Fora Bolsonaro: os cenários para a crise que se aprofunda

"A poio popular a Bolsonaro derrete, ao mesmo tempo em que parte importante da elite brasileira passa a falar abertamente em impeachment", avalia o jornalista Rodrigo Vianna. "A direita quer a derrubada do capitão para fortalecer o projeto neoliberal, com Mourão e militares; a esquerda quer o impeachment e o fim do programa ultraliberal autoritário; quem ganha esse jogo?", questiona

www.brasil247.com - Brasília- DF. 21-05-2020- Presidenta do PT, Gleisi Hoffmann e parlamentares da oposição durante entrevista após entrar com pedido de impeachment do Bolsonaro.
Brasília- DF. 21-05-2020- Presidenta do PT, Gleisi Hoffmann e parlamentares da oposição durante entrevista após entrar com pedido de impeachment do Bolsonaro. (Foto: LULA MARQUES)


Os sinais já vinham desde a virada do ano. Mas se agudizaram com o caos em Manaus e a incapacidade do governo federal de providenciar as vacinas... E os sinais vêm tanto do andar de baixo, quanto do andar de cima.

A Globo, via Merval Pereira, porta-voz da família Marinho, já apoiara o afastamento do presidente. O Estadão, jornal que dialoga com parte da classe média paulistana e é gerido por um comitê de bancos, defendeu agora em editorial o afastamento imediato de Bolsonaro. A Folha abriu espaço para uma (boa) reportagem mostrando com gráficos e tabelas todos os crimes e atos inconstitucionais de Bolsonaro, que ensejam o pedido de impeachment.

A elite econômica está atônita com a incapacidade do governo de estabelecer um horizonte razoável no combate à pandemia. Sem a vacina, comérco/serviços/turismo não voltam ao normal. Já os bancos não reclamam de Bolsonaro/Guedes, mas ligaram também o sinal de alerta porque o castelo de cartas pode se desfazer.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As cúpulas dos partidos tradicionais de direita (PSDB, DEM e MDB) debatem o impeachment. E mesmo parlamentares do Centrão, informa o site Congresso em Foco, conversam sobre o tema. Até a Record e a Igreja Universal abandonaram a defesa incondicional do projeto de destruição sanitária do bolsonarismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso tudo não significa que o impeachment é fato consumado. Não. O bolsonarismo tem capacidade de reagir e de negociar situações intermediárias, o que já fez em meados de 2020, ao se livrar de estridentes defensores do fechamento do STF (Sara Winter, Weintraub et caterva), colocando-se sob as rédeas do Centrão. Se Artur Lira virar presidente da Câmara - o que hoje parece provável - esse cenário de rendição ao Centrão estará mais forte.

Mas a crise social e a incompetência absoluta movem os donos do dinheiro para a derrubada do capitão cloroquina e sua trupe mal ajambrada - que, além de tudo, ficaram sem o tutor Donald Trump. A burguesia quer alguma racionalidade. Já ensaiou a tática de colocar o capitão na coleira em 2020. Mas assim que ele se solta, corre pra morder os donos. Um perigo...

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CENÁRIOS PARA A DIREITA

O cálculo da elite brasileira hoje é: o que custa mais? suportar o caos de Bolsonaro por dois anos, ou iniciar um impeachment que vai levar todo o ano de 2021? Ora, se o ano já está mesmo perdido para a Covid e o caos sanitário, melhor é adiantar o serviço e derrubar logo o presidente.

A queda de Bolsonaro arruma o jogo para a direita. Entra Mourão, num governo de transição. O governo segue a ser dos militares. Mourão faz as reformas que Temer e Bolsonaro não finalizaram (Tributária, Administrativa), acalma o mercado, enterra as loucuras terraplanistas e toca o terror no andar de baixo. Em suma: um governo da "ordem", para segurar o caos social.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No papel, é o mais racional.

Mas quem disse que Bolsonaro cai? Ah, o capitão vai dar muito trabalho...

