Intimidade de Barroso com Moro e Dallagnol indica contaminação sistêmica do judiciário

"A intimidade do Moro e do Dallagnol entre si, e deles 2 com ministros do STF, do STJ, com policiais federais e com desembargadores do TRF4, evidencia um quadro de captura e de contaminação sistêmica do judiciário, significando um atentado mortal ao Estado de Direito", avalia o colunista Jeferson Miola

Com a revelação do jantar oferecido por Luis Roberto Barroso ao então juiz Sérgio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol [aqui], sobe para 3 – por enquanto – o número de ministros do STF que o Partido Lava Jato tratava como “seus”.

Na mensagem em que convidou Moro, Dallagnol e outras pessoas, Barroso diz que “Tereza e eu teremos o imenso prazer em recebê-los para um pequeno coquetel/jantar em nossa casa, no dia 9 de agosto [de 2016] próximo, 3ª feira, às 20:30, […]”.

Dentre os convivas, nenhum advogado de defesa de réus eventualmente atingidos pelas decisões dos julgadores e acusadores em íntima e reservada confraternização.

Barroso informa que “Será uma reunião em traje casual, com a presença limitada aos organizadores do evento, o que inclui membros da minha assessoria e poucos dirigentes do UniCEUB”. O evento mencionado por Barroso é o debate sugestivamente chamado de “Democracia, corrupção e justiça: diálogos para um país melhor” [sic] [vídeo].

Antes de afirmar que “Estamos [ele e a esposa Tereza] muito felizes de tê-los aqui”, o ministro do STF sublinha que o jantar será algo próximo ao clandestino, “com máxima discrição. Na medida do possível, desejamos manter como um evento reservado e privado”.

Através das mensagens reveladas anteriormente pelo Intercept foi possível conhecer-se a intimidade do Dallagnol [i] com outro Luiz do STF, o Fux, celebrada por Moro naquela frase épica “In Fux we trust”; e também [ii] com mais outro Luiz da Suprema Corte, o Fachin, cuja afinidade foi comemorada pelo Dallagnol como um torcedor no estádio esportivo: “Aha uhu, o Fachin é nosso!”.

Por isso, do mesmo modo que Fux e Fachin, Barroso também se tornou suspeito para participar do julgamento dos processos do ex-presidente Lula, considerado o inimigo político e alvo central da Lava Jato [aqui].

Nem é preciso realizar uma pesquisa exaustiva para se constatar a coerência das decisões, dos votos e das opiniões jurídicas e políticas dos 3 ministros, sempre sintonizadas com os interesses e com os rumos gerais da Operação – a ponto de todos eles defenderem a Lava Jato e incriminarem o Intercept e, também, a ponto do Fux antecipar o compromisso de apoio e de sustentação incondicional da Lava Jato inclusive no futuro [sic], quando presidir o STF.

Esta deplorável realidade, identificada na clandestinidade e na obscuridade por onde orbita a elite do sistema de justiça, mostra relações nada republicanas e de questionável legalidade.

Os vínculos promíscuos de acusadores, julgadores e revisores da Lava Jato não são compatíveis com o regramento do sistema acusatório definido na Constituição e nas Leis do Brasil.

A intimidade do Moro e do Dallagnol entre si, e deles 2 com ministros do STF, do STJ, com policiais federais e com desembargadores do TRF4, evidencia um quadro de captura e de contaminação sistêmica do judiciário, significando um atentado mortal ao Estado de Direito.

Considerando o volume extraordinário de dados, áudios e mensagens que ainda serão revelados pelo Intercept, será então inevitável se constatar que o precipício em que o Brasil foi mergulhado pela oligarquia golpista poderá ter uma profundidade insondável.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247