CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Heba Ayyad avatar

Heba Ayyad

Jornalista internacional e escritora palestina

91 artigos

blog

Irã foi firme na resposta à agressão além de seguir as convenções internacionais

"Esta é a primeira vez que o Irã ataca a entidade sionista a partir de seu território, e não a partir do território de seus aliados"

Bandeira do Irã (Foto: Reuters/Leonhard Foeger)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Vamos primeiro concordar que o que a entidade sionista fez em 1º de abril, ao violar a soberania Síria, destruir o edifício do consulado iraniano e matar vários soldados, diplomatas e civis, pode facilmente ser classificado como um “crime de agressão”. Levantei esta questão com o porta-voz oficial do Secretário-Geral e ele concordou que o que Israel fez foi “agressão”. O Secretário-Geral António Guterres emitiu uma declaração clara condenando esta operação, dizendo: “O princípio da inviolabilidade dos edifícios diplomáticos e consulares e dos seus funcionários deve ser respeitado em todos os casos, de acordo com o direito internacional”. Um ataque a uma missão diplomática é uma violação do direito internacional, de acordo com a Convenção de Viena de 1961 sobre Relações Diplomáticas. Imediatamente após o crime, a Síria, através da delegação russa, solicitou uma sessão de emergência do Conselho de Segurança da ONU, e o Conselho reuniu-se em 2 de abril. O Embaixador Russo, Vassaly Nebenzia, sugeriu que o Conselho emitisse uma declaração condenando o ataque ao consulado iraniano em Damasco e condenando a violação da imunidade das sedes diplomáticas em qualquer lugar e em qualquer país. Mas os três países coloniais, antigos e novos, recusaram-se a emitir qualquer declaração, embora o crime fosse absolutamente claro, e nas suas palavras começaram a criticar o Irã e a acusá-lo de todo o tipo de acusações, e estes três países recusaram-se a manter a entidade qualquer responsabilidade.

Uma vez que a entidade sionista mudou as regras de envolvimento de ataques indiretos para um ataque à soberania do Estado, o Irã não teve outra escolha senão elevar as regras de envolvimento para o mesmo nível, atacando a entidade em suas profundezas, ao contrário das escaramuças do passado, que eram indiretas. Agiu de forma altamente profissional e respeitou a letra do direito internacional. Apresentou uma carta ao Conselho de Segurança e ao Secretário-Geral, confirmando seu direito à autodefesa nos termos do Artigo 51 da Carta das Nações Unidas, que estipula explicitamente esse direito para qualquer Estado que seja atacado, a menos que o Conselho de Segurança tome medidas imediatas e dissuasivas contra o agressor, e também estipula a mesma cláusula: é responsabilidade do Estado que toma medidas retaliatórias informar o Conselho de Segurança. 'As medidas tomadas pelos membros no exercício do direito à autodefesa serão comunicadas imediatamente ao Conselho', que foi o que o Irã fez literalmente. Anunciou o ataque com antecedência e informou a Turquia e a Suíça sobre ele, e o ataque não foi secreto. Lançou drones, mísseis balísticos e mísseis de cruzeiro, num total de mais de 300, a maioria dos quais foram abatidos antes da sua chegada. Mas um grupo de mísseis atingiu a Base Aérea de Nevatim e o Aeroporto Ramon e causou danos cuja extensão ninguém sabe. A resposta não se limitou à entidade, mas sim, à medida que os três países coloniais anunciaram sua participação na repulsão dos mísseis e marchas, além de uma série de países da região. Segundo o site The Intercept, os Estados Unidos abateram a maior parte dos drones e mísseis. Segundo fontes do Pentágono, os Estados Unidos coordenaram a resposta, através de uma frente de defesa que se estende desde o norte do Iraque até o sul do Golfo Pérsico.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Perspectivas - Muitos analistas e comentadores dividiram-se em duas partes relativamente a este ataque retaliatório contra a entidade sionista. Aqueles que o viam como uma peça inútil levada a cabo em acordo com os Estados Unidos, com o objetivo de salvar a face, depois do Irã ter prometido responder à destruição do consulado em Damasco e após o fracasso do Conselho de Segurança da ONU. Sua sessão foi realizada em 2 de abril para condenar a agressão. Muitos escritores e comentadores começaram a ironizar a operação e a fazer inventários dos seus benefícios, concluindo que foi um fracasso, “como se você, Abu Zaid, nunca tivesse invadido”, como comentou um deles.

