CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mario Vitor Santos avatar

Mario Vitor Santos

Mario Vitor Santos é jornalista. É colunista do 247 e apresentador da TV 247. Foi ombudsman da Folha e do portal iG, secretário de Redação e diretor da Sucursal de Brasilia da Folha.

91 artigos

blog

Em Gaza, o objetivo é matar civis por vingança, exemplo e limpeza étnica

A mídia hegemônica no Ocidente se obriga a seguir a narrativa de Telavive e Washington, a de que Israel está em guerra com o Hamas, e não com os palestinos

Palestinos observam durante busca por vítimas no local dos ataques israelenses contra casas, em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza (Foto: IBRAHEEM ABU MUSTAFA/REUTERS)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

As sociedades já foram menos condescendentes diante de crimes evidentes contra a humanidade, como o que ocorre agora, aos olhos de todo o planeta, na guerra de Israel contra a Palestina.

Já houve indignação mais generalizada contra os massacres ocorridos durante, por exemplo, a guerra civil espanhola ou no Vietnã. Desde a incursão do Hamas em Israel no 7 de outubro o número de mortos se elevou tanto que se torna fácil duvidar de sua precisão. Na Faixa de Gaza, são 6.546 mortos, de acordo com o Ministério da Saúde,  "controlado pelo Hamas", de acordo com o portal G1. Do lado israelense, são 1.402.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Dentre os mortos em Gaza, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza "controlado pelo Hamas", como faz sempre questão de repetir o G1, 2.704 são crianças. Outras 5,3 mil foram feridas. As crianças desaparecidas são 800.

Estas cifras ocorrem como consequência dos bombardeios israelenses sobre a Faixa de Gaza. Tão grave como esses bombardeios, intencionalmente sobre áreas civis, é a carga de propaganda que tenta justificá-los. Israel diz que sua guerra é exclusivamente contra o Hamas, e que suas bombas estão direcionadas especialmente para a cadeia de comando e as ramificações do grupo palestino. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Essa versão é reproduzida sem questionamento por toda a mídia ocidental. Tal mídia não leva em consideração, como hipótese jornalística, a possibilidade de que a tática israelense, não propriamente nova, seja a oposta: impor os  danos civis mais extensos possiveis.

Desabrigar, desalojar, retirar os meios de sobrevivência,  transformar Gaza num inferno.
Isso já ocorreu nos bombardeios nazistas contra Londres e outras cidades inglesas. Foi o que aconteceu também, por exemplo, nos ataques americanos e ingleses que incendiaram Dresden, na Segunda Guerra Mundial. Ainda ontem, Moshe Feiglin, ex-deputado do Likud, declarou à TV INN Israel News Network que o país deveria transformar Gaza numa "nova Dresden" em chamas, forçando todos os seus habitantes a um êxodo para o Egito.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ao fim da Segunda Guerra, o lançamento das bombas nucleares sobre Hiroshima e Nagasaki foi outro exemplo trágico. Matar civis é a lógica das armas nucleares estratégicas. O "sentido" desses ataques é o de matar muito para, alegadamente, quebrar o moral da população, enfraquecer seu apoio ao esforço militar e facilitar uma eventual invasão.

Submetida à censura ideológica pró-israelense, a mídia corporativa hegemônica no Ocidente se obriga a seguir a narrativa oficial de Telavive e Washington, a de que Israel está em guerra com o Hamas,  e não com os palestinos, e que suas bombas nao visam os civis, só os "terroristas". Na verdade, o que está na ordem do dia é uma estratégia de limpeza racial contra a população Palestina.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

*A entrevista do líder do Hamas Osama Hamdan a Breno Altman no canal Opera Mundi é uma rara  oportunidade de acesso à versão palestina sobre o que ocorreu desde o ataque do dia 7 de outubro. Imperdível.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO