Fascismo e neoliberalismo andam de braços dados

O ativista político e social Milton Alves alerta para a "tentativa de separar a voracidade neoliberal das ações autoritárias do governo Bolsonaro", conforme a mídia corporativa e seus articulistas prontamente fizeram após a demissão de Roberto Alvim. "A cruzada obscurantista contra a ciência, contra o saber acumulado e a fruição artística, anda de braços dados com o ideário econômico de Paulo Guedes", escreve

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes (Foto: Alan Santos/PR)


Na esteira do episódio que gerou a demissão do secretário de Cultura, o bisonho Roberto Alvim, a mídia corporativa e seus articulistas passaram, imediatamente, a tecer argumentos em defesa de uma suposta separação entre os traços neofascistas do governo e a política econômica conduzida pelo ministro Paulo Guedes.

Trata-se de mistificação e uma tentativa de separar a voracidade neoliberal das ações autoritárias do governo Bolsonaro. O neoliberalismo é, nas condições atuais, o fascismo na economia, que esmaga os direitos democráticos, a soberania nacional e as conquistas sociais do povo trabalhador.

O discurso neoliberal do estado mínimo, da defesa da meritocracia de fachada, da promoção do darwinismo social são elos da mesma e única cadeia do chamado combate ao “marxismo cultural” impulsionado pelo bolsonarismo. A cruzada obscurantista contra a ciência, contra o saber acumulado e a fruição artística, anda de braços dados com o ideário econômico de Paulo Guedes.

O discurso encenado de Roberto Alvim, pupilo de Olavo de Carvalho, não é um caso isolado, de um maluco que fez uma declaração infeliz imitando Joseph Goebbels. O caso explicitou os pendores e os vetores de um governo, que opera a construção de um regime de autoritarismo político como parte essencial do mecanismo de superexploração econômica do povo trabalhador e do saque generalizado das riquezas nacionais.

Portanto, a luta em defesa da democracia é inseparável da derrota do projeto neoliberal e entreguista do governo de Jair Bolsonaro e dos 1% mais ricos do Brasil.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247