissão, a desigualdade e a exclusão

Amy Goodman: Este é o Democracy Now! Eu sou Amy Goodman, com Juan González.

Juan González: Bem, à medida que milhões de estudantes se preparam para faltar às aulas na sexta-feira em uma Greve Global pelo Clima, passamos o resto da hora com Naomi Klein. Seu novo livro foi publicado hoje, “Em Chamas”.

Amy Goodman: Um crítico de livros do The New York Times escreveu no jornal de hoje: “Se eu fosse rico, compraria 245 milhões de cópias de 'Em Chamas', de Naomi Klein, e as entregaria a todos os eleitores elegíveis. América”.

Bem, Naomi Klein, bem-vinda de volta ao Democracy Now! Parabéns por este dia, a data de publicação do seu livro.

Naomi Klein: Obrigado, Amy.

Amy Goodman: Chama-se “Em Chamas: o ardente argumento por um Novo Acordo Verde”. As pessoas jogam com esse termo. Certamente os candidatos estão falando sobre isso, em todo o espectro político, seja a favor ou contra. O que, para você, é o Novo Acordo Verde? E qual é a crise que estamos enfrentando?

Naomi Klein: Bem, antes de tudo, é ótimo estar com vocês, Amy e Juan.

É verdade que o Novo Acordo Verde se tornou um slogan de adesivo de para-choque e é deturpado na Fox mais do que é representado com precisão na chamada mídia progressista, por isso há muita confusão sobre o que isso significa. Mas acho que, fundamentalmente, é uma abordagem transformacional da crise climática que está na escala da própria crise, que diz que as ações que tomamos devem ser guiadas pela ciência. E os cientistas estão nos dizendo que precisamos reduzir as emissões, globalmente, pela metade em apenas 11 anos.

Mas não é uma política única baseada em carbono, como um imposto, sabe, ou limitar e negociar. É realmente transformar a economia e torná-la mais justa. É combater a pobreza, combater o racismo, combater todas as formas de desigualdade e exclusão, ao mesmo tempo em que reduzimos radicalmente nossas emissões, porque sabemos que se vamos reduzir nossas emissões com o tempo, isso fará transformações no modo como vivemos nas cidades, como nos movemos, como cultivamos nossos alimentos, de onde obtemos nossa energia. 

Essencialmente o que o Novo Acordo Verde está dizendo é: se vamos fazer tudo isso, por que não enfrentarmos todas essas crises econômicas e sociais sistêmicas ao mesmo tempo? Porque vivemos um tempo de múltiplas crises sobrepostas.

New Deal e Plano Marshall não foram atos de bondade

Juan González: Bem, uma das coisas que você ressalta, Naomi, é - primeiro, os críticos estão chamando o Novo Acordo Verde de insanamente ambicioso e proibitivamente caro para a economia americana e para outras nações também. Mas você salienta que, no passado, houve casos em que o governo dos Estados Unidos reuniu forças e enormes quantias de dinheiro para lidar com problemas. 

Você fala sobre o New Deal original sob Roosevelt, e sobre o Plano Marshall após a Segunda Guerra Mundial, que foram tentativas, segundo alguns capitalistas esclarecidos, de lidar com o fato de os países - Europa, após a Segunda Guerra Mundial, e os EUA - estavam caminhando para uma revolução em potencial… 

Naomi Klein: Certo.

Juan González: … e que eles tiveram que responder aos movimentos populares fazendo investimentos e mudanças radicais. Fale mais sobre isso.

Naomi Klein: Bem, com certeza. Sabe, eu escrevo sobre a crise climática há mais de uma década e realmente tenho tentado entender a razão por que - apesar de todas as advertências científicas, apesar do fato de que, com certeza, é caro lidar com a crise, mas nós sabemos, não apenas como a inação é cara, mas simplesmente devastadora em termos de custos humanos - tento entender por que conversamos e conversamos… nossos governos, por que eles têm conversado há mais de 30 anos sobre redução de emissões, e as emissões globais aumentaram em 40%.

E uma das razões é que essa crise caiu no nosso colo, como espécie, no pior momento possível da evolução humana que uma crise coletiva dessa natureza poderia ter caído no seu colo - no nosso colo, que é o final da década de 1980, o ponto alto do fanatismo do mercado livre, exatamente quando o Muro de Berlim entra em colapso, exatamente quando se diz que a história tinha terminado, exatamente quando Margaret Thatcher está dizendo que não há alternativa, não existe sociedade. 

Esse foi um problema enorme, porque o que estão nos dizendo é que, na verdade, não podemos fazer nada coletivamente, temos que reduzir nossa ação coletiva, cortar os programas governamentais existentes, privatizar tudo, quando estamos enfrentando uma crise que requer ação coletiva sem precedentes, investimento coletivo sem precedentes e, no entanto, estamos entregando as ferramentas a empresas privadas com fins lucrativos, seja água, eletricidade, transporte ou transporte.

Então, acho que o valor real de realmente chamá-lo de Novo Acordo Verde e remontar a uma era anterior, nos lembra, na verdade, que é possível lidar com crises coletivas. Há tanto fatalismo e destruição no momento, que está realmente se fazendo esses apelos à natureza humana.

Obviamente, Jonathan Franzen [ensaísta que acha que a humanidade não conseguirá resolver a catástrofe climática] é o exemplo mais recente e de maior destaque. Mas ouvimos esse argumento o tempo todo: os humanos não conseguem fazer algo nessa escala; os seres humanos são incapazes de fazer qualquer coisa, apenas satisfazer nossos interesses mais básicos e imediatos. E assim, as pessoas ouvem isso. Eles ouvem que isso é tudo o que somos. E então eles se sentem sem esperança, certo?

