General Ramos confessa atuação na campanha de Bolsonaro em 2018, mas se recusa a esclarecer função

"A declaração do general Ramos é mais um dentre inúmeros fatos concretos que comprovam a interferência indevida dos comandantes militares, em especial os do Exército, na política nacional. Está fartamente documentado que militares da ativa e da reserva conspiram contra o poder e as instituições civis e atuam de modo oculto na política como uma facção partidária de extrema-direita"

Bolsonaro e o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira
Bolsonaro e o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira (Foto: Marcos Corrêa - PR)
Siga o Brasil 247 no Google News

Na mesma audiência da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados [18/8] em que disse que “isso daí [a ditadura] é uma questão semântica”, o ministro-general Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria-Geral da Presidência, também declarou: “Quando eu estava em 2018 em São Paulo, ligado na campanha do Presidente”.

A declaração do general Ramos pode ser vista a partir do momento 1h42min do vídeo da referida audiência na Câmara [aqui].

Surpreende que os deputados presentes à audiência não o tenham interpelado a respeito do que parece ser uma grave confissão.

PUBLICIDADE

No ano de 2018, quando estava “ligado na campanha do Presidente”, o general Ramos, então um general de 4 estrelas do serviço ativo do Exército brasileiro, também se desempenhava como Comandante Militar do Sudeste. Ao mesmo tempo chefe de tropas armadas e líder partidário.

Na época ele acumulava, também, participação no Alto Comando do Exército – o colegiado militar que em abril daquele ano participou da escrita e endossou o twitter publicado pelo general Villas Bôas para intimidar o STF [aqui].

A declaração do general Ramos é mais um dentre inúmeros fatos concretos que comprovam a interferência indevida dos comandantes militares, em especial os do Exército, na política nacional.

PUBLICIDADE

Está fartamente documentado que militares da ativa e da reserva conspiram contra o poder e as instituições civis e atuam de modo oculto na política como uma facção partidária de extrema-direita [aqui].

A campanha presidencial do Bolsonaro, por exemplo, foi lançada com enorme antecedência, em 29 de novembro de 2014, no pátio da AMAN, como já se sabia e o próprio fez questão de reconhecer recentemente em solenidade de formatura de cadetes [aqui].

Os generais Villas Bôas e Sérgio Etchegoyen – que traíram a presidente Dilma, que os havia nomeado respectivamente para o Comando e para a Chefia do Estado-Maior do Exército – reuniam secretamente com Temer para tramar o golpe para derrubá-la [aqui].

PUBLICIDADE

A cada dia surgem novas revelações, confissões e atos-falhos, com riqueza de detalhes, sobre a presença dominante dos militares no jogo de poder como atores políticos centrais.

Perguntado a respeito do cargo, das funções desempenhadas e dos fundamentos legais para atuar na campanha do Bolsonaro em 2018, o ministro-general Ramos respondeu, por meio da assessoria de comunicação da Secretaria-Geral, “não ter nada a dizer a respeito”.

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email