Ele não tem Mídia/Empresários tradicionais/Partidos liberais; mas segura no gogó, no zap e nos cargos a turba de evangélicos/militares/milicianos. Até quando?

Ninguém se anima a derrubar governo com quase 40% de aprovação. Mas Bolsonaro desceu a ladeira esta semana. Pesquisa Ideia/Exame mostra o governo com 27% de ótimo/bom (em queda livre) e 45% de ruim/péssimo (aumento de 11 pontos, em apenas sete dias). 

O apoio a Bolsonaro no Norte/Nordeste despencou: por causa da falta de oxigênio em Manaus, por causa do fim do auxílio emergencial e pela lambança generalizada nas vacinas.

A direita tradicional, por isso, virou a chavinha e iniciou o processo de impeachment. Isso significa que o consórcio golpista de 2016, e que se juntou de novo em 2018 pra barrar a vitória de Lula/Haddad, se desfez momentaneamente. 

O que a esquerda deve fazer?

A ESQUERDA E O IMPEACHMENT

O senador Jaques Wagner, um petista moderado, disse que é preciso "ir com calma" com essa converesa de impeachment. Ele provavelmente acha que a derrubada do capitão arruma o jogo pra direita. É fato.

Mas então vamos assistir de fora? Não creio. A base de esquerda quer a queda do capitão. O que a esquerda deveria pensar é numa tática e numa palavra de ordem que delimitem diferenças em relação à direita "limpinha" que agora quer derrubar Bolsonaro (Huck, Moro, Mandetta, Globo - toda essa turma que nós sabemos bem o que fez no verão passado).

Uma bandeira interessante, parece-me, seria: "Fora Bolsonaro! Leve Guedes e os milicos junto"

A direita quer o impeachment para aprofundar o programa neoliberal. A esquerda quer o impeachment para enterrar o programa neoliberal e enfraquecer o projeto autoritário dos militares.

QUEM GANHA O JOGO?

A direita antibolsonaro tem a máquina midiática, mas não tem povo pra colocar na rua. A esquerda tem povo; não agora, com a pandemia, mas logo à frente...

Bolsonaro pode cair, fruto do caos que implantou no país. A derrubada dele pode significar mais liberalismo, ou pode significar uma virada de página, rumo a um projeto que Argentina e Bolívia (e, ao que parece, em breve também o Equador) conseguiram recuperar.

Até meados de 2021, podemos ter seis cenários, que listarei abaixo pela ordem do que considero mais provável, dada a atual correlação de forças na sociedade:

1 - Bolsonaro cai, mas o neoliberalismo fica com Mourão;

2 - Bolsonaro e o neoliberalismo saem, mas os militares ficam para arbitrar a retomada pós pandemia;

3 - Bolsonaro fica, domado pelo Centrão e os militares, e chega a 2022 com alguma força para embaralhar o jogo, apesar do caos sanitário e social;

4 - Bolsonaro fica, enfraquecido, e arrasta para o buraco militares e neoliberais (além de todo o país); a esquerda em tese se fortalece para 2022, se houver eleição;

5 - Bolsonaro cai depois de uma longa batalha, arrasta com ele militares e o programa neoliberal; abre-se uma crise institucional que termina com nova Constituinte;

6 - Bolsonaro fica, endurece o regime, e consolida um longo período autoritário.    

Só os cenários 4 e 5 interessam à esquerda. Os moderados do PT jogam com a opção 4. A opção 5 depende de fatores imponderáveis: povo na rua, novos atores sociais, emergência de protestos do mesmo tipo que varreram o Chile.

Quem olha para o país deve avaliar com realismo a correlação de forças, mas sabendo que movimentos sociais/partidos/lideranças agem para mudar o jogo de forças, ou para aproveitar mudanças rápidas geradas pela crise capitalista.

As pedras se mexeram nesse começo de 2021. A hora de definir a partida começa agora.  

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email