Impedida de trabalhar pelo fascismo bolsonarista, mídia corporativa deve um pedido de desculpas ao País

O colunista Gustavo Conde comenta a decisão da mídia corporativa de retirar sua cobertura do Alvorada: "a mídia corporativa finalmente percebeu o timing e disparou sua habitual hipocrisia salvadora, a la Rochefoucault: irá fazer jornalismo a contragosto"

Folha Globo
Folha Globo (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O cerco vai se fechando ao governo mais catastrófico da história do país. Não há mais base social, não há mais disposição para apresentar projetos, não há mais a intimidação judicial de Moro para chantagear parlamentares, não há mais partido do governo, não há mais política de boa vizinhança com poderes, não há mais como disfarçar o fracasso do antipetismo edificado em um ex-capitão boçal, miliciano e, agora, miseravelmente decadente. 

A mídia corporativa finalmente percebeu o timing e disparou sua habitual hipocrisia salvadora, a la Rochefoucault: irá fazer jornalismo a contragosto para impedir a destruição total do país (um país destruído não permite fraudes e manipulações). 

O gesto sintomático da grande imprensa é retirar seus jornalistas da cobertura do Palácio da Alvorada, residência putrefata de um presidente carcomido pelo ódio, pelo medo e pelo desespero. 

Apoiadores de Bolsonaro - os parcos e parvos imbecis suicidas - hostilizam jornalistas todo o santo dia. Para evitar uma tragédia, os veículos ordenaram um basta: não mais irão cobrir o chiqueirinho do Alvorada. 

Por que demorou tanto? 

Porque a mídia corporativa é teimosa. Eles acreditavam que Bolsonaro tomaria jeito. Frustrada em definitivo essa esperança, eles abrem a caixa de ferramentas logísticas e editoriais e partem para mais uma rodada de oportunismo sobre um presidente zumbi que irá cair em breve. 

Alvíssaras. 

Antes uma mídia hipócrita e oportunista que uma mídia genocida. 

O peso simbólico do abandono na cobertura presidencial é gigantesco. Bolsonaro reclama da mídia tradicional todos os dias, mas precisa dela para manter sua legião minguada - sic - de ‘bostas’ de prontidão. 

Na vertigem de um delay colossal dessa mídia acovardada que, de repente, resolveu flertar com a prática jornalística, resta uma pergunta: eles não irão fazer autocrítica?

Nós, do ‘jornalismo alternativo’ estamos avisando há tanto tempo da presepada que é cobrir a saída da besta do Alvorada e eles nem agradecem? 

Fica uma cifra de solidariedade malandra aos nossos pares de cativeiro. 

Mais um pouco, eles abraçam a tese do impeachment e do risco de mais um golpe - aliás, daqui a pouco, eles dirão que ‘foi golpe’ (aquele, de 2016). 

Esse dia vai chegar e eu vou querer ver. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247