Fugindo dos debates, Bolsonaro confirma que é candidato a ditador

"Líder das pesquisas graças a uma decisão absurda da Justiça Eleitoral, que no inicio de setembro impediu a candidatura de Lula, Jair Bolsonaro ainda não está satisfeito: quer chegar a presidente sem participar de debater onde teria de prestar contas ao eleitor," escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247. "Num país no qual 64% da população diz nas pesquisas que prefere viver numa democracia, ele tenta fazer campanha com o discurso de si mesmo, sem  permitir que 145 milhões de brasileiros possam avaliar e comparar suas propostas com o projeto de Fernando Haddad, concorrente legítimo após o primeiro turno"

Fugindo dos debates, Bolsonaro confirma que é candidato a ditador
Fugindo dos debates, Bolsonaro confirma que é candidato a ditador (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

É errado mas é até possível compreender aquele candidato que, favorito nas pesquisas, evita comparecer em debates no primeiro turno.

Sabemos que o risco de enfrentar uma ação articulada de vários adversários pode transformar uma discussão civilizada num circo sem valor para a democracia.

O caso é diferente num segundo turno, quando se trata de um confronto cara a cara, entre dois oponentes.

O país inteiro aguarda por essa oportunidade na qual, com tempos iguais, dois cidadãos que pretendem assumir a presidência da República expoem suas ideias, desenvolvem argumentos e contestam o adversário.

Num país com 145 milhões de eleitores, o debate é o ponto alto de uma disputa democrática,  na qual os candidatos, em respeito ao eleitor, procuram mostrar o melhor de si, de suas ideias e seus projetos, permitindo que todos façam suas escolhas de modo informado e consciente.

Numa campanha  dominada pelas redes sociais, que favorecem o discurso de um lado só, ensaiado e controlado, o debate é ainda mais fundamental. Impede que uma campanha eleitoral seja uma simples sequência de fake news e peças publicitárias.  

 No prazo de 60 minutos, ou até mais, é possível comparar os dois concorrentes,  avaliar a consistência de seus argumentos, a capacidade de enfrentar perguntas inesperadas e situações imprevistas.

Não acaso, as ditaduras e os ditadores fogem dos debates, evitam discussões e conflitos que alimentam os regimes democráticos. Têm medo do debate de ideias, dos questionamentos. Na ânsia de monitorar o pensamento da sociedade, reprimir a divergência e censurar a oposição, alimentam o discurso único do pensamento único.

Líder das pesquisas graças a uma decisão absurda da Justiça Eleitoral, que impediu a candidatura de Lula, preferido por uma fatia imensa de brasileiros, Jair Bolsonaro ainda não está satisfeito. Quer chegar a presidente de um país com 215 milhões de habitantes, a oitava economia do país, sem prestar contas a ninguém.

Recusando-se a debater com Fernando Haddad, quer fazer o discurso de si mesmo, escondido numa muralha mentiras programadas que envergonham a democracia e corrompem a eleição.

Você pode até acreditar, como eu, que esse receio de Bolsonaro obedece a um cálculo previsível: o receio de enfrentar um candidato melhor preparado, com conhecimento profundo dos problemas do país e um projeto que a maioria da população conhece e compreende. O problema de fundo é outro, porém. A atitude de Bolsonaro revela um desprezo imenso pelos direitos da população brasileira e isso é inaceitável.  

Inimigo assumido do debate de idéias e da da liberdade, ao tentar fugir dos debates eleitorais Bolsonaro apenas confirma aquilo que sempre se soube: só consegue sobreviver no universo fechado e protegido de uma ditadura, regime rejeitado pela imensa maioria dos brasileiros (64%, segundo a mais recente pesquisa do Ibope). 

Alguma dúvida?

Inscreva-se na TV 247 e assista ao comentário de Paulo Moreira Leite:

Ao vivo na TV 247 Youtube 247