Assim, acho que o importante - o que é importante nos lembrarmos, diante da Grande Depressão, diante da mais profunda crise econômica que este país já enfrentou, houve uma enorme ação coletiva e - sabe, se foi o Civilian Conservation Corps plantando 2,3 bilhões de árvores, montando centenas de acampamentos em todo o país, combatendo a erosão do solo, 800 novos parques estaduais, sejam centenas de milhares de novas obras de arte durante o New Deal original ou como você disse, Juan, o Plano Marshall, que nos lembra outro momento da ação coletiva. 

Como você disse, não foram apenas os governos que entregaram esses programas do alto da bondade de seus corações. Foi o empurrão e puxão de conflitos sociais, greves, ações militantes, socialismo crescente. E isso veio a ser encarado como um compromisso. Precisamos lembrar dessa história, porque isso nos lembra que essa coisa chamada natureza humana que é evocada, nos dizendo que estamos condenados, não é fixa. Humanos são muitas coisas. Nós fomos diferentes no passado, e podemos ser diferentes novamente.

Barbárie climática

Amy Goodman: Naomi Klein, você usa o termo “barbárie climática”. Explique, por favor.

Naomi Klein: Bem, eu uso esse termo para descrever o fato de que - muitas vezes falamos de governos, como o governo Trump, como governos comprometidos com a negação das mudanças climáticas. Eu não acho que eles negam a realidade das mudanças climáticas. Quer dizer, Donald Trump teve que adaptar a construção de seus campos de golfe por causa do aumento do nível do mar. Todos eles sabem que está acontecendo. Mas eles acham que vão ficar bem. Eles acham que suas famílias vão ficar bem. Eles acham que os países mais ricos vão ficar bem. 

Esses governos estão se adaptando às mudanças climáticas. Eles podem não estar se adaptando da maneira que as Nações Unidas gostariam que eles se adaptassem, cortando emissões, construindo paredões, seja lá o que for. Eles estão construindo muros de fronteira. Eles estão se adaptando através desse desencadeamento da ideologia da supremacia branca e criando a lógica intelectual para permitir que milhões de pessoas morram. É isso que eu quero dizer com barbárie climática.

Já estamos vendo milhares de pessoas morrerem no Mediterrâneo. Estamos vendo pessoas deixadas em centros de detenção de migrantes que são muito parecidos com campos de concentração, sejam campos offshore criados pelo governo australiano, seja a União Europeia enviando pessoas para os campos líbios e agora o governo Trump montando seus próprios acampamentos. 

Acho que isso deve ser entendido como uma espécie de adaptação às mudanças climáticas. É assim que eles se propõem a lidar com um mundo em que milhões de pessoas estão sendo forçadas a sair de suas terras. Soubemos, ontem, no Centro de Monitoramento de Deslocamentos Internos, que 7 milhões de pessoas nos primeiros seis meses de 2019 foram forçadas a se mudar por causa de inundações, secas, desastres, muitos deles relacionados à crise climática.

Apartheid climático

Juan González: E por falar em alguns desses desastres, um dos ensaios particularmente poderosos deste livro - e deve ficar claro, esta é uma coleção de ensaios que você escreveu em um período de 10 anos sobre a questão do clima - é intitulado “A estação da fumaça”. Você fala sobre seu retorno à casa de sua família na Colúmbia Britânica para as férias de verão em 2017 e como ficou impressionada com as mudanças que estavam ocorrendo ao seu redor como resultado de todos os incêndios que estavam engolindo as partes ocidentais dos Estados Unidos e Canadá. Estou pensando se você poderia falar mais sobre isso.

Naomi Klein: Sim. Esse ensaio é uma tentativa de capturar - eu acho, a implacabilidade de algumas das maneiras pelas quais a crise climática ocorre, porque, obviamente, são esses tipos de desastres agudos, essas tempestades recordes, que capturam nossa atenção, como deveria mesmo acontecer.

Mas acho que parte da razão pela qual estamos vendo uma mudança nas pesquisas em torno da crise climática - e estamos vendo uma mudança nos Estados Unidos, onde não apenas mais pessoas entendem que, sim, é real, sim, humanos estão causando isso, mas as pessoas estão classificando a preocupação com a mudança climática como sua preocupação número um ou número dois. Existe um verdadeiro senso de urgência. E acho que a maior razão para isso é simplesmente que a vida de tantas pessoas é tocada por ela - por tempestades, inundações e secas.

Mas a fumaça afeta um grande número de pessoas. Portanto, mesmo se você não estiver perto do incêndio e precisar evacuar, nos últimos verões no noroeste do Pacífico - e o que eu escrevo foi em 2017, mas também aconteceu em 2018 - toda a região foi envolvida em fumaça por mais de um mês. 

Você teve impacto na saúde respiratória e, simplesmente, esse sentimento de profundo desconforto, que é o que eu tentei capturar naquele ensaio, desse tipo geral - tipo, o sol e a lua parecendo tão estranhos, esses pequenos pontos vermelhos ou laranjas no céu - e, é claro, as desigualdades que sempre acompanham isso. Assim, os migrantes catadores de frutas, por exemplo, do outro lado da fronteira no estado de Washington, estavam tendo que colher frutas nessas condições horríveis. E para começar, eles não são bons, certo? Quando os trabalhadores entravam em colapso no trabalho, eles eram mandados para casa como peças defeituosas. Então, sabe, parte do que estou explorando nesse ensaio, é claro, é o que a ONU agora chama de “apartheid climático”, onde você tem essa extrema desigualdade de impactos.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247