Guedes acusa militares de petistas

Paulo Guedes, o ainda ministro da Economia (será?), chamou o programa Pró-Brasil desenvolvido pela ala militar do governo de "um novo PAC", referindo-se ao Programa de Aceleração do Crescimento desenvolvido pelos governos do PT

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paulo Guedes, o ainda ministro da Economia (será?), chamou o programa Pró-Brasil desenvolvido pela ala militar do governo de "um novo PAC", referindo-se ao Programa de Aceleração do Crescimento desenvolvido pelos governos do PT.

Guedes fez a crítica para Bolsonaro e a ministros em reunião no Palácio do Planalto na quarta-feira, dia 22, e repetiu para secretários da Economia nesta quinta-feira, dia23. Indignado, Paulo Guedes ainda teria enviado WhatsApp ao ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que apoiou o Pró-Brasil: "Você foi desleal". Guedes se considerou traído por Marinho, a quem tinha como aliado.

O grupo militar, liderado pelo general Braga Netto, pretende levar adiante um programa que poderá ampliar em R$ 215 bilhões os gastos públicos até 2024. Pode tratar-se de uma iniciativa salvadora para o momento econômico do país. Esse valor representa dar início imediatamente às obras previstas pelos ministérios da Infraestrutura e do Desenvolvimento Regional (em fase inicial ou paradas) como forma de absorver trabalhadores que perderem emprego por causa da crise do coronavírus. Essa iniciativa pode gerar até 18 milhões de novos postos!

Claro que Paulo Guedes tinha que ser contra. Ele prefere dar crédito para as empresas que, assim, poderiam reativar os empregos. Ora, Guedes, convenhamos! O momento é grave, é urgente! Não podemos perder tempo com intermediários. Temos que pensar no Brasil, nos trabalhadores em primeiro lugar. E pode ter certeza que as empresas terão muito a lucrar com isso...

A primeira reunião do grupo de trabalho do Pró-Brasil ocorre nesta sexta-feira, 24. Vamos aguardar para ver o que o “PT” pode fazer para “ajudar Bolsonaro”...

Leia também Folha.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247