General Ramos confessa atuação na campanha de Bolsonaro em 2018, mas se recusa a esclarecer função

"A declaração do general Ramos é mais um dentre inúmeros fatos concretos que comprovam a interferência indevida dos comandantes militares, em especial os do Exército, na política nacional. Está fartamente documentado que militares da ativa e da reserva conspiram contra o poder e as instituições civis e atuam de modo oculto na política como uma facção partidária de extrema-direita"

www.brasil247.com - Bolsonaro e o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira
Bolsonaro e o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira (Foto: Marcos Corrêa - PR)


Na mesma audiência da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados [18/8] em que disse que “isso daí [a ditadura] é uma questão semântica”, o ministro-general Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria-Geral da Presidência, também declarou: “Quando eu estava em 2018 em São Paulo, ligado na campanha do Presidente”.

A declaração do general Ramos pode ser vista a partir do momento 1h42min do vídeo da referida audiência na Câmara [aqui].

Surpreende que os deputados presentes à audiência não o tenham interpelado a respeito do que parece ser uma grave confissão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No ano de 2018, quando estava “ligado na campanha do Presidente”, o general Ramos, então um general de 4 estrelas do serviço ativo do Exército brasileiro, também se desempenhava como Comandante Militar do Sudeste. Ao mesmo tempo chefe de tropas armadas e líder partidário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na época ele acumulava, também, participação no Alto Comando do Exército – o colegiado militar que em abril daquele ano participou da escrita e endossou o twitter publicado pelo general Villas Bôas para intimidar o STF [aqui].

A declaração do general Ramos é mais um dentre inúmeros fatos concretos que comprovam a interferência indevida dos comandantes militares, em especial os do Exército, na política nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Está fartamente documentado que militares da ativa e da reserva conspiram contra o poder e as instituições civis e atuam de modo oculto na política como uma facção partidária de extrema-direita [aqui].

A campanha presidencial do Bolsonaro, por exemplo, foi lançada com enorme antecedência, em 29 de novembro de 2014, no pátio da AMAN, como já se sabia e o próprio fez questão de reconhecer recentemente em solenidade de formatura de cadetes [aqui].

Os generais Villas Bôas e Sérgio Etchegoyen – que traíram a presidente Dilma, que os havia nomeado respectivamente para o Comando e para a Chefia do Estado-Maior do Exército – reuniam secretamente com Temer para tramar o golpe para derrubá-la [aqui].

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A cada dia surgem novas revelações, confissões e atos-falhos, com riqueza de detalhes, sobre a presença dominante dos militares no jogo de poder como atores políticos centrais.

Perguntado a respeito do cargo, das funções desempenhadas e dos fundamentos legais para atuar na campanha do Bolsonaro em 2018, o ministro-general Ramos respondeu, por meio da assessoria de comunicação da Secretaria-Geral, “não ter nada a dizer a respeito”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email