Homens loucos por dinheiro lucram com a Guerra ou a quem serve a política do ódio?

Clausewitz disse: “a guerra é a continuação da política por outros meios”; Foucault contradisse: “a política é a continuação da guerra por outros meios”

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


Por Marcia Tiburi 

  1. Clausewitz disse: “a guerra é a continuação da política por outros meios”; Foucault contradisse: “a política é a continuação da guerra por outros meios”. A contraposição entre as proposições dos pensadores define a complementaridade dialética entre guerra e política. 
  2. A política é um assunto de homens na história do patriarcado. A guerra também é um assunto de homens na história do patriarcado. A masculinidade sempre foi um parâmetro tanto político quanto da guerra. Como categoria ideológica e parâmetro estético, a masculinidade define ao longo dos séculos o sentido do próprio poder e de quem pode ocupá-lo. Hoje, mais do que nunca, essa consciência tornou-se um parâmetro do capital político. 
  3. Demonstrar força e capacidade de violência tem sido um elemento fundamental nos jogos de poder. Candidatos tem usado aparecer como homens brutos. Quem aposta no discurso de ódio se torna vencedor. A guerra é o ódio organizado e politizado. Tendo em vista que a política foi reduzida à publicidade na era do espetáculo, o mesmo aconteceu com a guerra. 
  4. Na sociedade do espetáculo a imagem é o grande capital e a guerra adquire o caráter de cena que, como tal, pode ser vendida para amedrontar e extasiar pessoas. Mas a guerra é também uma publicidade da indústria e do mercado de armas que move o medo e outros afetos negativos como a inveja sem a qual não há consumismo. 
  5. O grande capital espetacular casou-se numa união perigosa com a indústria das armas. Capitalismo e espetáculo sempre andaram juntos, mas agora o perigo do extermínio mundial causa estranhamento porque a cortina de fumaça dos direitos humanos e da paz mundial pode desaparecer. Segundo o SIPRI (Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo - https://sipri.org/), a indústria americana de armamentos teve em 2019 61% das vendas dos 25 maiores produtores de armas do mundo. Os 5 principais fornecedores de armas entre 2016 e 2020 são os Estados Unidos, a Rússia, a França, a Alemanha e a China respondendo por 76% do volume total de grandes exportações de armas. Desde 1950, os EUA e a Rússia (a União Soviética antes de 1992) têm sido sempre, de longe, os maiores fornecedores de armas para países do Oriente médio, da África e Ásia. O colonialismo industrial não vai deixar esse mercado de lado tão cedo, talvez nunca. A propaganda de armas é essencial para o avanço desse que é um dos negócios mais rentáveis do planeta. Não esqueçamos que Bolsonaro dez sinal de “arminha” durante toda a sua campanha provando que era uma campanha política e armamentista, ou seja, de militarização e incitação à guerra civil, ao mesmo tempo.
  6. Estamos diante do espetáculo da política e, desse modo, do espetáculo da guerra. Que o presidente Zelensky da Ucrânia seja originalmente um ator famoso na Ucrânia, mais precisamente um comediante, não é um mero acaso. O capitalismo vampiriza os Estados e precisa de homens que sejam capazes de fazer papéis que naturalmente não são tão fáceis de fazer. No caso de um ator, tudo é literal demais. Também entre nós, o ator Bolsonaro é muito bom na cena da farsa e não é por acaso que programas como CQC, Jornal Nacional e vários outros da Rede Globo e Tvs das igrejas neopentecostais, bem como da Jovem Pan, tenham lhe dado tanto espaço. Bolsonaro atua como um espantalho, mas essa é uma atuação suficiente para comandar as massas infantilizadas e dominadas pela produção audiovisual de baixo nível que vem apagando o limite entre realidade e ficção e, desse modo, conduzindo a democracia para o cadafalso no qual ela dá a si mesma um golpe mortal com as próprias mãos, ou seja, por meio do voto, ao eleger tiranos fascistas que devem destruir a democracia que os elegeu.  
  7. O presidente da Ucrânia elegeu-se com mais de 70% de votos sem ter nenhuma experiência como político. Provavelmente sua eleição faça parte do plano do marqueteiro Steve Bannon que também ajudou Bolsonaro a se eleger e que percebeu que a extrema-direita precisava de um projeto de publicidade consistente se quisesse avançar. Bannon é o diretor disso tudo e vive a oferecer seus serviços a todos os conservadores que queiram ter mais poder e assumir cargos políticos em escala megalomaníaca começando pelos cargos à presidência dos países. Desde então, a campanha da extrema-direita em todos os países do mundo não para de avançar. Steve Bannon busca transformar o populismo fascista em um sucesso de bilheteria global no estilo de Hollywood, onde ele trabalhou como produtor no final dos anos 90.
  8. O projeto de Bannon faz lembrar o que na época do nazismo era a tentativa de Hitler, amparado por Goebbels de fazer a obra de arte total (Gesamtkunstwerk) como se fosse uma ópera wagneriana, ou um filme de muito sucesso de bilheteria mundial, em uma palavra: o nazifascismo foi uma tentativa de fazer da politica um super espetáculo de entretenimento em que o falso e o verdadeiro já não podem ser distinguidos. Desinformação, mentiras? Fake News, fazem parte da necessária confusão moral e psíquica produzida em escala massiva. Ser inteligente e perceber o que se passa não é cool. Ser espetaculoso, imoral e cognitivamente precário está em alta no Brasil e no mundo. As mídias corporativas hegemônicas, as redes sociais e as igrejas de mercado que administram tudo isso agradecem por seus lucros junto com os banqueiros, grandes senhores do capitalismo e, portanto, da base de violência econômica e simbólica que sustenta tudo isso. 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email