Há 58 anos, o golpe militar aniquilou a democracia, os direitos do povo e a soberania nacional

O regime militar, que vigorou de 1964 a 1985, implantou o terror como forma de governo, opina o jornalista José Reinaldo Carvalho

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Por José Reinaldo Carvalho - O golpe militar de 31 de março e 1º de abril de 1964 ocorreu em um contexto de agravamento das contradições da sociedade brasileira. As lutas populares se intensificavam, as correntes democráticas e populares amadureciam, aproximavam-se de conquistas importantes para a consolidação da democracia e da soberania nacional. As condições pareciam favoráveis para a realização de reivindicações históricas. Estava em curso no Brasil, desde há décadas, uma luta entre as forças que se empenhavam para democratizar o país e incorporar as massas populares na vida política nacional e por reformas econômicas, por um lado e, por outro, as classes dominantes e o imperialismo, cujo projeto para o país excluía o povo e os trabalhadores e pressupunha um desenvolvimento dependente.

Esta luta encontrava, em meio a contradições, um encaminhamento válido durante o governo democrático e nacionalista de João Goulart, que propugnava a realização das reformas de base, cuja essência era a conquista de direitos sociais e do desenvolvimento nacional soberano. 

Foi contra esta tendência de mudanças que as classes dominantes retrógradas aliadas ao imperialismo e apoiadas nas Forças Armadas se insurgiram. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O golpe de 1964 representou um duro revés para o povo brasileiro. As forças mais reacionárias empalmaram o poder através das correntes antinacionais e antidemocráticas que sempre hegemonizaram a casta militar brasileira. A tomada violenta do poder pelas Forças Armadas foi uma reviravolta política de sentido reacionário, resultante de maquinações, conspirações e intentonas que vinham sendo urdidas desde os anos 1950, numa combinação de ações entre partidos e lideranças de direita e o imperialismo estadunidense, em plena guerra fria, em luta pelo domínio do mundo, pela liquidação do socialismo na União Soviética, na China e no Leste Europeu, com inspiração ideológica anticomunista. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O golpe militar de 1964 culminou a ocorrência de sucessivas crises políticas que se arrastavam desde o período do imediato pós-guerra e que tiveram como episódios mais marcantes os retrocessos das conquistas democráticas da Constituinte de 1946, golpeadas pelo governo Dutra, o suicídio em 1954 do presidente Getúlio Vargas, cujo governo foi alvo de ofensiva imperialista e conservadora, a tentativa de impedir a posse do presidente Juscelino Kubitscheck, a renúncia de Jânio Quadros, a intentona golpista para impedir a posse de João Goulart e depois para que não governasse com os poderes que lhe assegurava a Constituição.

Implantou-se no país em 1964 uma ditadura militar reacionária e ligada aos planos neocolonialistas do imperialismo estadunidense. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ditadura dos generais impôs, em conluio com os centros econômicos e financeiros do imperialismo, um modelo econômico antipopular e entreguista, contrário ao desenvolvimento do país e ao bem-estar social. Abriu-se um longo período calamitoso para o povo brasileiro.  

A ditadura militar declarou guerra ao povo, adotou uma política de extermínio da oposição democrática-popular e da esquerda. Em determinado momento, a partir de finais de 1968, os generais implantaram um regime de terror. Esse regime atentou contra o estado de direito, tolheu as mais elementares liberdades democráticas, desencadeou o terrorismo cultural, impôs a censura à imprensa, às artes, à atividade científica e acadêmica, violou a independência e harmonia entre os Poderes, manietando o Judiciário e o Legislativo, perseguiu, prendeu e torturou dezenas de milhares de brasileiros, indiciou em inquéritos policial-militares mais de dez mil pessoas. Assassinou 434 combatentes pela democracia. 

Foi um período trágico para a vida nacional. Apesar disso, o Ministério da Defesa do atual governo de extrema-direita, chefiado pelo pré-candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro,  publicou uma nota oficial nesta quarta-feira (30) exaltando o golpe militar e o regime facinoroso dos generais. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O Movimento de 31 de março de 1964 é um marco histórico da evolução política brasileira, pois refletiu os anseios e as aspirações da população da época”, diz a nota, elogiando um regime que praticou crimes de lesa-pátria e lesa-humanidade. A ditadura celebrada pelo governo e os comandos militares foi também um regime que mergulhou o país na corrupção e fez uma gestão econômica desastrosa, levando o povo a viver uma vida de penúria. 

A ordem do dia do candidato a vice de Bolsonaro critica o pensamento consensual entre democratas e patriotas sobre o caráter da ditadura como regime antipopular, antinacional e antidemocrático. Segundo o general, "a história não pode ser reescrita, em mero ato de revisionismo, sem a devida contextualização”. São incapazes de fazer autocrítica, o que significa que estão prontos para reincidir. Aliás, o comportamento golpista de um ex-comandante que ordenou o Congresso a derrubar a presidente Dilma e o Supremo a prender o presidente Lula  comprova isto. Também corrobora a tese de que o golpismo segue vivo no ambiente militar o festim em que se locupletam os generais da base de apoio do atual ocupante do Palácio do Planalto.  

O Brasil vive um novo momento tenebroso, em que o titular do Executivo é um apologista da ditadura e do abominável método da tortura e do assassínio de presos políticos.

Em tal situação é atual a tarefa de estudar o passado para que experiências funestas como o golpe militar de há 58 anos não se repitam. Como é atual e inadiável intensificar a luta pela democracia, pela soberania nacional e os direitos do povo que a ditadura militar vilipendiou. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email