Jeffrey Sachs avatar

Jeffrey Sachs

Professor da Columbia University (NYC) e Diretor do Centro para o Desenvolvimento Sustentável e Presidente da Rede de Soluções Sustentáveis da ONU. Ele tem sido um conselheiro de três Secretários-Gerais da ONU e atualmente serve como Defensor da iniciativa para Metas de Desenvolvimento Sustentável sob o Secretário-Geral da ONU, António Guterres.

30 artigos

blog

Gilad Erdan faz um favor ao mundo ao tornar evidente a estratégia condenada ao fracasso de Israel

Com um discurso absurdo, Erdan ajudou a garantir uma votação esmagadora de 143 a 9 a favor da adesão da Palestina à ONU

Imagem Thumbnail
Gilad Erdan (Foto: Reprodução/Redes sociais)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Devemos uma dívida irônica de gratidão ao embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, por avançar a causa do Estado da Palestina nas Nações Unidas. Ao proferir um discurso na Assembleia Geral da ONU tão desequilibrado, absurdo, vulgar, insultante, indigno e antidiplomático, Erdan ajudou a garantir uma votação esmagadora de 143 a 9 a favor da adesão da Palestina à ONU (os demais abstiveram-se ou não votaram). Mas mais do que isso, Erdan ajudou a esclarecer a abordagem tática de Israel - e por que ela está fadada ao fracasso.

Vamos considerar brevemente o conteúdo do discurso de Erdan. Erdan afirmou, em resumo, que a Palestina equivale ao Hamas e o Hamas equivale ao Reich Nazista de Hitler. Erdan disse aos delegados da ONU que seus países apoiam um estado da Palestina porque "muitos de vocês são antissemitas". Ele então triturou a Carta da ONU no púlpito, afirmando que os delegados estavam fazendo o mesmo ao votar pela adesão da Palestina à ONU. Enquanto isso, no mesmo dia de seu discurso e votação na ONU, Israel estava reunindo suas forças para mais um massacre de civis inocentes em Rafah.

O desabafo de Erdan alcançou o nível de ódio venenoso e absurdo. A Palestina entraria na ONU como um estado amante da paz, um compromisso afirmado firmemente e eloquentemente pelo embaixador palestino na ONU, Riyad Mansour: “Queremos paz”, declarou o embaixador Mansour inequivocamente. Além disso, a solução de dois estados, é claro, não acontecerá em um vácuo diplomático. De acordo com a Iniciativa de Paz Árabe de 2002, e reafirmado pelos países árabes e islâmicos em Riade em novembro passado, os países árabes e islâmicos se comprometeram repetidamente a apoiar a paz e a normalização das relações com Israel como parte da solução de dois estados.

Contrariamente à calúnia de Erdan, os governos da Assembleia Geral da ONU, é claro, não são antissemitas. Pelo contrário, eles detestam o ataque do governo israelense em Gaza, um massacre tão vasto pelo qual Israel está no banco dos réus na Corte Internacional de Justiça sob a acusação de genocídio. A mesma acusação falsa foi feita contra manifestantes estudantis que não são antissemitas, mas sim anti-apartheid e anti-genocídio.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A questão então é o que Erdan estava realmente fazendo ao proferir um discurso tão exagerado que só poderia servir para reforçar, e não reduzir, a esmagadora votação mundial a favor da Palestina. Claro, ele estava fazendo o que todos os políticos fazem na era das redes sociais. Ele estava atuando no palco para os seus adoradores com 157 mil seguidores no X (anteriormente Twitter) e para os apoiadores no Likud, o partido de direita de Israel.

Inicialmente, ao ouvir Erdan, eu simplesmente pensei que o homem estava louco, sofrendo de trauma pós-Holocausto e vendo um Hitler espreitando em cada sombra. No entanto, tal visão é ingênua. Erdan é uma figura política altamente experiente, bem-educada e bem treinada, e estava totalmente no controle de um discurso cuidadosamente preparado (que incluía um pôster e uma trituradora como adereços). Meu erro inicial foi pensar que ele estava falando para o restante dos embaixadores da ONU e para os espectadores dos procedimentos, como eu.

