Governo Bolsonaro, CFM e os experimentos nazistas da Prevent

"As monstruosidades denunciadas jamais poderiam ter acontecido se o governo e os órgãos federais de controle como a Agência Nacional de Saúde Suplementar, Ministério da Saúde, MPF, ANVISA – e, também, o Conselho Federal de Medicina [CFM], que é uma autarquia pública federal – cumprissem suas obrigações legais em defesa da vida e da saúde humana"

www.brasil247.com -
(Foto: Alan Santos/PR | Divulgação | Reprodução)


Há 76 anos, em setembro de 1945, a 2ª Guerra Mundial foi oficialmente encerrada, marcando a derrota militar do nazi-fascismo. Isso não significou, entretanto, a extirpação definitiva desta variante político-ideológica monstruosa gestada pelo próprio capitalismo, que é o nazi-fascismo.

Como adverte Roger Griffin, é um completo equívoco histórico considerar-se o fascismo um fenômeno circunscrito ao período entreguerras [1914/1945]. Na visão do historiador inglês, o fascismo é uma vertente intrínseca ao capitalismo que se apresenta de modo exacerbado como escape do sistema em momentos de agudização das suas crises cíclicas.

A extrema-direita fascista, que durante várias décadas do pós-guerra alternou momentos de “dormência” com outros momentos de ativismo público e aberto, neste século 21 assumiu considerável proeminência. E com impressionante adesão social de massas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Figuras de proa deste movimento ocuparam e/ou ocupam a cena pública mundial e, mais alarmante, governos nacionais, como Salvini na Itália, Duterte nas Filipinas, Bukele em El Salvador, Trump nos EUA, Orban na Hungria, Morawiecki na Polônia e Bolsonaro no Brasil. Assim como com Hitler, todos ascenderam ao poder pela via eleitoral.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Michel Gherman e Natalia Pasternak arremataram o artigo Prevent Senior repete práticas nazistas e serve de alerta para o país [Folha, 10/10] alertando que “Não fazer essa comparação agora, entre o governo brasileiro, a Prevent Senior, e o nazismo, seria perder a oportunidade de impedir o final do caminho. É melhor não deixarmos para fazer essa inevitável comparação quando já for tarde demais”.Esta advertência deve ser levada em consideração, sob pena de nos arrependermos quando o leite já estiver derramado e os fatos já estiverem consumados de modo irreversível – ou seja, quando “já for tarde demais” para se “impedir o final do caminho”.O depoimento de Tadeu de Andrade, sobrevivente do “campo de concentração da Prevent” e salvo graças à intervenção da família desconfiada dos procedimentos da empresa, é estarrecedor: “sou testemunha viva da política criminosa dessa corporação e de seus dirigentes”, declarou à CPI da COVID.A Prevent Senior, empresa privada que explora comercialmente a saúde humana, tem como nicho de atuação pessoas idosas – por suposto, daí a designação “senior” do negócio. Como “seniors” portam comorbidades, ficam mais sujeitos às “mortes naturais” da idade.

Se os custos para tratamento e cura dos clientes se elevam e comprometem a rentabilidade do negócio, a empresa condena-os a cuidados paliativos – o equivalente, neste caso, à morte forçada, não autorizada – para conter despesas de tratamento e, assim, maximizar a margem de lucro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As monstruosidades denunciadas jamais poderiam ter acontecido se o governo e os órgãos federais de controle como a Agência Nacional de Saúde Suplementar, Ministério da Saúde, MPF, ANVISA – e, também, o Conselho Federal de Medicina [CFM], que é uma autarquia pública federal – cumprissem suas obrigações legais em defesa da vida e da saúde humana.

Deu-se, entretanto, o contrário. O que se observou foi a formação de um consórcio de interesses ideológico-comerciais macabros: a Prevent fez experimentos ilegais com seres humanos, sem autorização das Comissões de ética em pesquisa e com o propósito de fornecer fundamentos falsos para sustentar a posição doutrinária do governo. Em contrapartida, obteve anteparo institucional para rentabilizar ao máximo seu comércio infame. Afinal, “óbito também é alta”!O presidente do CFM Mauro Ribeiro sabe que “não existe nenhuma evidência científica que comprove alguma eficácia da hidroxicloroquina”. Apesar disso, “numa decisão fora das nossas normas” – ilegal, portanto, – “acabamos liberando o uso da hidroxicloroquina”, disse ele.O dirigente médico assumiu ter agido de maneira dolosa e em desrespeito à ciência para legitimar o discurso nazi-bolsonarista oficial. Ele se orgulha que, em recompensa, “todas nossas reivindicações foram atendidas pelo presidente, todas nossas reivindicações”. Chama atenção que este personagem – assim como outros implicados – ainda não estejam presos preventivamente, como corresponderia a perpetradores de crimes contra a humanidade.

Os experimentos macabros da Prevent Senior precisam ser analisados pelo que são de fato: práticas monstruosas cujos parentescos históricos mais próximos são Auschwitz e os campos de concentração nazistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tais experimentos, para prosperarem como prosperaram, no mínimo precisam contar com o consentimento e/ou com o estímulo oficial, como de fato contaram, pois o governo conhecia esta macabra realidade desde abril de 2020 e a deixou continuar.

Tão assombroso e bárbaro como os experimentos nazi-bolsonaristas é a tolerância e a cumplicidade das oligarquias dominantes que, a despeito da barbárie, decidem-se por manter seu Hitler tupiniquim no poder. Afinal, o “plano-Prevent” de saqueio e pilhagem do Brasil é altamente recompensador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email