História destroça imagem de incorruptível das Forças Armadas

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Estarrecidos, tomamos conhecimento de que quase 200 mil militares, com soldo em dia, gratificações, estabilidade, paridade salarial na aposentadoria e integralidade receberam indevidamente o auxílio emergencial de R$ 600 reais.

Abocanharam uma ajuda criada pelo Congresso Nacional para socorrer os trabalhadores informais entregues à própria sorte depois que a pandemia suspendeu grande parte da atividade econômica do país. Asco e revolta são sentimentos inevitáveis diante de tamanho absurdo.

Enquanto isso, mais de 13 milhões de trabalhadores não conseguem ver a cor do dinheiro, enredados pelas exigências, pela burocracia e má vontade de um governo neofascista que odeia visceralmente os pobres.  Já os que venceram a corrida de obstáculos imposta por Guedes-Bolsonaro e obtiveram o benefício não têm a menor ideia de quando terão acesso à segunda parcela.

Na ponta da língua de qualquer golpista que se preze, dos analfabetos políticos em geral e de parte da mídia e da classe média está a falácia de que a Forças Armadas são impermeáveis à corrupção . Nada mais falso. Existem civis e militares honestos ou desonestos.

Preceder com lisura no trato da coisa pública ou enveredar pelos descaminhos da corrupção não são prerrogativas da condição de militar ou de civil. Tem a ver, isto sim, com o caráter, a formação familiar e a educação de cada um.

Recorrendo à história recente do país, veremos que durante a ditadura militar, a longa noite que durou 21 anos, não faltaram episódios escabrosos de corrupção. Se é verdade que parcela considerável das falcatruas acabou encoberta pela censura imposta aos meios de comunicação, outras vieram à tona, seja por ações corajosas da imprensa alternativa ou mesmo através de reportagens da mídia comercial, quando conseguia ludibriar os censores e desafiar os generais.

Casos como Coroa-Brastel, Delfim e Capemi são exemplos de crimes financeiros que lesaram dezenas de milhares de brasileiros. A montanha de dinheiro público drenada pelas obras intermináveis da Transamazônica e da Ponte Rio-Niterói, o contrabando dentro da Polícia do Exército no Rio e o caso Luftalla foram outros escândalos que ganharam as manchetes dos jornais, embora os governos militares tudo tenham feito para varrê-los para debaixo do tapete.

Voltando ao desvio dos R$ 600 de quem está praticamente na miséria, a banda democrática da sociedade tem que exigir a imediata devolução do dinheiro e a responsabilização criminal tanto dos que se locupletaram como daqueles que, no comando da burocracia, escancararam as portas do erário para essa patifaria.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247