A grande diferença da política da era da transmissão de antigamente e da política da era das redes sociais de hoje é que os políticos não falam mais com o público em geral. Eles agora se comunicam quase que inteiramente com sua base e "quase-base". Cada pessoa hoje recebe um fluxo personalizado de "notícias" que é construído em conjunto por escolhas individuais (quais sites visitamos), redes de "seguidores" digitais, algoritmos de plataformas como Facebook, X e TikTok, e forças ocultas que incluem as agências de inteligência, propagandistas do governo, corporações e operadores políticos. Como resultado, os políticos mobilizam e motivam sua base, e pouco além.

Erdan, o político, e seu partido Likud, têm lutado contra os palestinos há muito mais tempo do que o Hamas domina a política de Gaza, de fato, por mais tempo do que o Hamas existe. Erdan cresceu dentro do partido, desde sua juventude, em um movimento que sempre se posicionou firmemente contra um estado palestino e a solução de dois estados. Na verdade, o Likud trata o Hamas há muito tempo como um apoio político, um estratagema para dividir os palestinos e assim afastar os clamores internacionais para a solução de dois estados. Como até mesmo a mídia israelense relata, os líderes do Likud trabalharam com nações árabes ao longo dos anos para manter o Hamas financiado, para que ele representasse uma competição contínua à autoridade palestina.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Então, qual é a estratégia do Likud à medida que Israel se isola cada vez mais do restante do mundo? Aqui também, os próprios estratagemas políticos passados de Erdan oferecem uma pista. Erdan tem sido um dos políticos mais astutos e bem-sucedidos de Israel na construção da aliança do Likud não apenas com a próspera comunidade judaica estadunidense, mas também com a comunidade evangélica cristã dos EUA. Os sionistas cristãos apoiam ardorosamente o controle de Israel sobre a Terra Santa, embora como prelúdio ao seu Armagedom - não exatamente a agenda de longo prazo do Likud.

A crença tática do Likud é que os EUA sempre estarão lá, quer seja em tempos bons ou ruins, porque o Lobby de Israel (judeu e evangélico cristão) e o complexo militar-industrial dos EUA sempre estarão lá. A aposta do Likud sempre funcionou no passado e eles acreditam que funcionará no futuro. Sim, o extremismo violento de Israel custará a Biden o apoio dos jovens eleitores americanos; mas se for esse o caso, isso só significará a eleição de Trump em novembro, então ainda melhor para o Likud.

A estratégia do Likud depende inteiramente dos EUA para a segurança de Israel, como a única força de bloqueio em uma comunidade mundial cada vez mais unida e horrorizada com os enormes crimes de guerra de Israel, e a favor de impor a solução de dois estados a um Israel totalmente recalcitrante. No entanto, os interesses centrais dos EUA - econômicos, financeiros, comerciais, diplomáticos e militares - estão em desacordo com o isolamento de Israel dentro do sistema internacional.

O lobby de Israel será atingido por um movimento de pinça. Por um lado, os eleitores americanos, especialmente os jovens eleitores estadunidenses, estão horrorizados com a brutalidade de Israel. Por outro lado, a posição geopolítica dos EUA está se desmoronando. Em breve, muitos países europeus, incluindo a Espanha, a Irlanda e a Noruega, devem reconhecer a Palestina e dar as boas-vindas à sua adesão à ONU. Erdan pode acabar no topo do monte do partido Likud, mas o Likud e seus parceiros extremistas e violentos na coalizão provavelmente logo atingirão os limites de sua arrogância, violência e crueldade.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Publicado originalmente em: https://www.commondreams.org/opinion/gilad-erdan-israel-united-nations

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO