CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Tereza Cruvinel avatar

Tereza Cruvinel

Colunista/comentarista do Brasil247, fundadora e ex-presidente da EBC/TV Brasil, ex-colunista de O Globo, JB, Correio Braziliense, RedeTV e outros veículos.

1001 artigos

blog

EUA pagarão pela impiedade populista de Biden

"Os EUA não aprenderam nada com o 11 de Setembro. Pelo contrário, agora atraem como nunca o ressentimento árabe, e isso terá consequências", diz Tereza Cruvinel

(Foto: REUTERS/Evelyn Hockstein | REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Os Estados Unidos garantiram ontem, em dois momentos, o prosseguimento do genocídio perpetrado por Israel contra o povo palestino. Em Nova York, os Estados Unidos vetaram a proposta de resolução brasileira, que trazia alívio humanitário para quem sofre e morre em Gaza, apesar de 12 países terem votado a favor. Enquanto isso, em Tel Aviv, Biden abraçava por inteiro a posição israelense, garantindo apoio político e militar, de olho em seus baixos índices eleitorais. Mas haverá custos. As duas decisões poderão levar ao alastramento do conflito e já produzem uma revolta ampla no mundo árabe contra os Estados Unidos, a exemplo da tentativa de ataque à embaixada americana em Beirute, na manhã desta quarta-feira, duramente reprimida pelo governo local.

E haverá também custos internos, inclusive eleitorais. Se a opção de Biden pelo massacre de Gaza lhe rendeu simpatias mesmo entre republicanos, analistas americanos dizem que alas progressistas de seu partido, o Democrata, devem engrossar as resistências à candidatura dele à reeleição. Biden está rasgando aquele discurso humanista que gosta de fazer, e que fez ontem ao lado de Netanyahu, exaltando a dor dos israelenses, indiferente ao horror sofrido pelos palestinos. O mundo inteiro assistiu a uma cena de perversidade populista.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os Estados Unidos não aprenderam nada com o 11 de Setembro. Pelo contrário, agora atraem como nunca o ressentimento árabe, e isso terá consequências. Biden resolveu correr o risco.

Haverá quem diga, aqui, que o Brasil foi derrotado no Conselho de Segurança. Não foi isso. O Brasil fez um esforço enorme para garantir uma saída para a emergência humanitária e teve o apoio da maioria dos países com assento no colegiado. Saiu frustrado, como disse o embaixador Sergio Danese, mas não derrotado. O que houve ali foi o abuso de seu poder de veto pelos Estados Unidos, numa evidência do quanto é urgente reformar aquele Conselho.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO