Foi-se

A poetisa Cristine Nobre Leite comenta sobre a morte do “Pai da Negação”, Olavo de Carvalho

www.brasil247.com - Olavo de Carvalho
Olavo de Carvalho (Foto: © REUTERS/Joshua Roberts/Direitos Reservados)


Cipó de Aroeira

Foi-se

Por Cristine Nobre Leite

As trevas do Olavismo
Causaram devastação
No meio dessa Nação
Como baixo mecanismo
Um torto idealismo
E anti filosofia
Tinha que, em algum dia
Ir abaixo, sucumbir
A morte a lhe cair
Rumo certo que seria

O guru da confusão
De falsa astrologia
Filosófo não seria
Com tanta contradição
Era o Pai da Negação
Pra ciência: xingamento
Seu pensamento sangrento
Fez jorrar a discordância,
O ódio,  a intolerância
Em governo incongruento

Negacionismo reinou
Durante essa pandemia
E a vida com ironia
Ao Olavo não poupou
A Covid o infestou
Com ela a sua despedida
Sua recuada e partida
Para o desconhecido
Que  seja logo esquecido
Com sua visão genocida

Foi sem pagar ao Caetano
Ao além, um caloteiro,
Mentiroso, embusteiro
Um exemplo desumano
Do lado de cá, o dano
Foi de grande extensão
O Brasil na contra mão
Com extremos direitistas
Mostrando em grandes revistas
Ideias de um vilão

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247