Quanto ao outro ponto de vista, exagerou-se muito a importância do ataque iraniano e começou-se a falar em mudar o mapa da região e todas as regras de envolvimento. O Irã impôs-se como uma grande potência regional e provou que é capaz de ser absoluta dissuasão e que este ataque massivo porá fim às provocações do regime sionista na região. Alguns analistas acrescentaram que a operação de confronto custou ao inimigo sionista um bilhão de dólares e que enviou uma forte mensagem aos normalizadores árabes que acreditam que este frágil regime é capaz de protegê-los, e não foi capaz de se proteger nem dos ataques da resistência em 7 de Outubro, nem dos ataques iranianos na noite de sábado, 13/14 de Abril. Em ambos os ataques, contou-se com a ajuda maciça do Ocidente, então como poderia proteger estes países que procuram a sua segurança fora da região? Uma análise objetiva do que aconteceu na madrugada de 14 de abril indica que há alguma verdade em ambas as análises se excluirmos aspectos de exagero.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Vamos começar pelo lado positivo dos ataques e confirmar que esta é a primeira vez que o Irã ataca a entidade sionista a partir de seu território, e não a partir do território de seus aliados. O ataque foi dirigido diretamente às profundezas da entidade, às suas instituições e aos seus locais militares no Negev, Ashkelon, Haifa e outros. Antes disso, o Irã respondeu às provocações da entidade atacando seus interesses e aliados na região, como o ataque a Erbil, a base estadunidense na Jordânia, ou a navios no Estreito de Ormuz ou no Mar Vermelho. Além disso, a resposta desta vez foi ampla, abrangente e diversificada, e não uma resposta formal. Imaginem comigo, se estes ataques tivessem sido uma surpresa e dez por cento deles tivessem alcançado seus objetivos, teriam causado uma destruição massiva que teria levado à eclosão de uma guerra abrangente, que o Irã não quer nem procura, e está trabalhando com toda a seriedade para reforçar suas capacidades de dissuasão e seus olhos nas bases estadunidenses implantadas nas proximidades. A mensagem do Irã foi clara, corajosa e comovente, e é certo que a entidade e seus aliados leram a mensagem com muita seriedade, afirmando que o Irã não permanecerá calado se ameaçar sua soberania e segurança nacional, e que tem um poder dissuasor que constitui um verdadeiro guarda-chuva de proteção e uma força ofensiva esmagadora. Apesar de todos os preparativos feitos com 72 horas de antecedência pela entidade e seus três principais aliados, além dos países funcionais da região, alguns dos mísseis atingiram seus alvos e causaram grande destruição, principalmente na base de Nevatim de onde saíram os aviões de guerra que visavam o consulado iraniano em Damasco. Como disse o especialista militar Aharon Bregman, do King's College London: "O ataque iraniano é um acontecimento histórico que transformou a guerra paralela entre os dois países num confronto aberto". Por outro lado, a entidade sionista conseguiu explorar ao máximo o processo. Trouxe de volta ao primeiro plano a 'teoria da vítima' que continuou a se espalhar, e os países que não condenaram os massacres contínuos durante 193 dias, nos quais mais de 140.000 foram mortos, incluindo mártires, feridos e desaparecidos, alinharam-se atrás dele e não emitiram uma declaração de condenação por atacar o consulado iraniano em Damasco, mas emitiram fortes condenações ao Irã e tentaram interromper os eventos de 14 de abril fora do seu contexto, como aconteceu com os acontecimentos de 7 de outubro.

A história começa onde Israel quer que comece, e esses países estão a adotar a mesma narrativa. O ataque restaurou uma espécie de simpatia pela entidade, ainda que temporariamente, por parte dos países ocidentais. A entidade por trás de Netanyahu aliviou a tensão interna. Este ataque traduzir-se-á em pacotes de armas ocidentais mais avançados e em milhares de milhões de dólares. Mas esses milhares de milhões não irão tranquilizar esses estranhos que entram em pânico sempre que ouvem o som da buzina de alarme e correm para os abrigos. Se lhes fosse imposto um estado de sítio durante uma semana, semelhante ao cerco de Gaza, a entidade desintegrar-se-ia e cada imigrante regressaria ao seu local de residência original. Basta que este ataque tenha exposto muitos locais militares que trabalham ao serviço do regime e exposto a falsidade das posições. Os países que não conseguiram abrir uma única passagem para ajuda humanitária correram para se juntar à frente para defender a entidade sionista desde o primeiro minuto. Gostaríamos de perguntar: se marchas e mísseis sionistas fossem lançados a partir dos espaços destes países em direção ao Irã, será que as suas defesas aéreas disparariam um único míssil para proteger a soberania do país?

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO