Inventário da crise

www.brasil247.com - Jô Soares
Jô Soares (Foto: Divulgação)


I.

No dia seguinte à morte de Jô Soares, diante da profusão de posts nas mídias sociais em sua homenagem, fiz o meu (à maneira do Gordo): “nem Jó aguenta mais tanto post do Jô”. No ato, já vieram os donos do José Eugênio. Compungidos, mas de pedras nas mãos, exigindo respeito. É curioso ver tanta gente pedindo circunspecção em relação ao cara que queria a seguinte plaquinha, no velório, ao lado do seu caixão: "por favor, dê mais uma sacudidinha". Valei-me, São Duíche, protetor dos obesos, contra os fiscais de tudo!

II.

Tempos atrás visitei a cidade de Maceió. Era uma pequena capital à beira de um mar esmeralda, preenchido por sargaços. Voltei décadas depois e encontrei o mesmo oceano, mas rodeado por shoppings, condomínios de apartamentos e cidadãos munidos de celular. Caminhando pela orla maceioense, me veio o pensamento. O shopping center, o condomínio e o celular são a tríade desse pseudodesenvolvimento urbano nacional. Sem eles, não há a sensação de que somos parelhos ao Primeiro Mundo. No entanto, também são eles que nos fazem consumir o que não necessitamos, viver como pombos, e perder tempo teclando sobre assuntos desprezíveis. Se isso for civilização, eu quero é rosetar.

III.

As pessoas ficam chocadas com o ignorantismo que astravanca a nação pindorâmica. Porém, não é de hoje que se chama a atenção para a pandemia de burrice que vem assolando o país. A começar do Sérgio Porto que a batizou de Febeapá - nos anos 1960. Muitos berraram, milhares ainda urram. Mas, por acaso, investiram em Educação? Não. Na real, é a Educação que investe no bolso dos políticos. Financia suas candidaturas, os empreendimentos familiares, e otras cositas más. Por acaso, o dinheiro dos munícipios vai para onde deve ir? Não. Vai até para a baixa da égua e não entra no caixa das escolas, hospitais, creches e outros serviços sociais. Uma hora chega a conta. Por mais que se empurre cocô para debaixo da alcatifa, em determinado momento sobe o futum. É o que temos para o momento. Parabéns aos subdesenvolvidos.

IV.

Os técnicos brasileiros de futebol estão mais por baixo do que lingerie de freira. Os portugueses invadiram o mercado dos grandes clubes. São ótimos analistas, falam muito bem. Felizmente, não com aquela falabilidade do Tite para explicar o falível da sua Seleção. Aí deu nisso. Os times que eles dirigem vão subindo na tabela, os técnicos nacionais vão descendo a ladeira. Eu, todavia, ainda acredito na criatividade local. Não duvido que algum cartola esperto contrate um professor lá dos cafundós de Caixa-Pregos, ensine o decente a falar com sotaque lisboeta, e bote para dirigir algum elenco da Série A. Se der certo, maravilhas. Se der errado, ajuda a terminar mais cedo essa mania por técnicos alfacinhas. 

V.

Só há uma razão para o general Paulo Sérgio Nogueira demorar dez meses para perceber que já haviam lhe enviado o código-fonte das urnas eletrônicas: o TSE errou o código de endereçamento postal do Ministério da Defesa. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247