Fux reforça facção que corrompeu o sistema de justiça do Brasil

O colunista Jeferson Miola afirma que "a decisão autocrática do Fux, concebida previamente e proferida poucas horas após assumir o plantão do STF, é uma bofetada no Congresso ainda mais forte do que aquela que Toffoli já tinha dado ao suspender a vigência da medida por 6 meses". Ele ainda diz: "como tudo pode ficar pior, em setembro Fux assume a presidência do STF pelos próximos 2 anos"

STF entrega Lula ao nazismo lavajateiro
STF entrega Lula ao nazismo lavajateiro (Foto: BETO BARATA)

Excelente. In Fux we trust!”. Esta celebração do então juiz Sérgio Moro com o parceiro Deltan Dallagnol em mensagem do Telegram se assemelha ao brado efusivo da torcida de um time; é uma espécie de exaltação de um Deus.

Esta celebração, gozada em ambiente absurdo de promiscuidade entre juiz e procuradores que agem à margem da Lei, é impensável sob a vigência do Estado de Direito, e só é entendida no contexto da corrupção e decomposição do sistema de justiça brasileiro.

Além de Fux, Moro e Dallagnol festejam outros ministros do Supremo que eles também chamam de “seus”: “Aha, uhu, o Fachin é nosso!”, e “Barroso vale por 10 PGRs”.

Não por acaso, a inspiração do Moro na saudação a Fux vem do lema nacional dos Estados Unidos – In god we trust – que está estampado nas cédulas do dólar estadunidense.

Sobram motivos para Luiz Fux ser celebrado como divindade pelos agentes da Organização Criminosa [ORCRIM] de Curitiba, como Gilmar Mendes classifica a força-tarefa da Lava Jato.

O mais recente desses motivos foi a suspensão, por prazo indeterminado, dos efeitos da Lei aprovada pelo Congresso que institui o juiz de garantias no sistema judicial brasileiro. Quem visitar as mídias sociais dos integrantes da ORCRIM encontrará novas e efusivas exaltações ao “confiável” Fux.

Os lavajatistas se opõem à adoção do juiz de garantias fundamentalmente porque o instituto é um obstáculo relevante à consecução do projeto de poder da ORCRIM e para a continuidade e aprofundamento do Estado de Exceção vigente no país.

Se o juiz de garantias estivesse em vigência na época em que Moro atuava disfarçado de juiz na 13ª Vara Federal em Curitiba, a facção criminosa não conseguiria prosperar e o atual ministro do Bolsonaro não só teria sido impedido de produzir as farsas jurídicas e monstruosidades para prender Lula, como seria demitido do judiciário e estaria preso [aqui].

A decisão autocrática do Fux, concebida previamente e proferida poucas horas após assumir o plantão do STF, é uma bofetada no Congresso ainda mais forte do que aquela que Toffoli já tinha dado ao suspender a vigência da medida por 6 meses.

Com sua decisão, Fux confirma total falta de isenção e de decoro para o cargo de ministro da Suprema Corte. Ele age como integrante de um agrupamento político e reforça o poder da facção que corrompeu o sistema de justiça do Brasil e está destruindo o pouco que restou do ordenamento jurídico do país.

Como tudo pode ficar pior, em setembro Fux assume a presidência do STF pelos próximos 2 anos. É desnecessário predizer a devastação que se seguirá se nada for feito para detê-lo.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247