Impeachment: enfrentar a onça ou adiar o perigo

"Agora que existe um pedido com chances reais de ser votado, cresce na cúpula do governo a preferência pelo enfrentamento imediato da ameaça, colocando um fim na prolongada agonia que asfixia o governo e prejudica o país", afirma Tereza Cruvinel, colunista do 247; segundo a jornalista, "avaliações que seriam comuns aos ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) teriam concluído que hoje o governo perderia por pouco a votação, não alcançando os 171 votos necessários para barrar o impeachment. Mas, segundo tal avaliação, a relação com a base vem melhorando e, nos próximos dias, com alguma melhora no ambiente econômico e político, as condições para ganhar poderiam ser construídas"; leia a íntegra

www.brasil247.com - "Agora que existe um pedido com chances reais de ser votado, cresce na cúpula do governo a preferência pelo enfrentamento imediato da ameaça, colocando um fim na prolongada agonia que asfixia o governo e prejudica o país", afirma Tereza Cruvinel, colunista do 247; segundo a jornalista, "avaliações que seriam comuns aos ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) teriam concluído que hoje o governo perderia por pouco a votação, não alcançando os 171 votos necessários para barrar o impeachment. Mas, segundo tal avaliação, a relação com a base vem melhorando e, nos próximos dias, com alguma melhora no ambiente econômico e político, as condições para ganhar poderiam ser construídas"; leia a íntegra
"Agora que existe um pedido com chances reais de ser votado, cresce na cúpula do governo a preferência pelo enfrentamento imediato da ameaça, colocando um fim na prolongada agonia que asfixia o governo e prejudica o país", afirma Tereza Cruvinel, colunista do 247; segundo a jornalista, "avaliações que seriam comuns aos ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) teriam concluído que hoje o governo perderia por pouco a votação, não alcançando os 171 votos necessários para barrar o impeachment. Mas, segundo tal avaliação, a relação com a base vem melhorando e, nos próximos dias, com alguma melhora no ambiente econômico e político, as condições para ganhar poderiam ser construídas"; leia a íntegra (Foto: Tereza Cruvinel)


A instabilidade política tem sido deletéria para a economia e sua principal causa é o ambiente bipolar em torno do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Uma hora ele parece iminente, em outra mais distante. Ontem o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, sinalizou com a rejeição do pedido e horas depois ganhavam o mundo as notícias sobre pareceres técnicos favoráveis. Agora que existe um pedido com chances reais de ser votado, cresce na cúpula do governo a preferência pelo enfrentamento imediato da ameaça, colocando um fim na prolongada agonia que asfixia o governo e prejudica o país.

Se em algum momento Eduardo Cunha aceitar o pedido da oposição, a primeira providência será judicial, através de recurso ao STF alegando a inexistência de atos presidenciais que configurem crime de responsabilidade. O STF poderá acolher tal pedido, poderá rejeitá-lo, concordando com a decisão de Cunha ou lavar as mãos, alegando que não pode anular decisão que a Constituição coloca nas mãos do presidente da Câmara.

Ao mesmo tempo, já se prepara o governo, desde agora, para a hipótese de votação da autorização de abertura de processo. Ganhando a disputa – para a qual precisará de apenas um terço dos votos (171), ao passo que a oposição precisará de dois terços (341) – o governo teria sepultado o assunto. Dilma ganharia melhores condições para governar e a instabilidade deixaria de contribuir para o mal estar na economia. Se perder na Câmara, o governo poderá ainda tentar reverter o processo no Senado, onde ocorreria o julgamento propriamente dito.  Não será fácil, arrombada a porta na Câmara, a tendência do Senado será seguir a outra Casa.

Durante algumas semanas o governo acreditou que a situação de Eduardo Cunha poderia se agravar ao ponto de acelerar seu afastamento da presidência da Câmara. Hoje esta possibilidade é tida como mais remota. No Conselho de Ética, o processo de sua cassação proposto por PSOL e Rede só terá um desfecho entre março e abril de 2016. Existe a possibilidade de o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedir ao STF seu afastamento, alegando que Cunha vale-se do cargo para tentar  obstaculizar as investigações. Mas isso também é incerto. Nunca antes o STF afastou o presidente de uma casa do Congresso. Isso poderia caracterizar ofensa ao princípio da separação dos poderes  embora nada seja impossível nos tempos correntes, em que os ritos e regras constitucionais vão sendo contornados em nome da moralidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas hoje, efetivamente, o governo teria votos para ganhar a parada do impeachment? Avaliações que seriam comuns aos ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) teriam concluído que hoje o governo perderia por pouco a votação, não alcançando os 171 votos necessários para barrar o impeachment. Mas, segundo tal avaliação, a relação com a base vem melhorando e, nos próximos dias, com alguma melhora no ambiente econômico e político, as condições para ganhar poderiam ser construídas. O PT tem 62 deputados e o leal PC do B, nove. O PDT, que teria se comprometido a votar contra o impeachment quando aceitou o Ministério das Comunicações, tem 19. Já seriam 90 votos. O governo precisaria então garantir mais 81 votos junto ao PMDB (onde Pezão e o líder Piciani ajudariam), PP, PR, PTB, PRB e partidos menores. Isso para completar exatamente os 171 necessários mas é preciso assegurar sempre uma folga de pelo menos dez votos para suprir ausentes e traidores de última hora. Para quem ainda tem a caneta presidencial, pode ser difícil mas não parece impossível.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por fim, existe a melhora de todas as hipóteses para o governo, que é a de Cunha rejeitar o pedido de impeachment. Como ele vem se tornando cada dia mais esfíngico, dizer que isso é impossível é tão arriscado quanto afirmar que a aceitação é certa. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email