Escalada fascista: ameaça civilizatória

São de causar espécie os evidentes sinais da escalada fascista no Brasil contemporâneo: execução sumária da vereadora carioca Marielle Franco e de seu assessor, Anderson Gomes, crime político lastreado por covardia e crueldade; atentado contra a caravana liderada pelo ex-presidente Lula, no Paraná; ministro Edson Fachin, do STF, declarou que ele e sua família receberam ameaças

São de causar espécie os evidentes sinais da escalada fascista no Brasil contemporâneo: execução sumária da vereadora carioca Marielle Franco e de seu assessor, Anderson Gomes, crime político lastreado por covardia e crueldade; atentado contra a caravana liderada pelo ex-presidente Lula, no Paraná; ministro Edson Fachin, do STF, declarou que ele e sua família receberam ameaças
São de causar espécie os evidentes sinais da escalada fascista no Brasil contemporâneo: execução sumária da vereadora carioca Marielle Franco e de seu assessor, Anderson Gomes, crime político lastreado por covardia e crueldade; atentado contra a caravana liderada pelo ex-presidente Lula, no Paraná; ministro Edson Fachin, do STF, declarou que ele e sua família receberam ameaças (Foto: Waldeck Carneiro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ao final do segundo decênio do século XXI, o Brasil, assolado por um golpe de Estado que implementa avassaladora agenda de entregas estratégicas ao capital internacional, de desconstrução de direitos, de ataques à democracia e de agravo à soberania nacional, enfrenta ainda perigosa escalada fascista, de imprevisíveis consequências. A rigor, nem tão imprevisíveis assim, pois a história remota e recente da humanidade revela, em livros, filmes, teses, músicas e outras formas de registro, que regimes totalitários de matriz fascista, em qualquer sociedade, em qualquer tempo histórico, jamais asseguraram direitos, paz e dignidade às populações por eles afetadas. Ao contrário, baseados no ódio e na intolerância, e sempre respaldados por violência e covardia, os regimes fascistas têm invariável corolário: desrespeito, preconceito, injustiça, humilhação e morte.

Logo, são de causar espécie os evidentes sinais da escalada fascista no Brasil contemporâneo, que estão por toda parte: execução sumária da vereadora carioca Marielle Franco e de seu assessor, Anderson Gomes, crime político lastreado por covardia e crueldade; atentado contra a caravana liderada pelo ex-presidente Lula, no Paraná, quando dois ônibus que a integravam foram alvejados por armas de fogo; ministro Edson Fachin, do STF, declarou que ele e sua família receberam ameaças e pediu providências à presidência da Suprema Corte e à Polícia Federal; Alfredo Jacinto Melo, o Alfredinho, lendária figura carioca, que comanda o Bip Bip, tradicional reduto do samba, do choro e da esquerda em Copacabana, foi vítima de violento constrangimento por parte de um agente policial, chegando a ser conduzido a uma delegacia de polícia para prestar esclarecimentos, apenas por ter homenageado a vereadora Marielle em seu estabelecimento; os recorrentes assassinatos de lideranças de trabalhadores rurais, como a execução de Waldomiro Pereira, no hospital em que estava internado, em Parauapebas-PA, no ano passado, e o assassinato de Márcio Oliveira, em sua casa, no assentamento Boa Sorte, Iramaia-BA, em janeiro deste ano.

Numa sociedade como a brasileira, já indelevelmente marcada, na alma, por séculos de escravatura, não se pode recuar um milímetro sequer, não se pode tolerar nem por um segundo qualquer manifestação de caráter fascista. Trata-se de postura radical contra o fascismo, ou seja, que vai às raízes do humanismo e do altruísmo para barrar o avanço daquele sombrio espectro que paira, ameaçador, sobre a atual e as futuras gerações de brasileiras e brasileiros. Tamanho desafio deve superar as diferenças político-partidárias, mesmo em ano de eleições, que, diga-se de passagem, também podem estar sob ameaça. Assim, entidades e coletivos, partidários ou não, movimentos sociais de diferentes matizes, desde que comprometidos visceralmente com o humanismo, ainda que divirjam em doutrinas e estratégias, devem ser capazes de se articular para derrotar a ameaça fascista no Brasil. Isso é urgente, prioritário e inadiável e se sobrepõe a divergências comezinhas.

Em artigo recente, Tarso Genro recorreu ao escritor uruguaio Mario Benedetti, questionando o destino que queremos para a nossa sociedade: "Há cidades que são capitais de glória e outras que são cidadelas de asco. Há cidades que são capitais de audácia e outras, só caliças escavadas pelo medo." Que cidades queremos ter ou ser no Brasil, que país queremos forjar neste terceiro milênio?

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247