Hora do equilíbrio

Temos que equilibrar as duas coisas. Proteger a saúde, que deve estar no topo das nossas prioridades, e diminuir os impactos da redução da atividade econômica

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

No momento em que o Brasil ingressa na fase dramática da pandemia, o presidente Bolsonaro mantém sua postura de incentivar um falso confronto entre as medidas de saúde pública para conter a propagação do coronavírus e os interesses econômicos do país, como se quem defende a vida esteja contra a economia. E age de forma calculada e ardilosa, muito mais preocupado em fazer a luta política e aglutinar sua base cada vez mais irracional, ao estimular as pessoas a saírem de casa e propagandear carreatas de apoiadores que, além de aumentarem o risco de contaminação, vendem a ilusão de que o Brasil não deveria parar o tempo suficiente para conter a epidemia.

A postura reiterada do presidente coloca em risco a ferramenta mais poderosa que temos para combater a covid-19, que é o isolamento social máximo possível. Este é um consenso entre as maiores autoridades do planeta em epidemiologia, infectologia e virologia, com base na experiência do que ocorreu em vários países. Infelizmente, devido à inoperância do governo, a pandemia está crescendo num ritmo mais rápido do que deveria no país. Há muita carência de testes, o que gera uma subnotificação gigantesca. Não existe um plano claro e divulgado nacionalmente para nos dar a segurança de que haverá a expansão de leitos de UTI com respiradores e de leitos emergenciais para as internações que se farão necessárias em poucas semanas.

Não há dicotomia entre adotar as medidas necessárias para proteger a vida das pessoas e a retomada da economia. As duas coisas não estão dissociadas. Pelo contrário, quanto mais eficiente for o trabalho para diminuir o número de infectados, mas rápido conseguiremos normalizar a atividade econômica. Mas é preciso também tomar providências significativas na área econômica. A aprovação da renda emergencial de R$ 600 para os brasileiros que tiveram suas atividades bruscamente interrompidas foi um passo importante e, provavelmente, precisaremos aumentar este valor nos próximos meses.

É preciso avançar nas ações de apoio à economia. O país precisa de crédito para as empresas se manterem nesse período, recursos para garantir a manutenção dos empregos de carteira assinada. Por que não se fala em fundo emergencial para combater os efeitos do coronavírus na economia? Sem falar em medidas tributárias justas como o imposto sobre grandes fortunas, a contribuição sobre altos salários públicos e privados, a tributação de lucros e dividendos, e o aumento do imposto sobre o lucro das instituições financeiras.

Temos que equilibrar as duas coisas. Proteger a saúde, que deve estar no topo das nossas prioridades, conforme está escrito na nota conjunta da Organização Mundial da Saúde e do Fundo Monetário Internacional, e diminuir os impactos da redução da atividade econômica.

É hora de temperança, equilíbrio, foco e compromisso com o Brasil e a vida dos brasileiros. Não é hora de fomentar narrativas irresponsáveis que dividem o país e enfraquecem a luta em defesa da saúde pública e dos interesses do país.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247