Guerra de facções na direita abre espaço para volta de Lula

"Lula é o jogador que a direita esperava ter tirado da partida com faltas violentas e o apoio vergonhoso de um juiz parcial. Pode voltar ao campo aproveitando as brigas no time adversário. E comandar a virada mesmo sem fazer gols", avalia o jornalista Rodrigo Vianna, apresentador da TV 247

www.brasil247.com -
(Foto: ABr | Reuters)


Por Rodrigo Vianna

Lula colhe, de forma lenta mas constante, os resultados pela coragem com que enfrentou a perseguição lavajatista desde 2015.

Lula poderia ter-se refugiado numa embaixada; preferiu encarar o processo injusto e a prisão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lula poderia ter renunciado à liderança do PT; lançou-se candidato desde a cadeia, e levou Haddad ao segundo turno.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lula poderia ter estendido a bandeira branca ao ser libertado, abrindo mão de voos políticos, como exigia a direita; mas firmou-se no lugar de sempre.

Não cedeu, não fugiu, não medrou. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além da coragem e da perspicácia pessoais (esta última mais uma vez demonstrada ao negar-se a embarcar na cilada dos manifstos frenteamplistas), Lula contou com outros fatores: a militância que o defendeu; o tempo que lhe deu razão diante dos abusos lavajatistas; o trabalho jornalístico independente, que lançou luz sobre as mutretas judiciárias de Moro e seus garotos paranaenses; e, finalmente, Lula pode contar com as contradições que se aprofundam "do lado de lá".

O mais novo capítulo dessas contradições é o vazamento de informações a mostrar que a primeira-dama bolsonarista recebeu quase 100 mil reais em cheques depositados pelo laranja Queiroz. O vazamento faz colar em Michele, mulher de Bolsonaro, o apelido de "Micheque".

O vazamento (avaliam alguns) seria um contra-ataque de Moro, diante dos avanços do bolsonarismo contra a Lava-Jato. As duas facções - bolsonarismo/miitares/evangélicos/record x lavajatismo/empresários/Globo - devoram-se numa luta sem quartel.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para reagir ao desmonte que se aproxima, a Lava-Jato ataca também o que sobrou da centro-direita tradicional (Alckmin, Serra e os escombros do PSDB). Ao fazer isso, ativa contra si setores no Judiciário e na mídia, aliados à centro-direita e temerosos diante do avanço autoritário da Lava-Jato.

Moro torna-se assim mais fraco: confrontado pela esquerda desde sempre, demonizado pelo gabinete de ódio bolsonarista desde abril, é agora considerado suspeito até nas páginas dos jornais que o apoiaram na louca cavalgada de ilegalidades.

A Folha acaba de publicar editorial (link) condenando as ações políticas de Moro como juiz, e atestando o abalo de credibilidade que lhe tira sustentação. 

Dias antes, fora Merval Pereira (espécie de voz informal dos donos da Globo) quem apresentara o vaticínio: Moro será julgado suspeito no STF, abrindo espaço para que se cancelem os processos contra Lula, o que traria o líder petista de volta ao campo (link para Merval).

Lula, pela primeira vez, tem chances reais de virar o jogo no terreno institucional. Resta saber se, após lutar tanto para recuperar seus direitros políticos, não terá colhido uma vitória de pirro.

Explico: voltando mesmo à partida, não carregará para sempre o peso de anos de bombardeio midiático? Ainda assim, parece assustar...

O artigo de Merval pode ser visto como um aviso para o bolsonarismo: o craque adversário está na beira do campo aquecendo, será que deveríamos seguir nessa batalha dentro da direita?A Globo teme morrer esmagada num embate futuro entre lulismo e bolsonarismo...

Se Bolsonaro segue de pé, apesar de 100 mil mortos, Moro começa a ruir - e isso até Merval e a Folha já admitem. 

Resta saber: qual papel terá Lula, se de fato vencer a batalha gigante no STF?

Parece-me que será o papel daquele craque veterano que, mesmo sem correr o campo todo, sabe segurar a bola para colocar os atacantes mais jovens na cara do gol.

Lula é o jogador que a direita esperava ter tirado da partida com faltas violentas e o apoio vergonhoso de um juiz parcial. Pode voltar ao campo aproveitando as brigas no time adversário. E comandar a virada mesmo sem fazer gols.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email