Injustiça de transição

A justiça de transição no Brasil nunca foi completa, e pagamos um alto preço por isso

www.brasil247.com - Hamilton Mourão
Hamilton Mourão (Foto: ABr | Gervásio Batista/Arquivo Público de São Paulo)


Carol Proner 

A justiça de transição no Brasil nunca foi completa, e pagamos um alto preço por isso.

Das dimensões que compreendem um adequado processo de revisão e transição da ditadura para a democracia, o Brasil avançou em três fases, mas deixou de lado talvez a mais importante, a dimensão da justiça.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não há dúvidas de que alcançamos a memória histórica com diversas políticas públicas dedicadas à revelação, ao reconhecimento e aos registro da violência e das vítimas. Também enfrentamos o processo de restabelecimento da verdade histórica, sendo a instalação da Comissão Nacional da Verdade o mais cabal exemplo. E não se pode deixar de reconhecer o extraordinário trabalho da Comissão de Anistia, instalada com força de lei no âmbito do Ministério da Justiça e que realizou processos de reparação individual e coletiva documentando a perseguição a 40 mil pessoas atingidas por atos de exceção.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas é preciso admitir que, apesar dos avanços, nunca houve acordo a respeito da dimensão da justiça e da responsabilização. Os militares foram poupados em um estranho pacto de silêncio que penetrou na democracia em forma de tabu inquebrantável. 

Para quem estuda direito internacional, é claríssimo que o Brasil viola a convencionalidade do Sistema Interamericano de Direitos Humanos e descumpre decisão judicial ao não revisar a Lei de Anistia (Caso Gomes Lund vs. Brasil). O Supremo Tribunal Federal, pode-se dizer, se acovardou diante da apreciação da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental no 153 (ADPF 153), e se recusou a revogar a Lei de Anistia. O entendimento do STF, em resumo, foi o de que a Lei de Anistia havia sido recepcionada pela Constituição Federal de 1988 com base na interpretação histórica e no caráter de lei-medida e não caberia ao Poder Judiciário reescrever a história.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais adiante, recordemos que a própria lei que criou a Comissão Nacional da Verdade não previu a dimensão da responsabilização. O relatório final registrou 377 nomes de violadores dos direitos humanos e recomendou a responsabilização criminal, civil e administrativa de 196 pessoas, muitas das quais ainda estão vivas, mas o mandato da Comissão se restringiu a isso.

Finalizados os trabalhos, em dezembro de 2014, o Relatório da CNV não chegou a produzir efeitos. O ano de 2015 pode ser considerado de sabotagem política e preparatório ao Golpe de 2016 que, ao que parece, contou com o conhecimento e a simpatia dos mandos militares.

Após a destituição de Dilma Rousseff, marcada pelas homenagens a torturadores, iniciou-se o desmonte das conquistas da transição. Michel Temer deu início ao esvaziamento da Comissão de Anistia tão logo assumiu o poder. Hoje, o pouco que sobrou é considerado pelos especialistas um desrespeito à memória histórica e à luta pela resistência democrática.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas para além da blindagem militar, há outra dimensão dentro da responsabilização que é ainda mais hermética: o papel cúmplice e até colaboracionista de setores do sistema de justiça, por vezes fazendo vista grossa, por vezes atuando como defensores do método da tortura que se instalou como regra nos porões militares.

O que mais impressiona nos áudios secretos do Superior Tribunal Militar revelados agora não são as sevícias com requintes de perversidade sexual contra mulheres grávidas que ocorriam nos interrogatórios do DOI-CODI, ou as mortes por espancamento ou os filhos abortados. Isso já se sabia, já estava registrado no livro Tortura Nunca Mais ou nos vários registros de memória da violência. 

O que mais impressiona nos segredo de audiência do STM revelados agora são os fundamentos e as justificativas dos votos de um tribunal que admite que a sua função não era fazer justiça, mas defender a “Revolução”. 

Na voz do almirante Júlio de Sá Bierrenbach, um dos ministro do STM em voto revelado nos áudios, “antes de julgar os homens, devemos julgar os papéis, isto é, a procedência dos autos dos processos” (Apelação 41.264). Depois da frase de efeito, o almirante passou a justificar a impossibilidade de reconhecer as torturas pela falta de elementos probatórios, admitindo que eventuais atos eram isolados e de responsabilidade de policiais sádicos. 

Podemos concordar com o almirante Bierrenbach: antes de julgar os homens devemos julgar os papéis, uma frase adaptável aos diversos tempos da história. Podemos perguntar por que, em democracia, o tribunal constitucional decidiu preservar o pacto de silêncio. Ou por que os Ministros demoraram tanto para conceder ordem de acesso aos áudios do STM e a outros documentos. Podemos indagar qual o papel do judiciário atualmente e por que esse tema segue sendo um tabu mesmo diante da impotência militar.

As falas do vice-Presidente da República Hamilton Mourão e do atual Presidente do STM, Luis Carlos Gomes Mattos, como reação de repúdio aos áudios, demonstram que esse assunto não está morto, ao contrário, que se torna inadiável revisar a Lei de Anistia e romper o pacto de silêncio para se alcançar a verdadeira democracia. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email