Esse post foi escrito pelo ministro da educação, e não pelo coleguinha do seu filho

"Não seria a hora desse ministro entender de que forma a população espera que ele se manifeste?", questiona a jornalista Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia, sobre uma postagem feita pelo ministro da Educação, Abraham Weitraub, com erros crassos e ofensas para atacar o presidente francês, Emmanuel Macron

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Denise Assis, para o Jornalistas pela Democracia - Estivesse o nome do autor, escondido, você poderia pensar que o post acima foi escrito pelo coleguinha de escola do seu filho adolescente. Porém, para tristeza, constrangimento e vergonha – nunca se escreveu tanto essa palavra, meu Deus! – trata-se da “opinião” emitida pelo senhor que deveria justamente cuidar da educação do país, sua excelência o ministro. 

Ao expressar-se desta maneira numa rede social, o infelizmente ministro da Educação (o quanto me custa escrever isto...) está dando o direito a que seu filho coloque embaixo do seu post outras tantas bobagens. Ou que muitos acrescentem comentários desairosos, num sem fim de baixarias contra nada menos que o presidente da França, com quem, sabe-se lá, dia desses tenha que sentar-se à mesa para negociar algum projeto conjunto para a Educação entre os dois países. E aí, é hora de perguntar: com que cara? 

Ao que parece, no entanto, esse tipo de avaliação, ou ponderação, melhor dizendo, não passa pela cabeça deste que deveria dar o exemplo de refinamento e compostura. Se, não, por ele próprio – afinal é um homem feito, fora da idade de estar criando post em tom adolescente - pelo menos em razão do cargo que ocupa. A pasta de Educação tem sido vítima dos mais desqualificados quadros. Logo ela.

O que este senhor que se presta a fazer a dança da chuva, não sabe, é que o seu post pode atravessar fronteira e cair tão mal na França, quanto o comentário misógino do presidente a quem serve. Ou melhor. Servir mesmo ele deveria servir a todos nós e, por isto mesmo, seria bom levar em conta que não concordamos com suas “tiradas” adolescentes”. 

E é o caso de perguntar: “ferro no Macrón” - grafado errado, com acento, quando o mundo sabe que o nome do presidente francês não leva “grampinho” (para falar de modo bem infantil, a fim de que este senhor entenda) - por quê? Foi ele o desrespeitado, foi ele o ofendido e chamado de “idiota”. Não seria a hora desse ministro entender de que forma a população espera que ele se manifeste? A propósito, se alguém anda precisando de um corretivo, não é o presidente Macron. Por nós, este senhor, com nome de marca de enceradeira dos anos 1960 já foi reprovado há muito tempo. Pede para sair!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247