Fome

O historiador Vijay Prashad explica as causas do crescimento da fome no mundo

www.brasil247.com -
(Foto: Leonardo de França/Brasil de Fato)


Por Vijay Prashad, Tricontinental: Instituto de Pesquisa Social

O Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância, ou UNICEF, informa que, a cada minuto, uma criança é empurrada para a fome nos 15 países mais devastados pela crise alimentar global.

Doze desses países estão na África (de Burkina Faso ao Sudão), um no Caribe (Haiti) e dois na Ásia (Afeganistão e Iêmen). Guerras sem fim degradaram a capacidade das instituições estatais nesses países de administrar crises em cascata de dívida e desemprego, inflação e pobreza. Juntando-se aos dois países asiáticos estão os estados que compõem a região do Sahel na África (especialmente Mali e Níger), onde os níveis de fome estão quase fora de controle. Como se a situação não fosse suficientemente terrível, um terremoto atingiu o Afeganistão na semana passada, matando mais de mil pessoas – mais um golpe devastador para uma sociedade onde 93% da população caiu na fome.

Nesses países atingidos pela crise, a ajuda alimentar veio de governos e do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA). Milhões de refugiados nesses países dependem quase inteiramente das agências da ONU. O PMA fornece alimentos terapêuticos prontos para uso, que são uma pasta alimentar feita de manteiga, amendoim, leite em pó, açúcar, óleo vegetal e vitaminas. Nos próximos seis meses, o custo desses ingredientes deverá aumentar em até 16%, razão pela qual, em 20 de junho, o PMA anunciou que cortaria as rações em 50%.

Esse corte afetará 3 de cada 4 refugiados na África Oriental, onde vivem cerca de 5 milhões de refugiados. “Agora estamos vendo o barril de condições para níveis extremos de desperdício infantil começar a pegar fogo”,  disse a diretora executiva do UNICEF, Catherine Russell.

Claramente, o aumento da fome está relacionado à inflação dos preços dos alimentos, que foi exacerbada pelo conflito na Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia são os principais exportadores mundiais de cevada, milho, colza, semente de girassol, óleo de girassol e trigo, bem como fertilizantes.

Embora a guerra tenha sido catastrófica para os preços mundiais dos alimentos, é um erro ver a guerra como a causa do aumento. Os preços mundiais dos alimentos   começaram a subir cerca de 20 anos atrás e depois saíram do controle em 2021 por vários motivos, incluindo:

  1. Durante a pandemia, os severos bloqueios dentro dos países e em suas fronteiras levaram a grandes interrupções no movimento do trabalho migrante. Já está bem estabelecido que o trabalho migrante – incluindo refugiados e requerentes de asilo – desempenha um papel fundamental na produção agrícola. O sentimento anti-imigrante e os bloqueios criaram um problema de longo prazo em fazendas de grande escala.
  2. Uma consequência da pandemia de Covid-19 foi a quebra da cadeia de suprimentos. Como a China – o epicentro de um volume considerável de manufatura global – seguiu uma política de zero Covid, isso desencadeou um problema em cascata para o transporte internacional; com os bloqueios, os portos fechados e os navios permaneceram no mar por meses a fio. O retorno do transporte marítimo internacional à quase normalidade e o retorno da produção industrial – incluindo fertilizantes e alimentos – tem sido lento. As cadeias de abastecimento alimentar se deterioraram devido aos problemas logísticos, mas também devido à falta de pessoal nas fábricas de processamento.
  3. Eventos climáticos extremos têm desempenhado um papel importante no caos do sistema alimentar. Na última década, entre 80 e 90 por cento dos desastres naturais  foram causados por secas, inundações ou tempestades severas. Enquanto isso, nos últimos 40 anos, o planeta perdeu 12 milhões de hectares de terra arável a cada ano devido à seca e à desertificação; durante este período, também perdemos um terço de nossas terras cultiváveis devido à erosão ou poluição.
  4. Nos últimos 40 anos, o consumo global de carne (principalmente aves) aumentou drasticamente, com os aumentos programados para continuar aumentando, apesar de algumas indicações de que atingimos o  “pico de consumo de carne”. A produção de carne tem uma enorme pegada ambiental: 57% das emissões totais da agricultura vêm da carne, enquanto a produção pecuária  ocupa  77% das terras agrícolas do planeta (embora a carne contribua apenas com 18% do suprimento global de calorias).

