Governo-hemorroida segue evacuando o sangue dos brasileiros

O colunista Gustavo Conde destaca o papel deletério do calão utilizado nas reuniões ministeriais do governo. Ele diz: "François Rabelais, Marquês de Sade, Allen Ginsberg e Plínio Marcos ruborizariam diante da reunião ministerial desses entes boçalizados pelo terror infamiliar que lhes infecta o ânus discursivo." e acrescenta: "os maiores assassinos e genocidas da história também manifestariam incredulidade (e talvez, inveja)"

Bolsonaro
Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Talvez, só respondendo com a mesma vulgaridade, o mesmo mau gosto, a mesma agressividade, o mesmo tom apodrecido, o mesmo eixo metafórico de esgoto, para se encontrar uma vacina retórica a altura que combata essa doença chamada governo Bolsonaro. 

Ser educado com essa escória é uma irresponsabilidade. Quando o sangue corre nas ruas, os ritos da boa educação tornam-se sintoma da miséria ética que caracteriza as elites covardes. 

[Lembrando que, no Brasil, ‘elite’ tem sentido pejorativo].

A metáfora da ‘hemorroida’ é tão doentia quanto pedagógica. 

Em primeiro lugar, porque muitos brasileiros sofrem desta doença. Somada ao quadro de obesidade e hipertensão, gatilhos para seu surgimento, ela ilustra bem o nosso caos sanitário disparado por um governo que se recusa a governar: quem tem hemorroida é candidato a ter complicações graves caso adquira a covid-19. 

Esse é o nível de desumanidade associada à vulgaridade e desprezo que identifica a patifaria que é este governo: eles zombam das mortes, zombam da dor, zombam da vida e zombam dos próprios apoiadores, chamando-os de ‘bostas’. 

Mas o estrago que esses vermes fazem com a linguagem humana tem a mesma dimensão sangrenta do palavreado insultuoso que lhes caracteriza os intestinos - que, no caso deles, são o esôfago, que municia suas respectivas bocas, verdadeiros aparelhos excretores. 

Na dimensão simbólica, o bolsonarismo representa o aniquilamento da linguagem. Eles não usam a linguagem humana, usam um outro tipo encadeamento dessignificante: são adeptos do calão intermitente. 

François Rabelais, Marquês de Sade, Allen Ginsberg e Plínio Marcos ruborizariam diante da reunião ministerial desses entes boçalizados pelo terror infamiliar que lhes infecta o ânus discursivo. 

Os maiores assassinos e genocidas da história também manifestariam incredulidade (e talvez, inveja). 

Bolsonaro nos obriga a atualizar as definições de genocida: é um assassino em massa, em série (tutelado por militares decrépitos, tolerado por uma imprensa venal, amansado por chefes de poderes inúteis e covardes),  em gênero, em número e em grau. Um genocida não mata apenas seres humanos, mata aquilo que nos torna humanos: a linguagem.

Ao tratar a linguagem de maneira utilitária apenas para saciar suas demandas por poder, dinheiro e fama, os integrantes deste governo neutralizam e inutilizam a função primeira da linguagem humana que é criar sentidos (e saciar nossa demanda cognitiva, alimentando nossos cérebros). 

O bolsonarismo é um empecilho não à democracia apenas, mas à própria possibilidade de evolução. 

De tanto combater o darwinismo como manifestação do demônio, eles conseguiram a proeza de estabelecer uma vacina à evolução da espécie: se o bolsonarismo perdurar por mais algum tempo, em breve estaremos de volta às árvores, fugindo de predadores e quebrando a cabeça para abrir uma fruta ainda desconhecida - talvez, só produzindo sons semelhantes a palavrões, com muito spray viral e gotículas infectas.

Quando o país perde mais 965 vidas, o verme-presidente sai comemorar com a legião acanhada - sic - de parasitas-apoiadores, fazendo selfies e comendo hot-dogs. 

O serviço de demolição da possibilidade linguageira da espécie vai sendo feito, enquanto assistem ‘incrédulos’ (‘incrédulo’ é outra palavra para ‘acovardado’) os múltiplos setores progressistas ou não da sociedade brasileira em extinção. Setores ‘limpos’ e ‘inteligentes’, que se negam a descer ao lodaçal bolsonarista porque têm reputações a zelar. 

Como combater esse vermes sem descer ao seu covil putrefato, povoado pelo calão mais abjeto jamais produzido e habitado por pústulas subjetivas infernais como Damares, Salles, Guedes, Weintraubs e Helenos? 

A metáfora da hemorroida é tosca, vulgar e covarde, mas a linguagem também tem as suas sutilezas. Ela mostra que estamos diante de um governo afundado no próprio sangue e na própria merda. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247