Em honra a Alexandre Teixeira

Fará muita falta. Irrequieto, criativo e combativo, ele idealizou o boneco "Lula Gigante", presença marcante em manifestações da esquerda em todo o país

www.brasil247.com - Alexandre segurando bandeira "Lula Livre"
Alexandre segurando bandeira "Lula Livre"


Por Bepe Damasco

Naquela quadra da história, tinha início a caminhada do Brasil rumo às trevas. Corria o ano da graça de 2012.

Os conservadores, com amplo respaldo da mídia comercial, resolveram fazer do Judiciário instrumento de manipulação e disputa política.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Reacionários de todos os matizes não suportavam mais as seguidas derrotas eleitorais para o PT e a disseminação do projeto político popular e democrático.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sacam, então, da algibeira, o “mensalão”.

Eram tempos difíceis. Mesmo muitos dos nossos embarcaram nessa. Era muito comum ouvir a frase “alguma coisa eles fizeram.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Abre parênteses: a Ação Penal 470 não teria o desfecho negativo que teve se o PT reagisse  à altura, como o fez no embate para desmascarar a farsa da Lava Jato. Fecha parênteses.

Na época, eu era o profissional responsável pela comunicação da CUT-RJ. Mas foi na condição de militante que formei junto com dois dirigentes da central, Lima e Marcelinho, um grupo inicial, no Rio, de resistência à maquina de moer reputações que se transformou o processo do mensalão.

Remando contra maré, logo estreitamos relações com o  Alexandre Teixeira, a quem conhecia à distância do tempo em que ele era diretor do Sindicato dos Bancários do Rio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alexandre era ligado a Henrique Pizzolato, funcionário de carreira e ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil, pego como bode expiatório pela justiça para emplacar a narrativa que se pretendia.

Em solidariedade aos acusados, fomos à luta juntos no combate à onda dominante, para mostrar que das mais de 600 testemunhas ouvidas na Ação Penal 470, apenas uma, o canalha de carteirinha Roberto Jefferson, confirmara a existência do esquema. Todas as outras testemunhas negaram.

Organizamos um ato na ABI com o José Dirceu (alvo central da campanha difamatória), ao qual compareceram mais de 1 mil pessoas. Conseguimos atrair para a causa grande parte da mídia contra-hegemônica e figuras públicas importantes.

E o bravo Alexandre, com aqueles olhos arregalados cheios de vida e de coragem , cerrava fileiras conosco para esclarecer obviedades do tipo:

1) Qual o sentido de um governo com folgada maioria no Congresso Nacional comprar deputados e senadores?

2) Como o Pizzolato desviou dinheiro do Banco do Brasil se farta documentação provava que houve uma campanha publicitária efetiva em torno do cartão Ourocard do Banco do Brasil?

3)) Como o José Dirceu podia ser chefe de organização criminosa, se tivera seu mandato de deputado cassado, a reboque da campanha de linchamento do PT, e já não era ministro nem presidente do PT há tempos?

 A única acusação plausível ao PT era a utilização de um mecanismo usado desde os tempos em que os bichos falavam (tomando emprestado a expressão do saudoso Paulo Henrique Amorim) no Brasil: o financiamento de campanha eleitoral via caixa 2. Ou seja, crime eleitoral, bem diferente do que a sanha condenatória contra o PT objetivava.

Alexandre, um guerreiro, não hesitou em desafiar até o cerco judicial montado, colocando em risco sua própria segurança.

Militante de todas as horas, que inclusive se agigantava nos piores momentos, nos deixou repentinamente na última sexta-feira (20/5).

Fará muita falta. Irrequieto, criativo e combativo, ele idealizou o boneco "Lula Gigante", presença marcante em manifestações da esquerda em todo o país. 

Fica a minha modesta homenagem, que é lembrá-lo na luta.

Não te esqueceremos, companheiro.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email