Fake news 2.0 ou como transformar um pária em um mito?

"Aparecer na foto ao lado de Putin e de Orban é o pico da carreira de um político cujo estilo é provocar vergonha alheia", escreve Marcia Tiburi

www.brasil247.com - Viktor Orban e Jair Bolsonaro
Viktor Orban e Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)


A viagem de Bolsonaro é um ápice em sua carreira de presidente pária e que, por isso mesmo, sem poder e nem saber governar, servindo apenas aos interesses daqueles que o utilizam (neoliberais capitaneados por P. Guedes), segue com sua especialidade que é viver em eterna campanha política. Ele agrada aos patrões e aos filhos mimados, evita que sejam presos e também compensa seu narcisismo e seu sadomasoquismo no poder mirando mais e mais poder. 

O narcisismo fascista está intimamente ligado ao sadomasoquismo: servir ao líder autoritário é um gozo altamente compensatório que dá sentido à vida. Bolsonaro serve a Guedes e ambos servem ao rentismo neoliberal, ele mesmo uma economia política que, visando o lucro pelo lucro, apaga a chance de uma vida justa no planeta Terra. 

Apesar da compensação emocional narcisista e sadomasoquista, a vida subjetiva das personalidades autoritárias, que viemos chamando de fascistas, é paupérrima. Imaginemos que algum desses tipos tenha consciência de si mesmo por um segundo e seu narcisismo se esfacelaria muito rapidamente. Mas a incapacidade de pensar sobre si mesmo é um traço constante das pessoas com a síndrome autoritária. Por isso mesmo conseguem fazer papelão e se darem bem. Seja Bolsonaro, Salles ou Guedes, Damares,  Moro ou Sergio Camargo, todos fazem uso do papelão – no limiar entre a estética e a politica - a seu favor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguém perguntará: que importância pode haver na vida subjetiva de um presidente? Que importa que seja um narcisista, que tenha costumizado o nariz e depois tente disfarçar essa preocupação infantil com a própria imagem criando o personagem do tiozão mal vestido e ignorante? Ora, a vida subjetiva orienta a vida objetiva. Um personagem político é também uma pessoa psíquica a, portanto, moral. Em outros termos, a ética informa e forma a vida política, bem como as decisões que atingem a vida dos outros, inclusive subjetivamente. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além da miserabilização a olhos vistos da população, da fome e da falta de direitos, do luto pelos mais de 600 mil mortos, uma imensa parte da população brasileira hoje vive em depressão cívica, ou seja, o país é um fator de sofrimento psíquico. Isso faz parte do que venho chamando de psicopoder: o cálculo do poder sobre o que as pessoas sentem e, portanto, pensam. Votar na extrema-direita é a ação esperada. 

Já dizia Espinoza que é preciso entristecer o povo para dominá-lo. A tarefa de Bolsonaro no plano de destruição do Brasil é tornar o povo triste e, assim, manipulável. Bolsonaro não teria essa engenhosidade sozinho: seus titereiros (oligarcas militares, religiosos e capitalistas) manipulam o Golem que ele é sem escrúpulos assim como ele manipula o povo. No círculo da manipulação geral, a irresponsabilidade se torna um fator a ser levado em conta na hora das eleições. O voto irresponsável sempre apoiou os candidatos que investiram no ridículo e no grotesco. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aparecer na foto ao lado de Putin e de Orban é o pico da carreira de um político cujo estilo é provocar vergonha alheia em quem ainda tem algum respeito pela política, pela democracia e pela condição cidadã, a saber, viver com a expectativa de uma vida justa para si mesmo e para os outros. Bolsonaro não seria recebido por grandes líderes europeus, mas os parias da extrema direita abriram suas portas para o pobre coitado de Davos. O ar de concessão dos encontros era pesado e, tendo que se submeter a regras, o sadomasoquista, encontrou seu lugar na sombra espetacular que sua turma usa para animar as hordas fascistas das redes sociais, do Facebook ao Whatsapp. 

O clima de hipnose geral sob o governo de Bolsonaro é a regra. O estupor da população é inevitável. 

A manipulação das massas se dá em um mundo de entretenimento. O terreno mental geral vem sendo há muito preparado para a imbecilização planetária. Desde o Big Brother Brasil até a igreja do mercado, a diferença em termos de manipulação mental e afetiva desaparece. Políticos que não tenham o prurido moral da ética são capazes de qualquer coisa e tendem a avançar no poder. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A falta de escrúpulos virou regra. Por isso, a Fake News mais importante dessa semana não foi contra o PT ou a esquerda “comunista”, mas Bolsonaro posando de salvador da Pátria justamente em terreno comunista, como o enviado de Jesus para acabar com o conflito na Ucrânia que segue tenso. Bolsonaro posando de salvador nesse conflito é um ápice do ridículo para quem é capaz de raciocinar, mas é apenas a manifestação de Deus conduzindo o líder rumo ao seu destino sublime para os rebanhos bolsonaristas. 

Que essa Fake News de autoria de Ricardo Salles tenha circulado nas redes sociais, mas também em jornais como a Folha de São Paulo sem que o jornal tenha desmontado a mentira, é um sinal dos tempos que virão justamente como eterno retorno da mentira. Sinal dos tempos que já começam a repetir 2017 e 2018. A produção de Fake News atinge uma nova fase, uma nova geração de mentiras, é a fase das Fake News 2.0.

As Fake News se alimentam do absurdo. Que o ridículo, o infame e o grotesco tenham se tornado um verdadeiro capital político e até mesmo uma tecnologia, no sentido da sua instrumentalização, é algo que venho tentando demonstrar desde 2017 (quem quiser ler uma versão acadêmica dessa tese, procure aqui: https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/view/14189/9656). A prova histórica da tese de que vivemos uma mutação politica, do registro “trágico” da politica, ou seja, o registro em que valores políticos sublimes estavam em jogo, passamos ao registro da farsa, e está sendo difícil sair dela, veio em 2018 e será repetido em 2022.

As habituais análises históricas e positivistas perdem os aspectos estéticos de vista, eles mesmos fundamentais no teatro político.  A política foi reduzida à publicidade na sociedade do espetáculo, no qual a imagem é um capital fundamental, também no que concerne à politica. O “mito” Bolsonaro segue sendo construído agora com uma acentuação religiosa que alguém de esquerda dificilmente terá. É a remitificação do mito fascista. Se o projeto de poder da igreja do mercado, que manipula o nome de Deus e, assim, o povo, não for freado, não haverá saída para a esquerda senão investir em líderes religiosos como candidatos. Bolsonaro perde força diante da presença de Lula, mas cresce onde há mentes abertas à mistificação e manipuláveis em nome de Deus.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email