General do Exército fala em intervenção

O pior é percebermos que não aprendemos quase nada com os nossos erros. Ditadura e força não fazem o mundo mais justo. Apenas e talvez satisfaça nosso instinto de vingança de forma mais rápida. Mas é só

O pior é percebermos que não aprendemos quase nada com os nossos erros. Ditadura e força não fazem o mundo mais justo. Apenas e talvez satisfaça nosso instinto de vingança de forma mais rápida. Mas é só
O pior é percebermos que não aprendemos quase nada com os nossos erros. Ditadura e força não fazem o mundo mais justo. Apenas e talvez satisfaça nosso instinto de vingança de forma mais rápida. Mas é só (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Some o governo do presidente Michel Temer e seus ministros envolvidos em denúncias de corrupção; acrescente quase todos os partidos políticos e os seus líderes também suspeitos e denunciados; inclua a completa desconfiança da população nos seus representantes.

Feito isso, decerto fica nítido que parece não haver saída da crise pela política, o que pode explodir a qualquer instante. Ela, enquanto ciência, nos tempos atuais vem sendo praticada para o enriquecimento de quem detém o poder e mais alguns ao seu entorno.

Pois bem, nesta sexta-feira (15), durante palestra promovida pela maçonaria em Brasília, o general do Exército, Antonio Hamilton Mourão, disse em alto e bom som para os presentes que o Alto Comando do Exército avalia uma intervenção militar caso o Judiciário não solucione o problema político, referindo-se á corrupção de políticos.

Mourão, que é secretário de economia e finanças do Exército, afirmou que “Até chegar o momento em que ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso. Então, se tiver que haver, haverá. Mas hoje nós consideramos que as aproximações sucessivas terão que ser feitas".

O pior é perceber que o clima atual beneficia a esse tipo de saída. A descrença nos políticos é altíssima. Portanto, qual voz poderia ir de encontro a uma intervenção com punição e afastamento de políticos denunciados? Não há.

O pior é percebermos que não aprendemos quase nada com os nossos erros. Ditadura e força não fazem o mundo mais justo. Apenas e talvez satisfaça nosso instinto de vingança de forma mais rápida. Mas é só.

E apesar de todos os seus defeitos, somente através da democracia – votar e ser votado - é que o povo tem em suas mãos o poder de escolher o que deseja para si e para o País.

Não há solução mágica para o racha social, político e o desprezo-distanciamento entre o povo e os seus representantes no Executivo, Legislativo e até no Judiciário.

E qual a saída? Bom, sem lideranças capazes de formar uma maioria não há saída. Daí porque qualquer um pode propor como solução o velho caminho como se fosse algo novo: a força.

O pior é que esse tipo de ideia tem espaço em muitos corações e mentes desejoso de vingança e punição célere contra os larápios do dinheiro público.

O problema adiante é que esse tipo de solução mágica – ao arrepio da Constituição – sempre se volta contra boa parte dos seus defensores.

Vida que segue.

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247