O mercado mundial de alimentos já estava estressado antes do conflito na Ucrânia, com os preços subindo durante a pandemia para níveis que muitos países não haviam visto antes. No entanto, a guerra quase quebrou esse sistema alimentar enfraquecido. O problema mais significativo está no mercado mundial de fertilizantes, que foi resiliente durante a pandemia, mas agora está em crise: a Rússia e a Ucrânia exportam 28% dos fertilizantes de nitrogênio e fósforo, bem como 40% das exportações mundiais de potássio, enquanto a Rússia, por ela própria exporta 48% do nitrato de amônio do mundo e 11% da uréia do mundo.

Os cortes no uso de fertilizantes por parte dos agricultores levarão a menores rendimentos das colheitas no futuro, a menos que os agricultores e as empresas agrícolas estejam dispostos a mudar para os biofertilizantes.

Devido à incerteza do mercado de alimentos, muitos países estabeleceram restrições à exportação, o que agrava ainda mais a crise da fome em países que não são autossuficientes na produção de alimentos.

Apesar de todas as conversas sobre autossuficiência na produção de alimentos, estudos mostram que falta ação. Até o final do século 21, nos dizem, 141 países do mundo não serão autossuficientes e a produção de alimentos não atenderá às demandas nutricionais de 9,8 das 15,6 bilhões de pessoas projetadas no planeta.

Apenas 14% dos estados do mundo serão autossuficientes, com Rússia, Tailândia e Europa Oriental como os principais produtores de grãos do mundo. Uma previsão tão sombria exige que transformemos radicalmente o sistema alimentar mundial; um conjunto provisório de demandas está listado em “Um Plano para Salvar o Planeta”, desenvolvido pelo Tricontinental: Instituto de Pesquisas Sociais e a Rede de Institutos de Pesquisa.

No curto prazo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, deixou claro que o conflito na Ucrânia e as sanções contra a Rússia devem ser encerradas para que esses principais produtores de alimentos e fertilizantes possam retomar a produção para o mercado mundial.

Um estudo recente realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) observa que quase 60% das famílias brasileiras não têm acesso à alimentação adequada. Dos 212 milhões de habitantes do país, o número daqueles que não têm nada para comer saltou de 19 milhões para 33,1 milhões desde 2020.

“As políticas econômicas escolhidas pelo governo e a gestão imprudente da pandemia levam ao aumento ainda mais escandaloso da desigualdade social e da fome em nosso país”, disse Ana Maria Segall, médica epidemiologista da Rede Penssan. Mas, apenas alguns anos atrás, as Nações Unidas defenderam os programas Fome Zero e Bolsa Família do Brasil, que reduziram drasticamente as taxas de fome e pobreza.

Sob a liderança dos ex-presidentes Lula da Silva (2003–2010) e Dilma Rousseff (2011–2016), o Brasil cumpriu os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Os governos que se seguiram – de Michel Temer (2016–2018) e Jair Bolsonaro (2019–presente) – reverteram esses ganhos e trouxeram o Brasil de volta aos piores dias de fome, quando o poeta e cantor Solano Trindade cantou “ tem gente com ”. fome ” (“tem gente faminta”):

há pessoas com fome

há pessoas com fome

há pessoas com fome

se houver pessoas com fome

dê-lhes algo para comer

se houver pessoas com fome

dê-lhes algo para comer

se houver fome pessoas

dê-lhes algo para comer

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247