Exceções, general, são as nomeações de militares reacionários para cargos civis

Braga Netto, que prestou depoimento à Câmara nesta terça-feira, "teima em exaltar um passado de horror e morte, e tenta trazê-lo de volta com ameaças contra o seu próprio povo", escreve Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia

Braga Netto
Braga Netto (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Denise Assis, para o Jornalistas pela Democracia

Já foram melhores as escolas de oficiais do Exército. Eram e continuam sendo reacionárias, mas ensinavam com capricho a língua pátria. Não permitiam, por exemplo, que um general ao depor na Câmara dos Deputados, em nome de defender uma ideia ultrapassada por um manancial de livros de estudiosos que, sim, detalham, descrevem e dissecam a ditadura civil-militar (1964/1985), cometesse imprecisão (histórica, como lhes convém) e do mau uso do Português.

O mínimo que se espera de um oficial do Exército Brasileiro que vai a um depoimento se explicar sobre ameaças à democracia e às regras eleitorais, seria o cuidado com as palavras. Qual o quê. O general Braga Neto, ministro da Defesa - que em julho assinou nota neste sentido, e mandou recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira, dizendo que ou aprovava o voto impresso ou não haveria eleições em 2022 -, não só desmentiu mais uma vez o que disse, como aproveitou para negar a existência da ditadura no Brasil. 

PUBLICIDADE

“Não considero que tenha havido uma ditadura. Houve um regime forte, cometeram exceções dos dois lados, mas isso tem que ser analisado à época da história”,

De acordo com o dicionário on line, “sinonimos”, o termo exceções – fui buscar o significado ao pé-da-letra, porque me soou deslocado na fala do ministro – quer dizer:  exclusão, isenção, reserva, ressalva, restrição. Provavelmente ele gostaria de ter dito “excessos”. Ainda assim, não conseguiria abarcar tudo o que houve naquele período, com uma palavrinha tão “suave”, digamos assim. 

PUBLICIDADE

Braga Neto foi ouvido na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, na condição de convocado. O termo Exclusão, poderia ser empregado, mas em apenas um dos quesitos praticados pelo Exército a que Braga Neto serve. Sim, o Exército excluiu de suas fileiras cerca de sete mil militares, acusados de subversão. Isenção, foi tudo que os superiores não tiveram na hora de punir e expurgar os seus. O ex-capitão Ivan Proença, um oficial considerado por seus pares foi punido, expulso, por ter tomado a atitude heroica – título que rejeita até hoje – no episódio do Largo do Caco, em 1º de abril de 1964.

Proença impediu que a tropa invadisse e atirasse contra as alunas do curso de Filosofia, da UFRJ, que naquele dia, comprimidas no interior do saguão da universidade, junto com os colegas da turma do Direito, tentavam sair para respirar. Lá dentro bombas de gás lacrimogêneo lançadas contra elas já levava algumas ao desmaio. virou prisioneiro do regime militar, dedicou-se depois ao magistério, se transformando também em escritor. Reserva foi para onde foram mandados vários deles, para ato contínuo serem presos e muitos, exilados.

PUBLICIDADE

Ressalva é o que precisa ser feita, quando um general, ainda hoje, em pleno século XXI, quase 60 anos depois, insiste não só em negar o que aconteceu, como a passar a limpo este passado, para o bem da sua instituição. E, pior. Quer repetir. Restrição é o que todos nós brasileiros devemos ter e demonstrar, contra as ameaças antidemocráticas do general, que teima em exaltar um passado de horror e morte, e tenta trazê-lo de volta com ameaças contra o seu próprio povo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email