Índia e China na iminência de um choque de fronteira

Ambos os lados enviaram reforços ao território disputado de Ladakh enquanto Pequim mostra o muque por toda a Ásia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Pepe Escobar, para o Asia Times

Tradução de Patricia Zimbres para o 247

Seria contraprodutivo para a Índia e a China, ambas membros do BRICS e da Organização de Cooperação de Xangai, irem às vias de fato por causa de alguns passos de montanha gelados e extremamente remotos, embora estrategicamente importantes.

Mas quando olhamos para a Linha de Controle Real de 3.488 quilômetros de extensão, que a Índia define como "não-resolvida", essa possibilidade não pode ser afastada de todo.

Segundo o Hindustan Times: "A Índia enviou tropas de combate de grandes altitudes contando com elementos de apoio para o leste de Ladakh, a fim de se contrapor à postura agressiva do Exército Popular de Libertação da China, cujo objetivo é intimidar o governo e interromper  a construção de infraestrutura de fronteira no setor Daulat Beg Oldie,  que talvez represente uma ameaça à rodovia Lhasa-Kashgar em Aksai Chin".

A rodovia vai do Tibé até o sudoeste da província de Xinjiang, onde a Rodovia Karakoram – a parte norte do Corredor Econômico China-Paquistão - liga Kashgar a Islamabad. Dali, a estrada cruza o Baloquistão em direção ao estratégico porto de Gwadar, no Paquistão,  como parte da Iniciativa Cinturão e Rota chinesa.

"As tropas especializadas indianas estão acostumadas à Região Tibetana Autônoma da China e adaptadas às operações em altitudes rarefeitas, diz o Hindustan Times. "A escala das tropas do EPL - no mínimo duas brigadas - indica que a iniciativa tem o aval de Pequim, não se limitando aos comandantes militares locais".

Ninguém menos que Donald Trump se ofereceu como mediador. 

A atual conflagração começou a ganhar força em fins de abril, levando a uma série de escaramuças em inícios de maio, descritas como "comportamento agressivo de ambos os lados", inclusive com brigas de soco e lançamento de pedras. A versão indiana é que as tropas chinesas cruzaram a Linha de Controle Real (LAC, em inglês) com veículos e equipamentos, com o objetivo de bloquear a construção da estrada pela Índia. 

A área-chave são os arredores do espetacular lago de Pangong Tso, com 135 quilômetros de extensão e de 5 a 7 quilômetros de largura, situado em Ladakh, região que é de fato uma extensão do planalto tibetano. Um terço dessa área é controlado pela Índia e os outros dois terços pela China.

As dobras montanhosas que circundam o lago são chamadas de "dedos". Os indianos afirmam que as tropas chinesas estão próximas ao Dedo Dois, bloqueando seus movimentos. A Índia reivindica direitos territoriais até o Dedo Oito, mas seu controle de fato vai apenas até o Dedo Quatro. 

Há quase uma década, Nova Delhi vem, cada vez mais, expandindo o desenvolvimento da infraestrutura e a presença de tropas em Ladakh. As unidades militares agora passam períodos mais longos na Linha de Controle, e não apenas os seis meses que antes eram a duração padrão do rodízio de tropas.

Essas unidades eram chamadas de batalhões "laço": eles vão e vêm da Geleira Siachen – que foi o cenário de uma mini-guerra ocorrida em 1999, que eu acompanhei de perto. 

Os indianos afirmam que há nada menos que 23 áreas "disputadas e sensíveis" ao longo da LAC, com pelo menos 300 "transgressões" cometidas a cada ano pelas tropas do Exército Popular de Libertação. 

Cruzando a linha

Os indianos estão agora particularmente focados no que vem ocorrendo no vale de Galwan, em Ladakh, onde, segundo eles, ocorreu uma dessas transgressões, tendo o EPL avançado de 3 a 4 quilômetros além do limite, estando agora em processo de cavar trincheiras.

Em termos diplomáticos é tudo muito nebuloso. O Ministério das Relações Exteriores da China acusou as tropas indianas de "cruzarem a linha" tanto em Ladakh quanto em Sikkim, e também de "tentarem alterar unilateralmente o status do controle de fronteira".

O Ministério do Exterior da Índia preferiu enfatizar que os "mecanismos estabelecidos" devam prevalecer, justificando seu relativo silêncio com a explicação de que a diplomacia discreta entre comandantes e oficiais  militares deve ter precedência. 

Essas declarações  contrastam fortemente com o que fontes indianas  no solo vêm afirmando: confrontos diretos entre as tropas em pelo menos três pontos de Ladakh e Sikkim; um excesso de tropas chinesas em áreas da Linha de Controle Real patrulhadas pela Índia e bloqueio das patrulhas indianas em áreas dos dedos do lago Pangong Tso. 

É interessante que fontes da defesa indiana neguem que tenha havido um aumento de tropas chinesas no setor intermediário da Linha de Controle, em Uttarakhand; eles veem o que pode ser descrito como "movimentos locais" de rotina. 

É significativo que um ex-comandante do Exército do Norte tenha afirmado ao The Hindu: "Normalmente, confrontos acontecem em uma área local e são resolvidos no nível local". Isso mais ou menos resume o estado de coisas ao longo da fronteira Índia-China, e também da fronteira Índia-Paquistão.  
Agora, entretanto, tudo indica que o planejamento está se dando em um "nível mais alto na China", de modo que as escaramuças devem ser tratadas pela diplomacia. O primeiro-ministro indiano Narendra Modi vem analisando a atual situação da Linha de Controle Real.

Pequim vem sendo extremamente discreta quanto ao assunto. No entanto, o Global Times parece estar destilando a narrativa chinesa predominante: os pobres da Índia "estão enfrentando uma ameaça de fome cada vez mais grave".

"Tendo em vista esse pano de fundo, é concebível que a exacerbação das tensões de fronteira, nas atuais circunstâncias, venha a atiçar sentimentos nacionalistas  e aumentar a hostilidade interna contra o capital chinês, colocando pressões  desnecessárias sobre o comércio bilateral e desferindo mais um golpe contra a economia indiana, que já sofre forte declínio". 

O Global Times insiste que a China "claramente não tem qualquer intenção de escalar as disputas de fronteira com a Índia", preferindo dar ênfase à "melhoria geral" de seus vínculos bilaterais econômicos e comerciais".

Os suspeitos de sempre do dividir para governar, de sua parte, preferem especular sobre a possibilidade de uma mini-guerra entre Índia e China. É muito pouco provável que isso venha a acontecer. 

O Consultor de Segurança Nacional da Índia, Ajit Doval, e o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, indicados como representantes especiais da Índia e da China, se encontraram pessoalmente em dezembro de 2019, e discutiram "um acordo precoce sobre a questão da fronteira". Tudo indica que eles logo terão que se reunir novamente.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247