Exército já usou helicóptero para levar revista Playboy ao general Villas Bôas na selva, mas burocratizou busca de Bruno e Dom

"Exército agiu com descaso e inumanidade em relação aos desaparecimentos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips", diz Miola

www.brasil247.com - Eduardo Villas Bôas
Eduardo Villas Bôas (Foto: Reprodução | SO Johnson/FAB | Marcos Corrêa/PR)


Por Jeferson Miola, para o 247

Na vasta e insondável região amazônica, o “fator tempo” é crucial para encontrar-se pessoas desaparecidas; pode significar a diferença entre a vida e a morte. O Exército conhece muito bem a essencialidade do “fator tempo” em ações de salvamento humano na Amazônia.

Apesar disso, porém, o Exército agiu com descaso e inumanidade em relação aos desaparecimentos do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Philips.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após ser cobrado a empregar equipamentos, soldados e helicópteros na busca dos dois desaparecidos, o Comando Militar da Amazônia do Exército [CMA] soltou uma nota infame e burocrática.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nela, se diz “em condições de cumprir missão humanitária de busca e salvamento”. Mas, no entanto, ressalva: “contudo, as ações serão iniciadas mediante acionamento por parte do Escalão Superior”.

Diante da notória e deliberada negligência do governo, três dias após o desparecimento dos dois profissionais a Justiça Federal determinou “à ré União que efetive imediatamente obrigação de fazer no sentido de viabilizar o uso de helicópteros, embarcações e equipes de buscas [para] localizar Bruno Pereira e Dom Phillips”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Exército só se mobilizou de fato, portanto, depois que a justiça o obrigou, por meio de ordem judicial concedida ante o pedido da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari formulado em conjunto com a Defensoria Pública e o MPF.

É escandalosamente cínica a alegação do Comando da Amazônia. Para se desmascarar este cinismo institucional, basta se socorrer de ninguém menos que o general Villas Bôas, que fez uma revelação surpreendente no livro “Conversas com o Comandante”, organizado pelo professor Celso Castro [2021].

Para ilustrar com orgulho e rigozijo o espírito da camaradagem corporativa e nada republicana que reina na chamada “família militar”, Villas Bôas relata episódio em que o comandante do 4º Batalhão de Aviação do Exército, subordinado ao CMA, usou um helicóptero do Exército para levar uma revista Playboy a ele, o indefectível Villas Bôas, na selva amazônica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Villas Bôas assim relata, em tom de galhofa, sem nenhum senso republicano e sem o menor compromisso com a moralidade pública, na página 106 do livro:

Já fiz referência ao coronel Pavanelo, comandante do 4º Batalhão de Aviação do Exército. Lá pelo 20º dia de internação, ouvimos um ronco de helicóptero. Depois de certificar-me de que não havia nenhum apoio aéreo previsto, aproximei-me do local de aterragem. Quando o Pantera pousou, o mecânico de bordo correu em minha direção e entregou-me um envelope pardo. Aguardei a decolagem para, então, abrir o que imaginei ser um documento. Era uma revista Playboy.

É significativo que para levar uma revista Playboy ao general Villas Bôas na selva, o Exército não precisou seguir o protocolo burocrático que agora alegou para se desincumbir das buscas de Bruno e Dom.

Para satisfazer o fetiche sexual o Exército não precisou do tal “acionamento por parte do Escalão Superior” que usou como álibi para retardar a missão humanitária de urgência, diminuindo as chances de Bruno Pereira e Dom Philips serem encontrados ainda com vida.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email