Haja coração, torcedor!!!

O problema maior no momento é que grande parte da torcida percebeu que esse novo time do PMDB F.C. e PSDB FC jogam contra o Brasil. O povo quer de volta o atacante Lula com a braçadeira de capitão e não admitem que entregue o Campo do Pré Sal para o time dos Gringos FC

O problema maior no momento é que grande parte da torcida percebeu que esse novo time do PMDB F.C. e PSDB FC jogam contra o Brasil. O povo quer de volta o atacante Lula com a braçadeira de capitão e não admitem que entregue o Campo do Pré Sal para o time dos Gringos FC
O problema maior no momento é que grande parte da torcida percebeu que esse novo time do PMDB F.C. e PSDB FC jogam contra o Brasil. O povo quer de volta o atacante Lula com a braçadeira de capitão e não admitem que entregue o Campo do Pré Sal para o time dos Gringos FC (Foto: Deivison Souza Cruz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

I - Comentários iniciais

No jogo Rússia vs. Arábia Saudita (14/06), Galvão Bueno criticou o atacante Fyodor Smolov por desistir de correr mesmo que se sabendo impedido. "Vai que o juiz não vê”, diz Galvão. Já no jogo Brasil vs. Suíça (17/06) o alvo foi o juiz que não viu o pênalti contra o Brasil.

Dois momentos e uma pergunta: o quanto perde o futebol e a democracia, quando a desonestidade passa a ser o parâmetro de comportamento aceitável?

O que causa maior mal ao futebol, se são os juízes desonestos (que não apitam infração quando a veem)? Se são os jogadores, notadamente os atacantes, desonestos (que cavam faltas)? Ou se também narradores desonestos (que reverberam como positivas práticas anti-desportivas)?

Eis que os primeiros dias da Copa da Rússia nos brinda com uma possível crônica feroz com a atual situação do Brasil. Temos um juiz desonesto que apita para o time dos gringos (Moro). Temos uma rede de televisão desonesta (Rede Globo) que narra em favor dos Gringos FC. E temos mais da metade do time brasileiro vindos de clubes de direita, que são a favor de entregar o Campo do Pré-Sal para o time dos Gringos FC.

II - Confusão estratégica

O problema começou em 2014, ainda numa etapa do campeonato. Um jogador Mauricinho, que queria a braçadeira e ser atacante, mas a torcida fez pressão contra o jogo sujo porque ele já tinha sido pego no antidoping. Dilma foi mantida como capitã para começar o jogo. Aí que o Mauricinho se juntou com o jogador Cunha. Ambos atuaram secretamente para os Gringos FC, botaram uma cunha no meio da delegação brasileira e praticamente paralisou o jogo.

Mas a Globo e os cartolas do mercado, Exxon e Shell, e da política (times de direita FC), junto com a confederação dos árbitros (judiciário) promoveram sedição para trocar o meio de campo e capitã Dilma. Agitaram a torcida para brasileira que, enganada, começou a fazer o jogo da torcida adversária. Eles caíram como patinhos e entraram em campo atrapalhando a partida.

Eis que, mesmo no banco, o juiz expulsou o atacante Lula da seleção Brasil FC. facilitando a entrega do jogo e do Campo do Pré-Sal. Confusa e sem entender nada, parte da torcida dos patos acha que os militares podem organizar a confusão e jogarem melhor que boleiros. Ocorre que os militares querem mesmo é levar sua parte no acordo, pois sabem que são perna de pau e entram de sola jogando feio.

Os cartolas do mercado do futebol, que são a Exxon e a Shell criaram uma nova estratégia para o Brasil FC entregar a bola para o adversário Gringos FC. A meta dos cartolas é de sempre entregar a bola para facilitar o ataque da equipe adversaria. Trata-se do clássico lançamento de tiro no próprio pé chamado de "Ponte para o Futuro".

III - Nova escalação

Os novos jogadores da seleção são tudo galo velho e raposas (não confundir com Atlético e Cruzeiro), agora vindos do PMDB F.C. e PSDB FC. Sempre que os Gringos estão com a bola os primeiros fazem um corredor que abre todo o meio de campo e a defesa para os gringos fazerem quantos gols quiserem.

Para garantir a jogada, embora duro igual cadáver, Temer fica com a braçadeira de capitão para fazer corpo mole (é com ele mesmo). "A segurança do estádio vai garantir, os árbitros também. É um grande acordo futebolístico, com o Supremo, com tudo" afirma o meio de campo Jucá. Chegaram malas de dinheiro para o Geddel, que trabalha no vestuário, para distribuir o bixo. O lance é garantir que o campeonato será entregue.

Com isso o time brasileiro perdeu o mando de Campo do Pré-Sal. Nosso time vai pagar mais caro para jogar em casa, incluindo luz e gasolina. Os dirigentes, os cartolas e a Globo disseram que o ingresso privatizado seria mais barato para o torcedor, porém tudo está subindo e o jogo está cada vez mais sujo. Ainda assim o palhaço narrador da Globo é de uma alegria estonteante.

Não bastasse tamanha sacanagem com o futebol brasileiro, os jogadores de base vindos do PT F.C. E PCdoB F.C. e demais partidos que tem a preferência popular, estão sendo processados por terem ganho quatro Campeonatos e trazerem mais gente para o estádio (o povo pode comprar ingresso). A meta é fechar os times para sanear o campeonato brasileiro (eleições).

IV - O 13º jogador

O problema maior no momento é que grande parte da torcida percebeu que esse novo time do PMDB F.C. e PSDB FC jogam contra o Brasil. O povo quer de volta o atacante Lula com a braçadeira de capitão e não admitem que entregue o Campo do Pré Sal para o time dos Gringos FC. Entretanto, muita gente desanimou e quer desistir do futebol e de torcer para o Brasil FC.

O problema é que os cartolas da Exxon e Shell, que financiam o time dos Gringos F.C. estão jogando somas de dinheiro para bagunçar e impedir que isso ocorra. A confederação dos árbitros quer garantir Lula preso e qualquer um dos principais jogadores dos times de base de esquerda também. O jogo não terminou e a partida de outubro promete ser decisiva. Mesmo perdendo de Gringos 7 x 1 Brasil, ainda é possível virar o jogo.

— Haja coração, caro torcedor!!!

Os cartolas querem escalar novos jogadores para jogar contra o Brasil. Os times de esquerda querem novos jogadores, mas está difícil, pois só a pouco começaram a acreditar, por necessidade, no futebol de base, coisa que não vinham fazendo a muito tempo. Fora de campo, o jogo segue na retranca dos torcedores e times populares versus o dinheiro dos cartolas e dos meios de comunicação.

Ai que entra em campo o 13º jogador (favor confundir com o número do Partido dos Trabalhadores). A pergunta que no futebol é a de sempre: está na hora da torcida da massa, popular e operária, fazer a diferença? Fica a questão para a torcida e essa é mais uma pequena crônica narrativa do futebol político nacional.

Forte abraço a todos e segue a partida.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247